Rússia X Ucrânia e Implicações No Metaverso

Autor: Paulo Milet

 

Vou abordar aqui dois temas que poderiam ser claramente associados com o futuro (o Metaverso) e com o passado ( a Guerra Rússia X Ucrânia). Desde que Zuckenberg anunciou que o Facebook iria passar a se chamar Meta, e focar no Metaverso, essa palavra não sai dos destaques no mundo da Internet, mesmo não sendo realmente uma novidade, já que até jogos (Second Life) existem há mais de 20 anos. O conceito, simplificadamente, seria que tudo que se faz hoje na internet (pesquisas, compras, educação, saúde, trabalho, conversas, jogos…) vai ser feito “entrando” no Metaverso, “presencialmente”, com todos os cinco sentidos, e mais algumas capacidades, já que as leis da física e conceitos de tempo e espaço não necessariamente precisarão ser “ obedecidas”.

Mas as notícias das últimas semanas envolvendo a guerra, ou melhor, a invasão da Ucrânia pela Rússia, ainda nos mostra um modelo “antigo” de tentativa de dominação de um país em função de fronteiras físicas e superioridade numérica em termos de tanques, soldados e armas (até atômicas). Uma guerra que talvez esteja fadada a ser a última (quem dera!) com esse formato, já que territórios dominados vão valer cada vez menos em relação à inteligência e à tecnologia.

Nessa guerra, o que vemos são bombardeios atingindo prédios civis residenciais, comerciais e até hospitais. Milhões de ucranianos abandonando seu país, crianças, mulheres e idosos sendo atingidos. Tanques russos pesados cercando. Inaceitável!

O mundo da Internet, assim como o do Metaverso, não é esse mundo puramente físico onde as coisas acontecem dentro das regras. leis e fronteiras de cada país. Tudo acontece na “nuvem” e nas suas interconexões.

Elon Musk colocou no ar uma rede de satélites exclusivos possibilitando quem não apenas seus clientes, mas também o povo ucraniano, continuasse tendo acesso a informações do dia a dia da guerra. E as fronteiras?

As leis atuais não impedem guerras e nem conseguirão regular o Metaverso. Medidas novas, nos dois casos, terão que ser supranacionais. Já está em tempo de percebermos que as legislações que consideram o território físico, seja para o cometimento de crimes, penalização de criminosos, aspectos legais, tributários ou trabalhistas, já deveriam estar sendo discutidos nos diversos fóruns internacionais.

Problemas desse tipo teriam que ser tratados em um nível global pelos países. Só assim, os Telegrams e Putins da vida poderiam respeitar e atuar dentro de limites razoáveis. Centenas de empresas saíram da Rússia porque sabiam que seus clientes no mundo todo iriam apoiar (mundo ESG).  Dezenas de países e entidades criaram punições, bloqueios e banimentos. Mesmo se a Rússia “ganhar”. Já perdeu! No Metaverso, será similar.

Temos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs) da ONU para 2030, que equacionam os grandes problemas mundiais. Talvez deva-se incluir um ODS18 que acabe com possibilidade de guerras.

Oito anos também é um horizonte razoável para um Metaverso mais completo, onde, além de visão e audição, o tato (certamente) e talvez olfato e paladar já estejam disponíveis de modo simples, fácil e confortável.

Em 2030 não poderão mais existir problemas de fome, educação, saúde e habitação. Conectividade total é a palavra de ordem. Os custos de comunicação e acesso ao Metaverso serão irrisórios. Produtividade total na agricultura, comércio, indústria e serviços. Renda mínima garantida. Trabalho pesado só com máquinas. Carga horária menor no trabalho.

Para que essa visão aconteça, as leis precisam ultrapassar fronteiras, aqui e no Metaverso. Movimentação livre e acordada em todas as direções.

Se for assim, guerra? Por que? Pra que?

 Paulo Milet –  consultor em gestão, Inovação e EaD,  Presidente do Conselho de Educação da ACRJ,  Diretor da RioSoft e TI-RIO. Formado em Matemática pela UnB, com pós em Administração Pública  pela FGV e Founder  da ESCHOLA.COM.

O que Leonardo da Vinci pensa sobre o Metaverso?

Autor: Paulo Milet

 

Com todo esse movimento e discussões sobre as mudanças vislumbradas para os próximos anos com o METAVERSO, e uma nova visão impactando a “realidade”, fiquei curioso para conhecer a opinião de um dos maiores especialistas em artes e tecnologia da história.  Assim, consegui (PM) uma entrevista inédita com Leonardo da Vinci (LV) sobre essa novidade, que preconiza que vamos poder “entrar” no Metaverso, e que lá, poderemos andar, correr, viajar, construir, criar, comprar, estudar, trabalhar, brincar e conviver com pessoas de todas as partes do mundo (ver artigo meu anterior).

Veja abaixo a entrevista.

(PM) Bom dia Leonardo! Gostaria de conversar um pouco com você que habita atualmente esse universo esotérico paralelo ao nosso e quero saber o que você acha desse tal de Metaverso que o pessoal está inventando. Será que vai dar certo?

(LV)  “Tudo que está no plano da realidade já foi sonho um dia”.

(PM) Mas existem muitas críticas. Muitos acham que pode ser uma fuga da realidade ou então usado para o mal.

(LV) “Se o pintor deseja ver belezas que o encantem, está em seu poder criá-las, e se deseja ver monstruosidades assustadoras, ridículas ou verdadeiramente lamentáveis, ele é o senhor e Deus delas”.

(PM) No Metaverso você vai poder andar, correr, reunir, mergulhar e até testar seus inventos, o helicóptero, o paraquedas, voar…

(LV)  “Depois de experimentar o vôo, você caminhará para sempre pela terra com os olhos voltados para o céu, pois lá esteve e sempre desejará retornar”.

(PM) Um ponto chave são os sensores em todo o corpo e nas roupas, botas, óculos, pulseiras e assim poderemos sentir tudo no Metaverso.

(LV)  “Os cinco sentidos são os guias da alma “, mas ” A função do músculo é puxar e não empurrar, exceto no caso dos órgãos genitais e da língua”

(PM) Mesmo? Espero que eles tenham pensado e estudado isso bastante.

(LV) ” Quem pensa pouco, erra muito” e “Pouco conhecimento faz com que as pessoas se sintam orgulhosas. Muito conhecimento, que se sintam humildes”.

(PM) Então esses que criticam devem experimentar antes de criticar?

(LV) “A experiência nunca falha, apenas as nossas opiniões falham, ao esperar da experiência aquilo que ela não é capaz de oferecer” e, de todo modo, ” Há três tipos de pessoas: as que vêem, as que vêem quando lhes é mostrado e as que não vêem”.

(PM) Será que vai ser bom para a Educação? Para aprender? Você mesmo poderia ensinar desenho, pintura, escultura, arquitetura, ciência, música, matemática, engenharia, literatura, anatomia, geologia, astronomia, botânica e cartografia para milhares de alunos e ainda testar seus inventos…

(LV)  “Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende”. “O prazer mais nobre é a alegria de compreender”.

(PM) Será bom ficar conectado desse modo? Lá dentro do Metaverso?

(LV)  “Princípios para o desenvolvimento de uma mente completa: Estude a ciência da arte. Estude a arte da ciência. Desenvolva seus sentidos – especialmente aprenda a ver. Perceba que tudo se conecta a tudo o mais”. ” Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. “

(PM) Fico pensando quanto você iria ganhar em NFTs com seus quadros e pinturas geniais!

(LV) “A mais nobre paixão humana é aquela que ama a imagem da beleza em vez da realidade material. O maior prazer está na contemplação”.

(PM) Os projetistas, desenvolvedores e criadores desses ambientes do Metaverso são artistas, poetas, pintores como você. Não?

