Rússia X Ucrânia e Implicações No Metaverso

Autor: Paulo Milet

 

Vou abordar aqui dois temas que poderiam ser claramente associados com o futuro (o Metaverso) e com o passado ( a Guerra Rússia X Ucrânia). Desde que Zuckenberg anunciou que o Facebook iria passar a se chamar Meta, e focar no Metaverso, essa palavra não sai dos destaques no mundo da Internet, mesmo não sendo realmente uma novidade, já que até jogos (Second Life) existem há mais de 20 anos. O conceito, simplificadamente, seria que tudo que se faz hoje na internet (pesquisas, compras, educação, saúde, trabalho, conversas, jogos…) vai ser feito “entrando” no Metaverso, “presencialmente”, com todos os cinco sentidos, e mais algumas capacidades, já que as leis da física e conceitos de tempo e espaço não necessariamente precisarão ser “ obedecidas”.

Mas as notícias das últimas semanas envolvendo a guerra, ou melhor, a invasão da Ucrânia pela Rússia, ainda nos mostra um modelo “antigo” de tentativa de dominação de um país em função de fronteiras físicas e superioridade numérica em termos de tanques, soldados e armas (até atômicas). Uma guerra que talvez esteja fadada a ser a última (quem dera!) com esse formato, já que territórios dominados vão valer cada vez menos em relação à inteligência e à tecnologia.

Nessa guerra, o que vemos são bombardeios atingindo prédios civis residenciais, comerciais e até hospitais. Milhões de ucranianos abandonando seu país, crianças, mulheres e idosos sendo atingidos. Tanques russos pesados cercando. Inaceitável!

O mundo da Internet, assim como o do Metaverso, não é esse mundo puramente físico onde as coisas acontecem dentro das regras. leis e fronteiras de cada país. Tudo acontece na “nuvem” e nas suas interconexões.

Elon Musk colocou no ar uma rede de satélites exclusivos possibilitando quem não apenas seus clientes, mas também o povo ucraniano, continuasse tendo acesso a informações do dia a dia da guerra. E as fronteiras?

As leis atuais não impedem guerras e nem conseguirão regular o Metaverso. Medidas novas, nos dois casos, terão que ser supranacionais. Já está em tempo de percebermos que as legislações que consideram o território físico, seja para o cometimento de crimes, penalização de criminosos, aspectos legais, tributários ou trabalhistas, já deveriam estar sendo discutidos nos diversos fóruns internacionais.

Problemas desse tipo teriam que ser tratados em um nível global pelos países. Só assim, os Telegrams e Putins da vida poderiam respeitar e atuar dentro de limites razoáveis. Centenas de empresas saíram da Rússia porque sabiam que seus clientes no mundo todo iriam apoiar (mundo ESG).  Dezenas de países e entidades criaram punições, bloqueios e banimentos. Mesmo se a Rússia “ganhar”. Já perdeu! No Metaverso, será similar.

Temos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs) da ONU para 2030, que equacionam os grandes problemas mundiais. Talvez deva-se incluir um ODS18 que acabe com possibilidade de guerras.

Oito anos também é um horizonte razoável para um Metaverso mais completo, onde, além de visão e audição, o tato (certamente) e talvez olfato e paladar já estejam disponíveis de modo simples, fácil e confortável.

Em 2030 não poderão mais existir problemas de fome, educação, saúde e habitação. Conectividade total é a palavra de ordem. Os custos de comunicação e acesso ao Metaverso serão irrisórios. Produtividade total na agricultura, comércio, indústria e serviços. Renda mínima garantida. Trabalho pesado só com máquinas. Carga horária menor no trabalho.

Para que essa visão aconteça, as leis precisam ultrapassar fronteiras, aqui e no Metaverso. Movimentação livre e acordada em todas as direções.

Se for assim, guerra? Por que? Pra que?

 Paulo Milet –  consultor em gestão, Inovação e EaD,  Presidente do Conselho de Educação da ACRJ,  Diretor da RioSoft e TI-RIO. Formado em Matemática pela UnB, com pós em Administração Pública  pela FGV e Founder  da ESCHOLA.COM.

O Suporte Técnico Terceirizado como Estratégia Organizacional

Autor: Theonácio Lima Júnior

 

No meio dessa “sopa de letrinhas” que envolve a prestação de serviços de tecnologia da informação, temos o tão conhecido Suporte Técnico. Algo tão descaracterizado e desvalorizado como serviço em qualquer segmento. Visto como o Grande Vilão e tendo a referência de impactarem nas maiores despesas em qualquer fluxo de caixa empresarial.  Nunca…eu disse Nunca caracterizado com sua relevante importância.

Vamos retirar essa máscara que foi associada e imposta ao Suporte Técnico.

O suporte técnico, chamado ainda de assistência ao usuário de software e hardware, envolve serviços desempenhados cuja atividade pode começar na fase final de engenharia inicial e se prolonga até o final da vida útil do produto.

O suporte técnico é oferecido por um profissional de Tecnologia de Informação – TI, de forma, presencial ou remota, e objetiva solucionar problemas referentes ao funcionamento de computadores e/ou redes corporativas.

Para os fabricantes, o suporte técnico é o instrumento capaz de captar as necessidades dos usuários visando adaptar melhor os seus produtos às perspectivas do mercado, e, por conseguinte, alcançar o seu maior objetivo, o lucro. Mesmo que o mesmo não seja visto nesses moldes pelos empresários.

Porque podemos terceirizar?

Em muitos casos, os serviços de suporte são oferecidos pelo próprio fabricante, entretanto, devido a indisponibilidade de tempo, estrutura física e recursos necessários para se montar um bom departamento de suporte, nem sempre essa escolha se torna viável financeiramente para uma empresa.

Assim, nasce a terceirização do suporte técnico de TI, conhecida ainda como Outsourcing de TI, que incide em contratar fornecedores externos para desempenhar diferentes funções, como entrada de dados, manutenção e desenvolvimento de aplicativos, operações de data center, recuperação de desastres, gerenciamento e operações de rede.

Muitos fabricantes vêm optando pela terceirização do suporte técnico com a finalidade de centrar esforços na produção e desenvolvimento de novos produtos. Atualmente, no Brasil, existem diversas empresas especializadas excepcionalmente na prestação de serviços de suporte técnico.

Porque utilizar como estratégia organizacional ?

Diante dos tempos de crises mercadológicas vivenciados pela sociedade moderna, a terceirização do suporte técnico vem se tornando uma importante estratégia organizacional.

Diferentes organizações vêm adotando a terceirização do suporte técnico por importantes causas, como: redução de custos, foco no negócio, melhoria de processos e a garantia da qualidade do serviço oferecido, causas estas que se tornam em importantes estratégias de gestão.

É bem verdade que a manutenção de uma boa equipe interna de TI gera despesas de recrutamento, seleção, contratação e treinamento. Tem-se, ainda, a exigência de uma infraestrutura física adequada à atuação do profissional, que, nem sempre, possui conhecimentos pertinentes à lidar com questões peculiares ao departamento de TI.

Estes fatores podem motivar muitas empresas a buscarem a terceirização do suporte técnico, haja visto que sustentar uma equipe competente de TI pode ser consideravelmente dispendioso. Mais notadamente para as pequenas e médias empresas.

Caso uma empresa se depare com altas demandas de trabalho e/ou problemas impossíveis de serem solucionados por meio dos seus próprios recursos humanos e físicos, ela pode optar por duas escolhas:  esperar, sem tempo previsto, pela disponibilidade da sua equipe interna ou partir para terceirização do suporte técnico.

A empresa que contrata uma terceirização de suporte técnico tem a vantagem de contar com profissionais preparados e competentes a operar nas diferentes áreas da TI, de acordo com as demandas que se fizerem necessárias.

Independentemente do seu segmento as organizações dependem da tecnologia para se manterem em pleno funcionamento. Principalmente a TI que tem a responsabilidade de gerir e integrar hardwares, plataformas de software e subsidiar à gestão no que se refere ao gerenciamento de dados e estratégias de ação para qualquer tomada de decisão.

No Brasil, a terceirização do suporte técnico vem movimentando grande parte do mercado de serviços de TI. Muitos empreendimentos optam pela terceirização do suporte técnico de TI para manter o foco no desenvolvimento do negócio e reduzir custos, em vez de se absorverem com questões operacionais cotidianas. Devido a sua importância o suporte técnico terceirizado se encontra em grande expansão no mundo, principalmente no período da pandemia e no pós pandemia.

Do outro lado, as empresas provedoras desse tipo de serviço, evidentemente, devem observar que, assim como em qualquer tipo de negócio a terceirização do suporte técnico pode oferecer riscos, que perpassam pela competitividade acirrada do setor, regulamentações governamentais, frequentes gastos e investimentos em novas tecnologias e possíveis variações de mercado.

Por isso, a relevância da expertise do provedor do serviço que deve se encarregar de assumir, administrar e reduzir riscos junto à sua equipe.  Aos poucos, a eficácia do suporte técnico terceirizado tende a aumentar diante das demandas disponibilizadas no mercado.

As pequenas empresas que oferecem suporte técnico terceirizado devem evitar contratos com valores fixos, pois eles tendem a gerar prejuízos. Sendo assim, a única maneira de aumentar o lucro, é reduzir despesas. Com isso, surgem os riscos de ocorrer desmotivação para o trabalho que, muito comumente, vem acompanhada com falhas nos serviços prestados, que acabam por não proporcionar a plena satisfação no cliente quando na entrega dos serviços.

Isso pode ocorrer porque vários contratos de terceirização não conseguem cumprir com as políticas previamente acordadas. Torna-se importante que o provedor se dedique a realizar pesquisas e avaliar cuidadosamente o contrato antes de fechar um negócio.

