4 Mitos Sobre Empreender.

Autor: Marcio Cerbella

 

Coluna: Confiança Criativa nos Negócios

Resumo: Algumas questões e mitos sobre empreendedorismo, precisam ser tratadas, afinal quem é esse ser, o tal do empreendedor? Aqui contamos um pouco mais sobre verdades e oportunidades do universo do empreendedorismo construindo a confiança criativa.

Mito 1 – Em épocas de crise, muitos que trabalham com empreendedorismo sempre falam que a melhor coisa a se fazer é inovar. Inclusive até fazem um trocadilho quando afirmam que “tire o ‘s’ da crise que vira crie”. Mas sabemos que a fórmula não é tão simples assim e que o início é de muitos percalços e apertos. Em geral, qual é o modelo ideal de planejamento para alguém que quer iniciar algo do zero?

O modelo ideal é aquele que se adequa ao dono, uma ótima ferramenta para ajudar na construção desse modelo, é o CANVAS (quadro do modelo de negócio), que permite um desenho dinâmico do negócio e convida a inovação em cada uma de suas etapas, entre os seus 9 blocos destaco dois, público-alvo e proposta de valor. Dica certa para promover o negócio é saber se as pessoas precisam do que será entregue, se estão dispostas a pagar por isso e como encontrá-los. Conhecer quem é o cliente e quais são os valores que ele necessita permite a construção de um planejamento certeiro. Mas é importante não confundir valor com preço, valores são as necessidades ou preferências pessoais dos clientes, preço inclusive, pode ser um entre muitos valores de um determinado indivíduo.

Mito 2 – Em geral, é válido fazer uma espécie de “mapeamento” das áreas profissionais para ver qual está saturada para não correr o risco de ser apenas “mais um”?

Um mapeamento é fundamental, fazer o que chamamos de pesquisa de mercado, combinada ao estudo de viabilidade técnica e comercial da futura empresa, permitirá escolhas adequadas e a criação de um modelo de negócio capaz de permitir a entrada de um novo, até mesmo em um ramo em que outros empresários já estejam estabelecidos. O segredo está em saber o máximo possível sobre quem será seu cliente e se os valores que vai entregar são benefícios para ele.

O problema não está em ser mais um e sim em fazer a mesma coisa para o mesmo público que seu concorrente está fazendo, imagine duas fábricas de bolo vizinhas, se as duas fizerem exatamente o mesmo tipo de bolo, concorrendo apenas com o preço, as duas caminharão para o prejuízo, no entanto uma pode ser especialista em bolos rápidos e saborosos e a outra em design e estilo para festas, que, no entanto, são um pouco mais demorados, mais caros, mas igualmente saborosos. As duas fábricas no último exemplo, apesar de serem do mesmo ramo, provavelmente estarão economicamente saudáveis por usarem curvas de valor diferenciadas, em outras palavras atenderão necessidades diferentes para públicos diferentes.

Mito 3 – É grande o número de pessoas que alegam não empreenderem em algo por não terem talento para desenvolver uma ideia. O que e como fazer nesses casos?

Hoje em dia se você não tem alguma competência ou talento, está cada vez mais fácil desenvolvê-los. Abrir uma empresa ou negócio não é tão diferente de quando queremos um objetivo ou sonho e vamos atrás dele com todas as nossas forças, o que podemos considerar como uma das formas de se empreender, uma empresa inclusive não deve depender exclusivamente do talento de seu proprietário, buscar informações, montar uma equipe, ou contratar uma consultoria antes de dar os primeiros passos são opções para vencer essa insegurança inicial e obter os comportamentos empreendedores.

Mito 4 – E, de fato, há gente que não tem o menor talento para tocar o próprio negócio, por mais dedicada, esforçada e até profissional que seja. Como tal pessoa deve agir diante dessa situação?

É preciso salientar que tocar uma empresa ou abrir um negócio não é como ser um jogador de futebol habilidoso, um grande pintor ou escultor, o talento não é tão importante quanto se esforçar para encontrar ferramentas, práticas e técnicas que ajudem na administração do negócio, e torná-lo viável e rentável. O acompanhamento sistemático com as ferramentas adequadas permite que mesmo sem um talento especial seja possível o empreendimento com ótimos resultados.

Se você não está disposto a adquirir essas competências administrativas, mesmo assim, pode pedir ajuda a especialistas para facilitar esse processo ou ainda contratar um ou mais administradores para desempenhar esse papel ou ainda uma empresa terceirizada, mas de qualquer forma são necessários o monitoramento e o planejamento sistemático desses atores.

Felizmente ser empreendedor demanda um conjunto de comportamentos, que comprovadamente, por instituições como a ONU, SEBRAE e outras, podem ser desenvolvidos. Mas para isso é necessário esforço que para a maioria das pessoas pode ser além dos limites.

Para quem deseja seguir esse caminho uma dica é investir em si mesmo para obter conhecimentos, competências necessárias para tal, investir mais tempo e dinheiro com o antes do que sofrer com as consequências da improvisação.

Kai, Ubuntu, Waka, abraços e sorrisos.

Kai: “Kai é realizar tudo que se sonha, é vida ética, baseada em princípios de nunca fazer o mal, sempre fazer o bem e o bem a todos os seres.”

Ubuntu: palavra do dialeto de uma tribo africana que significa “todos somos um” sugerindo uma ideia de humanidade e respeito nas relações.

Waka: “fazer algo mesmo quando estamos andando”

Márcio Cerbella Freire é Diretor de Sorrisos da EMECF Educação Empreendedora, feliz, Master Coach, Analista de Sistemas, Pedagogo, Pós Graduado em Psicopedagogia e em Empreendedorismo e Inovação (UFF), Empreteco, Consultor, conteudista e instrutor credenciado do SEBRAE.

 

A Luz Voltará a Brilhar

Autora:  Vicenza Merecci  – Gestora em Marketing e Mídias Sociais / Designer, Estilista / Empresária no ramo da Moda

 

 

“É com muita gratidão que início minha jornada como colunista nesta plataforma tão relevante para nós empresários. Como empreendedora e empresária no ramo da Moda, a partir desta coluna estarei pontuando diversas situações do segmento no qual trabalho. Todos sabemos do momento difícil e de reinvenção pelo qual a população e indústrias mundiais vêm passando.

Eu, como profissional há 8 anos, me vi contra a parede, tendo que fechar minhas portas da confecção e dar o passo pra trás necessário para meu impulsionamento.

Perdi meu contato de exportação na Madeira em Portugal, no qual eu tinha plena confiança e me agarrava como uma criança à perna de seu pai. Diante dessa situação, voltei minha mente aos trabalhos manuais, com modelagens planas, onde tudo começou.

Vejo pessoas desesperançosas quanto ao futuro, mas de uma coisa tenho certeza, a Luz voltará a brilhar!”