(LV) ” A pintura é a poesia que é mais vista do que sentida, e a poesia é a pintura que é mais sentida do que vista. O pintor tem o Universo na mente e nas mãos. O artista vê o que os outros apenas vislumbram “. “O gênio do pintor há-de se apossar de todas essas coisas para criar composições diversas: luta de homens e de animais, paisagens, monstros, demônios e outras coisas fantásticas. Tudo, enfim, servirá para engrandecer o artista “.

(PM) Isso vai gerar muito trabalho e novos empregos. Tanto para os que constroem os equipamentos (hardware) quanto para os que desenvolvem as soluções (software), não acha?

(LV)” Se o corpo parecer para você como algo maravilhosamente construído, lembre-se que não é nada em comparação com a alma que mora dentro dele e que é uma coisa divina”.

(PM) Mas os críticos não vão descansar, né? Mesmo sem compreender o que é isso.

(LV) ” A aquisição de conhecimento é sempre útil para o intelecto, porque pode assim expulsar as coisas inúteis e reter o bem. Pois nada pode ser amado ou odiado a menos que seja conhecido primeiro”. ” É um fato reconhecido que percebemos erros no trabalho dos outros mais prontamente do que no nosso”.

(PM) Eu trabalho com Educação a Distância e Tecnologia e acho que vou gostar de trabalhar com /no Metaverso.

(PV) “Que o teu orgulho e objetivo consistam em pôr no teu trabalho algo que se assemelhe a um milagre “. Mas estude bastante, pois “Os que se encantam com a prática sem a ciência são como os timoneiros que entram no navio sem timão nem bússola, nunca tendo certeza do seu destino”.

(PM) Pois é, vamos aprender! Pensar bastante. O tempo urge!

(LV) “O tempo dura bastante para aqueles que sabem aproveitá-lo”.”O dia em que nada aprendi, foi um dia não vivido”  e “Quem pensa pouco erra muito …”

(PM) Leonardo, obrigado pelo papo. Quem sabe nos encontraremos no METAVERSO? Bom retorno! Grande Abraço.

 

Paulo Milet é consultor em gestão, Inovação e EaD,  Presidente do Conselho de Educação da ACRJ, formado em Matemática pela UnB, com pós em Administração Pública  pela FGV e CEO da ESCHOLA.COM.

Você ainda não sabe o que é METAVERSO? É bom aprender…

Autor: Paulo Milet

 

Nos últimos tempo, a expressão METAVERSO tem começado a aparecer com mais frequência nas notícias do dia-a-dia.

Inicialmente entre aqueles mais interessados em Games. Logo depois naquelas noticias envolvendo Mark Zuckerberg e o FACEBOOK.

Zuckerberk diz que o futuro da Internet é o METAVERSO, resolveu investir 50 milhões de dolares pra começar e até definiu que o novo nome da holding que controla o FB, Instagram e Whatsappp será META!

Nas afinal, o que é Metaverso?

A expressão parece ter surgido em um conto de 1992, do escritor Neal Stepheson que criou o conceito de um Universo paralelo, só existente e visível para os óculos especiais do herói da história.

Mas a ideia atual é bem maior do que essa. Alguns games já com 20 anos, como o “Second Life”, tentaram implementar um mundo similar a esse na internet, onde as pessoas poderiam ter um clone seu e viver em um ambiente paralelo (daí o nome second life).

Várias empresas estão pensando( e agindo) na direção do Metaverso. Google, Apple, Amazon, Microsoft, Roblox, Epic Games, e muitas outras já estão com projetos envolvendo as tecnologias que se cruzarão no Metaverso. Realidade Virtual e aumentada, Internet das coisas,  Sensores e simuladores, vestíveis de todos os tipos, Inteligencia artificial, robótica, blockchain, clones e muito mais. Com o 5G e logo depois o 6G muita coisa que está no papel, vai virar realidade (ou Meta realidade).

Mas vamos parar de falar em tecnologias incompreensíveis e vamos ver na prática como isso poderia funcionar?