É relevante buscar referências de outras empresas e fazer um planejamento hábil a atender ao máximo as perspectivas de ambas as partes, contratado e contratante. Propor uma comunicação inteligível também é imperativo para que as partes interessadas sejam ouvidas e sejam capazes de prever a capacidade de cumprir as obrigações contratuais.

A terceirização do suporte técnico pode ser uma boa estratégia para manter a competitividade de empreendimentos no mercado, tanto para o contratante, quanto para o contratado, porém, deve-se planejar e executar ações para constituir boas relações trabalhistas, estabelecer e cumprir prazos e objetivos propostos nos projetos, de forma a priorizar máxima transparência, desde o primeiro contato.

A TAVTEC Tecnologia está apta a auxiliar toda e qualquer empresa que precisar de auxílio. Não importa o segmento e nem a área de atuação, pois mais especifica que seja, somos seu Amigo Virtual. Conte com nossa experiência e eficácia nos resultados.

 

Theonácio Lima Júnior – Diretor – TAVTEC Tecnologia

 

 

O Papel do Líder Comercial, é Preciso Motivar Todo dia

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

Você se julga um bom líder de equipe de vendas ou apenas gerencia os resultados?

O líder de uma equipe de vendas é responsável por liderar o seu time com o objetivo de atender as necessidades dos clientes. O perfil de um grande líder começa desde a seleção de novos colaboradores, engajamento da equipe, realização de treinamentos e desenvolvimento de campanhas de incentivo. Entre suas responsabilidades, também estão os relatórios de resultados e acompanhamento do mercado.

Ser líder pode parecer um conceito simples, mas deixa perplexos muitos de nós, inclusive por seus diferentes estilos de liderança. Afinal, a liderança é muito mais do que apenas carisma, ou simplesmente atribuir metas e supervisionar o desempenho de qualquer vendedor.

Qualquer líder comercial que tenha um bom potencial pode simplesmente usar as suas autoridades para fazer com que seus vendedores e subordinados executem as tarefas exigidas.

No entanto, isso cria um sentimento de obrigação, em vez de ambição.

Em uma empresa, são inúmeros os fatores que podem desanimar uma equipe e fazer com que seus membros fiquem desmotivados. Um deles são os processos burocráticos, que acabam estressando e desanimando todos os colaboradores: a demora para conseguir realizar um processo ou obter uma autorização, por exemplo.

Mas, talvez o fato mais importante de todos seja, na verdade, o mais subjetivo: os colaboradores ficam desmotivados quando sentem que não pertencem ao time ou à empresa. Quando o funcionário não sente um vínculo, não se sente integrado a um grupo, nem mesmo um bom salário pode animá-lo. Por isso, é crucial que o líder do grupo motive dia a dia o funcionário.

Uma ação que é superimportante para manter a sua equipe motiva que poucos gestores fazem, é manter um relacionamento saudável com ela.

Manter o relacionamento saudável com a equipe é tão importante quanto o relacionamento da empresa com o cliente. Para manter um vínculo saudável com cada membro da equipe, os gestores devem buscar conhecer os sonhos e desejos pessoais e profissionais dos funcionários e mostrar-se interessado em realizá-los.

Na sua empresa, o que você está fazendo para motivar a sua equipe?

 

Patrícia Carrasqueira – Representante de Vendas na Sua Visita

Três Práticas Essenciais para o Profissional de Pré-vendas

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

Não sei se você sabe, mas um profissional de pré-vendas tem que PREPARAR-SE em PERFORMANCE para fazer ligações, da mesma forma que um atleta de alto rendimento se prepara para subir no lugar mais alto do pódio.

PERFORMANCE significa atingir suas metas.

Para isso, nós de @SuaVisita pensamos em 3 dicas essenciais:

1 – Organização:

A organização é uma ferramenta indispensável para o calendário de preparação do atleta. O CONTROLE deve estar presente ao longo de todo o processo de preparação do desportista.

Imagina você não ter registro de que já ligou para alguém e ligar de novo sem considerar informações anteriores?

A organização atua como fonte de orientação e dá conhecimento do caminho, para alcançar os objetivos. Ex.: Ter números como META numa ferramenta – num sistema engagement (CRM próprio de pré-vendas) ou mesmo num Excel, word ou até caderno e CONFERIR quanto por cento já bateu da meta.

Isso também é fundamental para que o pré-vendedor faça um “volume inteligente”, pois seria muito pouco efetivo fazer várias ligações, no mesmo dia, só FUNCIONA COM ESTRATÉGIA.

Ter metodologia, boa lista, onboarding para explicar corretamente ao pré-vendas para que perfil ligar e como abordar corretamente. E dia após dia.

Além de falar com mais Leads qualificados, um pré-vendedor organizado perde menos tempo pensando sobre processos que por já estarem pré-definidos.

Quanto mais tempo nos dedicamos a uma mesma tarefa, mais eficientes ficamos em realizá-la.

