Escolas de Samba. Um exemplo de Gestão. (Oi??!!)

Autor: Paulo Milet

 

As faculdades de administração bem que poderiam criar uma cadeira com  o nome de “Planejamento, Organização, Estrutura, Execução e Controle aplicados aos processos executados nos desfiles das Escolas de Samba” ou, mais facilmente, “Vamos aprender a gerenciar com o samba!”.

Em vez de aulas chatas e cansativas, os alunos visitariam os barracões durante o ano, estudando os PROCESSOS de elaboração e construção de alegorias e fantasias; assistiriam aos ensaios da bateria e analisariam o estilo de GESTÃO DE PESSOAS adotado pelo Mestre de Bateria; e avaliariam a ESTRUTURA ORGANIZACIONAL fixa das escolas e a ESTRUTURA DE PROCESSOS para o desfile.

Cada um desse itens poderia ainda ser visto pela visão dos INDICADORES DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE e do MONITORAMENTO CONTÍNUO. Quais quesitos serão considerados pela comissão julgadora? Como a escola se prepara para atingir a nota máxima em cada um?

O que mede a QUALIDADE? Ou melhor, sabemos o que é qualidade nesse caso? É o que o cliente quer ou o que supera suas expectativas? QUEM É O CLIENTE? Tanto pode ser o povão nas arquibancadas quanto o telespectador em casa ou os jurados. Para cada cliente, uma forma de entrega diferente. Como itens subjetivos do tipo beleza, harmonia e empolgação poderiam ser previamente ajustados e treinados para o melhor RESULTADO FINAL DO PROCESSO?

A GESTÃO DO MARKETING também tem que entrar. Precisamos saber se o samba-enredo foi bem divulgado e se o povo está sabendo cantar. Os ensaios foram disputados? Atraíram celebridades e repercutiram na mídia? E o pós-desfile, como capitalizar e gerar recursos para o ano seguinte?

Vocês têm as respostas? Eu não. Mas olhem só que beleza de debates poderiam sair daí!

Não podemos esquecer da PRODUTIVIDADE, que pode ser definida como uma razão entre o que é produzido e o que é consumido para essa produção. E o que seria produzido por uma escola durante o ano e no desfile? O consumo pode ser em horas de trabalho ou em dinheiro gasto, em tempo ou em qualquer outro quesito absorvido no processo.

A produção de fantasias é um item interessante de se ver por esse aspecto. Quantas foram produzidas em quanto tempo? Por quanto? Estava dentro do planejado? Sabemos qual era a CAPACITAÇÃO das pessoas envolvidas e se tiveram treinamento? Existe algo parecido com um  PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS, mesmo que informal? Quem ganha mais e porque? Como medir os BENEFÍCIOS INDIRETOS?

E os FORNECEDORES? Entregaram o previsto, dentro dos preços, prazos e qualidade combinada? Superaram expectativas?

Durante o desfile entra o conceito de “MONITORAMENTO CONTÍNUO”. Os Diretores de alas (GERENTES) precisam saber quanto tempo resta e se o som está OK. O samba atravessou, levantou a galera ou foi apenas certinho? A comissão de frente está desempenhando bem? A ala das baianas evolui legal? E o recuo da bateria? E a madrinha? E…? Quantos REQUISITOS para acompanhar…

Mas terminado o desfile, tem que começar processo de MELHORIA CONTÍNUA. Foram 4.000 pessoas desfilando em dezenas de alas, evoluindo ao longo da avenida de modo organizado e planejado, seguindo um ritmo pré-determinado.

Que HABILIDADES E COMPETÊNCIAS estiveram presentes ou ausentes e como foi o comportamento dessas pessoas ao longo do desfile? Seu PERFIL COMPORTAMENTAL estava adequado às tarefas que elas desempenharam?

O que pode e deve ser melhorado para o ano que vem? Vamos girar o PDCA?

Fala sério! Quem não teria vontade de assistir a uma aula dessas? Daria fácil para consumir um semestre inteiro.

E nem falamos de TECNOLOGIAS DE PROCESSO E DE PRODUTO, nem de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Mas isso fica para o próximo desfile, perdão, para o próximo semestre, usando as METODOLOGIAS ÁGEIS disponíveis.

E quando o METAVERSO vier, as aulas serão “imersivas” e nós estaremos, aos milhares, desfilando ao lado da Porta-Bandeira ou “voando sobre” a bateria (Uau!).

Que venha logo!

 

Paulo Milet –  consultor e empresário nas áreas de Gestão e Educação a Distância, Presidente do Conselho de Educação da ACRJ, Diretor da TIRIO/RIOSOFT e sócio-Diretor da ESCHOLA.COM

 

Uma resposta para “Escolas de Samba. Um exemplo de Gestão. (Oi??!!)”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *