A Tecnologia e o Varejo no Brasil

Autor: Daniel Vilela, ACV Solutions, CEO & Co-Founder

 

 

Sejam bem vindos à primeira matéria aqui da NeTe dedicada à tecnologia para o Varejo. Aqui vamos explorar alguns pontos bem interessantes, com um ponto de vista diferente do tradicional, com a finalidade de trazer informação e contextualização do que são algumas das principais tendências e benefícios, enquanto tropicalizamos e refletimos sobre a aplicação delas no âmbito nacional.

Nosso setor de Varejo, como quase todos setores no nosso país, é muito inerte na utilização de tecnologia. Em 2008, por exemplo, o e-commerce representava menos 5% de todo o faturamento do varejo no país. Na realidade, muito pouco se avançou na utilização deste canal como fonte de faturamento. Levamos quase 20 anos para alcançarmos uma penetração desta magnitude no país.

Obviamente, a pandemia trouxe para o setor, uma grande aceleração e adaptação por questões de saúde e regulamentação pública. De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), em parceria com a Neotrust,  experimentamos em 2020 um crescimento de 68% de vendas online, terminando 2020 com 10% do faturamento relacionado ao comércio eletrônico exclusivamente. Obviamente, por questões maiores do que a simples decisão da adoção ou não da tecnologia estão fatores sociais, educacionais e de infraestrutura. E por estes motivos o comércio online sozinho, não é o única ou a  mais correta solução tecnológica para todos os negócios.

Em um país pouco educado existe muita dificuldade de utilizar ferramentas tecnológicas e grande desconfiança do público consumidor, a compra exclusivamente online como forma principal ou secundária de consumo não permite, desta forma, uma adoção tão volumosa. Além deste ponto, para que o comércio eletrônico consiga ganhar tração, muito investimento é necessário em infraestrutura, logística e pagamento. O varejo físico deve por muitos anos permanecer como principal braço do setor.

A partir daí analisamos diferentes tendências que são realidades em muitos países e que se formam em torno do varejo tradicional principalmente potencializando suas próprias características enquanto traz benefícios às suas fraquezas. Desta forma não só a tecnologia se adapta à realidade como ela permite que pequenos e médios empresários do setor tenham condições de ser relevantes ao público local frente aos grandes varejistas online.

Fiquem ligados nas próximas matérias. Vamos explorar diferentes possibilidades e oportunidades de tecnologia para o Varejo! Até lá!