2 – Disciplina

Para ser um atleta, ter disciplina é primordial. Conseguir conciliar todos os treinos pesados com uma vida normal, família, amigos e relacionamentos, é difícil.
Façam metas alcançáveis, você é um ser humano e não um robozinho!!!

É preciso ter uma rotina para condicionar o corpo, a mente e conseguir ter sucesso na carreira. CANALIZAR ESSA ENERGIA PARA A ALTA PERFORMANCE, de atingir as metas, que falávamos lá no início.

Você já sabe que a disciplina tem grande influência na carreira de um atleta. E para o vendedor a situação é semelhante: se o seu executivo de vendas não estuda constantemente e não segue a rotina proposta com disciplina, dificilmente ele irá gerar resultados. Não é possível sustentar um processo comercial previsível e escalável na base do talento. Não é só vocação, mas temos técnicas!!! #Estude.

Por isso, devem existir processos organizados que façam o vendedor entender que a disciplina pode ser uma grande aliada, para sobrar tempo para estudar e ganhar autoridade, além da empatia

3-Autoconhecimento

O autoconhecimento também exerce um papel fundamental para um atleta, por isso virou o terceiro item que quero chamar atenção hoje.

Ser ele mesmo, não ter um discurso ROBÓTICO passa por se conhecer bem! Quando ele se conhece, entende suas próprias características, seus melhores gatilhos, sua confiança, seus limites e quais aspectos pode desenvolver.

Autoconhecimento e vendas andam de mãos dadas e muito importante para mantê-lo engajado, conseguir ajudar do seu próprio emocional, muitas vezes vale pedir ajuda profissional.

Essas três dicas te ajudaram? Interage aqui, vamos falar mais. A @Sua Visita liga para centenas de pessoas todos os dias, podemos te ajudar com toda essa experiência e construção de conhecimento.

 

 Patrícia Carrasqueira – Consultora de vendas na Sua Visita

 

Vendas para Quem Não gosta de Vender

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

Uma vez, fiz um curso com o nome “Vendas para quem não gosta de vender”. Mauricio Cardoso arrasa com técnicas de venda. Eu adoro vender e aprendi técnicas incríveis.

Fico sensibilizada a respeito da quantidade de empresários que não gostam de vender… por vergonha, medo de se expor, insegurança, ou por, simplesmente, não saber vender. E sempre quis ajudar.

Uma vez, no curso Receita Previsível®️, falávamos como um mantra:

Estou animado para começar… Executar sem distrações que prejudicam meu sucesso… Estou equilibrado… Vou ajudar a entender o valor do que eu ofereço, quero genuinamente ajudar alguém… Farei perguntas inteligentes. Não vou fracassar.

Venda é um jogo de Xadrez que começa com o estudo do oponente. O oponente aqui não é o adversário… é só a pessoa que está do outro lado da mesa.

Entendido o oponente, vamos fazendo nossos movimentos no tabuleiro e aguardando as reações.

Em cada movimento, o vendedor vai conduzindo e induzindo o oponente, buscando o objetivo.

Às vezes, a “partida” não termina no mesmo dia. Então, temos que seguir focados no objetivo e bolar novas estratégias.

O Xeque é quando você acha que vai fechar e está à espera do Sim.

O Xeque-mate é quando você quebrou todas as objeções e o oponente está pronto para assinar.

Nem sou boa de Xadrez, do jogo, mas no Xadrez das vendas, sou uma jogadora cheia das estratégias!

Se você é o tipo de pessoa que não gosta do jogo das vendas, não tem problema: na Sua Visita, além de preparar e encaminhar leads qualificados e prontos para a venda, também acompanhamos o cliente no processo de venda e damos feedbacks, para que o cliente venda mais e melhor.

Agora, vai por mim: se você não gosta de vender, aposto que o dia que começar a se interessar, o jogo vai ficando cada vez mais divertido.

 

 

Patrícia Carrasqueira – Representante de Vendas na Sua Visita

 

 

 

O que Leonardo da Vinci pensa sobre o Metaverso?

Autor: Paulo Milet

 

Com todo esse movimento e discussões sobre as mudanças vislumbradas para os próximos anos com o METAVERSO, e uma nova visão impactando a “realidade”, fiquei curioso para conhecer a opinião de um dos maiores especialistas em artes e tecnologia da história.  Assim, consegui (PM) uma entrevista inédita com Leonardo da Vinci (LV) sobre essa novidade, que preconiza que vamos poder “entrar” no Metaverso, e que lá, poderemos andar, correr, viajar, construir, criar, comprar, estudar, trabalhar, brincar e conviver com pessoas de todas as partes do mundo (ver artigo meu anterior).

Veja abaixo a entrevista.

(PM) Bom dia Leonardo! Gostaria de conversar um pouco com você que habita atualmente esse universo esotérico paralelo ao nosso e quero saber o que você acha desse tal de Metaverso que o pessoal está inventando. Será que vai dar certo?