Começamos vestindo nossas roupas coladas no corpo como a de um mergulhador, só que bem leves e confortáveis, com óculos e capacete especiais e com sensores em cada centímetro do corpo. Entramos na sala ou quarto da nossa casa, especialmente recauchutados e preparados e subimos em algo como uma esteira de caminhada 360 graus.

E aí a vida (ou meta vida) explode!

Começamos entrando no METAVERSO num domingo e nos dirigindo ao Maracanã, onde está sendo realizado um jogo do Flamengo. Assistimos ao jogo (vitória do Mengão!)e na saída resolvemos que a partida do Lakers pela NBA em Los Angeles, que começa em 5min merece ser vista e seguimos pra lá com a velocidade do pensamento.

E depois do Lakers? Que tal um jantar em Paris? Aí voce se encontra com sua esposa que estava no teatro em Times Square (na verdade ela está em Brasília) e com um casal de amigos (ele mora em São Paulo e ela em Buenos Aires) e se reunem em um restaurante bem simpático ali bem perto do Arco do Triunfo. Pedem o cardápio e escolhem os melhores pratos.

Mas como saborear no Metaverso? Não tem problema. Em 30min, um drone na sua janela (e nas janelas dos outros 3) faz a entrega dos pratos pedidos. As redes internacionais de distribuição fazem o casamento do mundo real com o Metaverso.

Mas, vamos em frente!

No dia seguinte (a noite anterior foi ótima! Afinal os sensores estão em cada centímetro do corpo), uma segunda feira, vamos trabalhar.

Reunião na Paulista em Sampa com toda a Diretoria no vigésimo andar. (cada um dos diretores está na verdade em uma cidade diferente em paises diferentes, mas todos estão se vendo e conversando como se estivessem no mesmo recinto).

Depois da reunião, não posso perder aquela aula sensacional no MIT, junto com mais 320.000 alunos interessados naquele tema.

Entre a reunião em Sampa e a aula em Boston, aproveitei pra fazer uma consulta geral com meu médico que estava naquele momento nas Bahamas. Ou seria em Cingapura?

Continuei  as atividades encontrando com minha filha e netas dando beijos e abraços apertados e descendo em uma montanha russa na Disney.  A “turkey leg” especial, voces já sabem, veio por drone. Mais cedo as meninas tiveram aulas de “machine learning” no vale do silicio e visitaram as pirâmides no Egito.

A semana foi bem cheia. Ainda teve um show de Paul McCartney em Milão, aliás, em dupla com Jonh Lennon. Porque não? Foi um sucesso! Platéia com 60.000.000 de beatlemaniacos!

E então? Deu pra pensar e sonhar com o Metaverso?

Quase ia esquecendo: Tudo foi sendo pago com metamoedas aceitas em todo o Metaverso e fora dele também.

Ficou mais claro? Tudo que voce faz hoje na Internet (buscas, pesquisas, compras, estudo, trabalho, conversas, jogos…) vai continuar fazendo dentro do Metaverso, só que “presencialmente”!

E os problemas do mundo real? Foram resolvidos?

Só não serão se não quisermos. Não poderão mais existir problemas de educação e saúde. Os custos de comunicação e acesso ao Metaverso serão irrisórios. Produtividade total na agricultura e alimentação. Renda mínima garantida. Trabalho pesado só com as máquinas.

Certamente o Zuckergerg não pensou em tudo isso, mas nós temos que pensar.

E os limites? E as leis? E as fronteiras? E os impostos? E as empresas? E os governos? E os paises? E o ar e a água?

E o mais importante: E as pessoas? Vão estar mais felizes? Ou seria Metafelizes?

 

Paulo Milet –  Formado em Matemática pela UnB e pós graduado em adm. pública pela FGV RJ – Pres. Conselho de Educação da ACRJ. Consultor e empresário nas áreas de Tecnologia, Gestão e EaD. Sócio Fundador da ESCHOLA.COM.