(LV)  “Tudo que está no plano da realidade já foi sonho um dia”.

(PM) Mas existem muitas críticas. Muitos acham que pode ser uma fuga da realidade ou então usado para o mal.

(LV) “Se o pintor deseja ver belezas que o encantem, está em seu poder criá-las, e se deseja ver monstruosidades assustadoras, ridículas ou verdadeiramente lamentáveis, ele é o senhor e Deus delas”.

(PM) No Metaverso você vai poder andar, correr, reunir, mergulhar e até testar seus inventos, o helicóptero, o paraquedas, voar…

(LV)  “Depois de experimentar o vôo, você caminhará para sempre pela terra com os olhos voltados para o céu, pois lá esteve e sempre desejará retornar”.

(PM) Um ponto chave são os sensores em todo o corpo e nas roupas, botas, óculos, pulseiras e assim poderemos sentir tudo no Metaverso.

(LV)  “Os cinco sentidos são os guias da alma “, mas ” A função do músculo é puxar e não empurrar, exceto no caso dos órgãos genitais e da língua”

(PM) Mesmo? Espero que eles tenham pensado e estudado isso bastante.

(LV) ” Quem pensa pouco, erra muito” e “Pouco conhecimento faz com que as pessoas se sintam orgulhosas. Muito conhecimento, que se sintam humildes”.

(PM) Então esses que criticam devem experimentar antes de criticar?

(LV) “A experiência nunca falha, apenas as nossas opiniões falham, ao esperar da experiência aquilo que ela não é capaz de oferecer” e, de todo modo, ” Há três tipos de pessoas: as que vêem, as que vêem quando lhes é mostrado e as que não vêem”.

(PM) Será que vai ser bom para a Educação? Para aprender? Você mesmo poderia ensinar desenho, pintura, escultura, arquitetura, ciência, música, matemática, engenharia, literatura, anatomia, geologia, astronomia, botânica e cartografia para milhares de alunos e ainda testar seus inventos…

(LV)  “Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende”. “O prazer mais nobre é a alegria de compreender”.

(PM) Será bom ficar conectado desse modo? Lá dentro do Metaverso?

(LV)  “Princípios para o desenvolvimento de uma mente completa: Estude a ciência da arte. Estude a arte da ciência. Desenvolva seus sentidos – especialmente aprenda a ver. Perceba que tudo se conecta a tudo o mais”. ” Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. “

(PM) Fico pensando quanto você iria ganhar em NFTs com seus quadros e pinturas geniais!

(LV) “A mais nobre paixão humana é aquela que ama a imagem da beleza em vez da realidade material. O maior prazer está na contemplação”.

(PM) Os projetistas, desenvolvedores e criadores desses ambientes do Metaverso são artistas, poetas, pintores como você. Não?

(LV) ” A pintura é a poesia que é mais vista do que sentida, e a poesia é a pintura que é mais sentida do que vista. O pintor tem o Universo na mente e nas mãos. O artista vê o que os outros apenas vislumbram “. “O gênio do pintor há-de se apossar de todas essas coisas para criar composições diversas: luta de homens e de animais, paisagens, monstros, demônios e outras coisas fantásticas. Tudo, enfim, servirá para engrandecer o artista “.

(PM) Isso vai gerar muito trabalho e novos empregos. Tanto para os que constroem os equipamentos (hardware) quanto para os que desenvolvem as soluções (software), não acha?

(LV)” Se o corpo parecer para você como algo maravilhosamente construído, lembre-se que não é nada em comparação com a alma que mora dentro dele e que é uma coisa divina”.

(PM) Mas os críticos não vão descansar, né? Mesmo sem compreender o que é isso.

(LV) ” A aquisição de conhecimento é sempre útil para o intelecto, porque pode assim expulsar as coisas inúteis e reter o bem. Pois nada pode ser amado ou odiado a menos que seja conhecido primeiro”. ” É um fato reconhecido que percebemos erros no trabalho dos outros mais prontamente do que no nosso”.

(PM) Eu trabalho com Educação a Distância e Tecnologia e acho que vou gostar de trabalhar com /no Metaverso.

(PV) “Que o teu orgulho e objetivo consistam em pôr no teu trabalho algo que se assemelhe a um milagre “. Mas estude bastante, pois “Os que se encantam com a prática sem a ciência são como os timoneiros que entram no navio sem timão nem bússola, nunca tendo certeza do seu destino”.

(PM) Pois é, vamos aprender! Pensar bastante. O tempo urge!

(LV) “O tempo dura bastante para aqueles que sabem aproveitá-lo”.”O dia em que nada aprendi, foi um dia não vivido”  e “Quem pensa pouco erra muito …”

(PM) Leonardo, obrigado pelo papo. Quem sabe nos encontraremos no METAVERSO? Bom retorno! Grande Abraço.

 

Paulo Milet é consultor em gestão, Inovação e EaD,  Presidente do Conselho de Educação da ACRJ, formado em Matemática pela UnB, com pós em Administração Pública  pela FGV e CEO da ESCHOLA.COM.

Think, Learn and Execute

Autor: Marcus Mendonça

 

Bem vindos, vou montar este artigo em um tom de conversa, para podermos debater com uma maior amplitude e muito mais a vontade. Bom vamos lá.

Não venho aqui falar de Experimenting testing ou mesmo de sistemas RPA, vim falar de nossas carreiras, de nossas vidas, através do que venho acumulando durante anos e do que venho observando durante este mesmo tempo.

Tudo na vida tem estas três palavras, Think (Pense), Learn (Aprenda) e Execute (acho que não preciso traduzir :-)). Todo projeto vem de uma ideia, e através desta ideia (necessidade) passamos a aprender como traduzir a mesma para nosso mundo real, e depois desta feita temos a capacidade de torná-la uma realidade. Mas isso já é sabido, não é mesmo? Não, infelizmente não é, e vou mostrar o porque.

Muitas pessoas pensam, mas em virtude do nosso mundo corrido e da nossa pouca capacidade de empreender, não passam para as duas etapas seguintes. Pensar, que nem sempre é simples, é apenas a ponta do Iceberg do nosso sonho, ela que é o start das nossas realizações, sempre acontecem e morrem em muitos dos casos em nossas vidas porque não temos a coragem de partir para a próxima etapa, que é aprender. Aprender denota tempo, e nem sempre é divertido e emocionante como uma partida de DOOM :-), mas é compensatório quando saímos da inercia que nos domina e nos forçamos a aprender. Aprender denota tempo como já disse anteriormente, e tempo leva um gasto de vida (?), e este gasto pode não ser recuperado se o aprendermos da forma errada.

Mas existe uma forma de aprender da forma correta? Sim existe, e vários povos como os Japoneses já descobriram faz tempo e aqui na cultura Latina nos esquecemos. Aprendemos com a experiência, lembre-se que as metodologias foram criadas através das experiências práticas e que estas mesmas geraram os conceitos que hoje nos parecem tão banais e que podemos jurar que sempre estiveram ali. A Experiência vem de quem já passou por isso e conhece o caminho das pedras, mas não é apenas na idade e sim na capacidade de consolidar esta experiência e evoluir conforme o tempo, que torna a experiência deste profissional ou grupo valiosos. Lembre idade é um grande fator de experiencia, mas idade desalinhada com as mudanças da sociedade se torna obsolência. Mas estamos falando de Learn, bom com a fonte de experiência correta podemos desenvolver o que pensamos (Think) e quanto mais aprendemos mais podemos ter ideia da realidade, e quanto esta realidade pode se tornar factível. Esta fase de aprendizagem (LEARN) deve ser a mais demorada de todo o processo, pois ela será o alicerce de todo o seu sonho (projeto) e se ela não estiver muito consolidada você terá um vazio e vazio em determinados projetos se tornam buracos negros que engolem os mesmos e os fazem desaparecer.

Bom, depois de tudo isso, chegamos ao EXECUTE, não é mesmo? Hum sim, mas execução tem dentro uma fase que se chama planejar (Ah poxa você não colocou isso lá em cima). Ah, mas planejar é essencial e o planejamento antecede a execução (minhas aulas de PMBOK) e digo ainda mais ele corre paralelo a execução, que diferentemente dos projetos tradicionais tende a ser continua e sem fim, e tem que ser continua e sem fim, pois se trata do seu sonho e da sua empresa, mas como assim? Vamos lá, a Microsoft, para usar como exemplo, desenvolveu o Windows (ah sei), mas e aí, o Windows era um projeto certo? Ele teve começo, meio e Fim(?), não ele não teve fim, ele só virá a ter fim quando o sonho do produto Windows se findar, quando mais ninguém queira este, e quando será isto? Para a Microsoft ela espera que nunca, ou até mesmo que ele possa gerar um sucessor a altura e muito melhor, antes disso nada de fim. É assim que devemos tratar nossos sonhos (projetos), seja no âmbito comercial ou mesmo no pessoal, devemos sempre pensar que ele não terá fim enquanto nos for útil dentro do que sonhamos. Portanto meus amigos leitores, THINK-LEARN-EXECUTE pois a vida não espera.

 

Marcus Mendonça

Canal Quem Sabe e Mentor de Negócios

Quemsabementoria.com

 

Você já entrou em um labirinto e não sabe qual o melhor caminho a seguir?

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

Ou esteve no interior e entrou em uma estrada de terra sem fim?

Aí você para o carro no meio de uma plantação e pergunta ao velho agricultor o melhor caminho, ele te fala: “é facin”, passando a ponte, você vê uma “álvre” quebrada e segue “diretão”passa o  “campin”, a igrejinha azul, aí depois do bambuzal à direita, cê segue mais dez “minutin” e já tá na rodovia.”

Com seu carro esfolado de lama, você segue e chega no asfalto.

AH, EU ADORO METÁFORAS! =)

Tal como no interior, os processos de vendas são uma estrada sem mapa, que você precisa conhecer bem para utilizar, acelerar e chegar aos seus objetivos.

Como pra tudo, valem os marcos, os índices e os aprendizados acumulados.

Podemos investir em placas de sinalização claras, mas nada vai substituir uma coisa: a experiência de quem vive lá! Daquele que conhece cada buraco e atalho desse percurso.

Voltando pro comercial, é usar a experiência de quem sabe vender com quem tem a competência técnica.

Ninguém tem maior conhecimento da sua empresa do que você, que a fundou.

Você pode ter um parceiro que conhece o processo e ajuda seu lead a virar um cliente, sem cair em uma rota errada e juntando nossas expertises precisamos testar, testar e testar.

E, no final das contas, você terá ajuda para mapear o seu negócio, entendendo o porquê de alguns produtos ou serviços serem mais atrativos para seu público, OUVINDO, ganhando informações e transformando em CONHECIMENTO.

DIVIDINDO O TIME COMERCIAL

Hoje, temos o pré-vendas, o vendas, o responsável pelo sucesso do cliente, o setor de pós venda. Isso é aumentar o grau de especialidade e definir quem faz o quê.

Na pré-venda, é possível filtrar os leads que não tem aderência ao seu negócio (que chamamos de frios), dos mornos, quentes e muito quentes, o que nos dá visibilidade de todo.

Aumentando sua equipe com alguém que te ajudamos a treinar ou terceirizando este trabalho, O IMPORTANTE É FAZER.

Vamos começar?

 

Patrícia Carrasqueira – Representante de Vendas na Sua Visita

 

Você ainda não sabe o que é METAVERSO? É bom aprender…

Autor: Paulo Milet

 

Nos últimos tempo, a expressão METAVERSO tem começado a aparecer com mais frequência nas notícias do dia-a-dia.

Inicialmente entre aqueles mais interessados em Games. Logo depois naquelas noticias envolvendo Mark Zuckerberg e o FACEBOOK.

Zuckerberk diz que o futuro da Internet é o METAVERSO, resolveu investir 50 milhões de dolares pra começar e até definiu que o novo nome da holding que controla o FB, Instagram e Whatsappp será META!

Nas afinal, o que é Metaverso?

A expressão parece ter surgido em um conto de 1992, do escritor Neal Stepheson que criou o conceito de um Universo paralelo, só existente e visível para os óculos especiais do herói da história.

Mas a ideia atual é bem maior do que essa. Alguns games já com 20 anos, como o “Second Life”, tentaram implementar um mundo similar a esse na internet, onde as pessoas poderiam ter um clone seu e viver em um ambiente paralelo (daí o nome second life).

Várias empresas estão pensando( e agindo) na direção do Metaverso. Google, Apple, Amazon, Microsoft, Roblox, Epic Games, e muitas outras já estão com projetos envolvendo as tecnologias que se cruzarão no Metaverso. Realidade Virtual e aumentada, Internet das coisas,  Sensores e simuladores, vestíveis de todos os tipos, Inteligencia artificial, robótica, blockchain, clones e muito mais. Com o 5G e logo depois o 6G muita coisa que está no papel, vai virar realidade (ou Meta realidade).

Mas vamos parar de falar em tecnologias incompreensíveis e vamos ver na prática como isso poderia funcionar?

Começamos vestindo nossas roupas coladas no corpo como a de um mergulhador, só que bem leves e confortáveis, com óculos e capacete especiais e com sensores em cada centímetro do corpo. Entramos na sala ou quarto da nossa casa, especialmente recauchutados e preparados e subimos em algo como uma esteira de caminhada 360 graus.

E aí a vida (ou meta vida) explode!

Começamos entrando no METAVERSO num domingo e nos dirigindo ao Maracanã, onde está sendo realizado um jogo do Flamengo. Assistimos ao jogo (vitória do Mengão!)e na saída resolvemos que a partida do Lakers pela NBA em Los Angeles, que começa em 5min merece ser vista e seguimos pra lá com a velocidade do pensamento.

E depois do Lakers? Que tal um jantar em Paris? Aí voce se encontra com sua esposa que estava no teatro em Times Square (na verdade ela está em Brasília) e com um casal de amigos (ele mora em São Paulo e ela em Buenos Aires) e se reunem em um restaurante bem simpático ali bem perto do Arco do Triunfo. Pedem o cardápio e escolhem os melhores pratos.

Mas como saborear no Metaverso? Não tem problema. Em 30min, um drone na sua janela (e nas janelas dos outros 3) faz a entrega dos pratos pedidos. As redes internacionais de distribuição fazem o casamento do mundo real com o Metaverso.

Mas, vamos em frente!

No dia seguinte (a noite anterior foi ótima! Afinal os sensores estão em cada centímetro do corpo), uma segunda feira, vamos trabalhar.

Reunião na Paulista em Sampa com toda a Diretoria no vigésimo andar. (cada um dos diretores está na verdade em uma cidade diferente em paises diferentes, mas todos estão se vendo e conversando como se estivessem no mesmo recinto).

Depois da reunião, não posso perder aquela aula sensacional no MIT, junto com mais 320.000 alunos interessados naquele tema.

Entre a reunião em Sampa e a aula em Boston, aproveitei pra fazer uma consulta geral com meu médico que estava naquele momento nas Bahamas. Ou seria em Cingapura?

Continuei  as atividades encontrando com minha filha e netas dando beijos e abraços apertados e descendo em uma montanha russa na Disney.  A “turkey leg” especial, voces já sabem, veio por drone. Mais cedo as meninas tiveram aulas de “machine learning” no vale do silicio e visitaram as pirâmides no Egito.

A semana foi bem cheia. Ainda teve um show de Paul McCartney em Milão, aliás, em dupla com Jonh Lennon. Porque não? Foi um sucesso! Platéia com 60.000.000 de beatlemaniacos!

E então? Deu pra pensar e sonhar com o Metaverso?

Quase ia esquecendo: Tudo foi sendo pago com metamoedas aceitas em todo o Metaverso e fora dele também.

Ficou mais claro? Tudo que voce faz hoje na Internet (buscas, pesquisas, compras, estudo, trabalho, conversas, jogos…) vai continuar fazendo dentro do Metaverso, só que “presencialmente”!

E os problemas do mundo real? Foram resolvidos?

Só não serão se não quisermos. Não poderão mais existir problemas de educação e saúde. Os custos de comunicação e acesso ao Metaverso serão irrisórios. Produtividade total na agricultura e alimentação. Renda mínima garantida. Trabalho pesado só com as máquinas.

Certamente o Zuckergerg não pensou em tudo isso, mas nós temos que pensar.

E os limites? E as leis? E as fronteiras? E os impostos? E as empresas? E os governos? E os paises? E o ar e a água?

E o mais importante: E as pessoas? Vão estar mais felizes? Ou seria Metafelizes?

 

Paulo Milet –  Formado em Matemática pela UnB e pós graduado em adm. pública pela FGV RJ – Pres. Conselho de Educação da ACRJ. Consultor e empresário nas áreas de Tecnologia, Gestão e EaD. Sócio Fundador da ESCHOLA.COM.

 

Gerar um Alto Volume de Leads. Sua Equipe Está Preparada?

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

Gerar um alto volume de leads e torna-los qualificados.

Você tem equipe preparada pra isso?

Sabe quando o médico tem fila de espera para consulta?

Se você confia nele ou na recomendação que lhe foi dada, você pode até reclamar, mas espera.

Só que aqueles leads que você está prospectando, eu duvido que esperem… Afinal, eles estão procurando resolver o problema deles e se a SOLUÇÃO É VOCÊ, se você pode ajudá-lo PRECISA DESCOBRIR ISSO E DIZER o quanto antes.

Uma “consultinha” rápida:

Sua empresa B2B está preparada para receber um volume grande de leads?

E COMO FAZ PARA QUALIFICAR, saber quais destes leads são interessantes para você e seu negócio?

Numa semana, sua empresa estaria pronta para receber quantos leads qualificados? Quantas reuniões, seu comercial seria capaz de fazer?

Quando empresários me questionam quanto a isso, eu sempre digo que se ela contar com um profissional ou empresa de pré-vendas (SDR) ou mesmo se a ajudarmos a implementar um setor próprio e interno – vai administrar melhor o processo de qualificação do lead.

Uma questão que tem que ser considerada é conseguir organizar os leads que estão no momento de compra, têm budget, e que de fato, precisam daquela nossa solução.

Imagine que o decisor te explane que ainda não está no momento da compra. Enquanto o outro diz que estava mesmo procurando pelo que o seu PRE-VENDAS APRESENTOU. Qual você priorizaria uma reunião?

A resposta é lógica, mas se você não tiver um filtro, antes de chegar no seu especialista, você vai perder tempo com um lead que não vai comprar de você naquele momento. Às vezes, quer e precisa, mas não pode.

Um bom trabalho de SDRs também está em DEIXAR O SEU NOME E CONTATOS À MÃO, PARA QUANDO AQUELA PESSOA PRECISAR, NO FUTURO.

Este é o tipo que em 1, 2 ou 3 meses, vai fechar contigo.

Para tratar um volume alto de leads e filtrar os leads prioritários e mais quentes, a Sua Visita é o melhor remédio!

Vem falar conosco, faz a 1ª consulta!

E, se desejar, interage por aqui também. Como vocês fazem ai, hoje? Estão sabendo filtrar quem lhes interessa, antes de passar pros vendedores, ajudando o trabalho do seu time comercial?

 

Patrícia Carrasqueira – Representantes de Vendas na Sua Visita