Já tomou QUANTOS NÃOS, hoje?

Autora; Patrícia Carrasqueira

 

Nós, os SDRs, existimos para tomar essas negativas por você?

Ter quem abra as oportunidades te deixará com a energia em alta para vender mais.

“Quantos nãos você leva por dia?” Todo processo de venda conta com muitas negativas antes de um talvez ou de um sim.

Nessa jornada de apresentação do produto ou serviço, o estreitamento de laços com os possíveis clientes pode ser uma alternativa que parece sinuosa, mas, com certeza, é uma excelente rota nesta longa viagem, sujeita a muitas indecisões nos caminhos a seguir.

Todos nós temos dúvidas antes de comprar algo, com a nutrição somos levados a uma sensação de segurança que leva à compra.

E como podemos melhorar a assertividade desse processo?

Aqui na Sua Visita, a gente sempre diz: o SDR é um atalho nesta jornada! Os contatos realizados permitem a identificação dos pontos de OBJEÇÃO e melhoram o processo de venda à medida que contornamos tais questões, promovendo os atributos do seu produto ou serviço, para uma aceitação efetiva.

Pense bem… um empresário precisa equilibrar vários pratinhos: gestão financeira, gestão da equipe, gestão da qualidade de suas entregas, entre muitas outras coisas. Como diria o sábio Steve Jobs: precisamos nos concentrar naquilo em que somos bons e delegar todo o resto.

Mas mesmo que você seja ótimo em vendas, quanto tempo seria necessário para realizar o aquecimento desses leads até que virem clientes efetivos?

Com a equipe de pré-vendas Sua Visita ou uma interna que podemos te ajudar a fazer (só mesmo conversando), é possível delegar vários “nãos” até chegar aos leads quentes, interessados em fechar negócio.

Responda: de 100 prospects, quantos convertem efetivamente?

Em média, um bom índice seria em torno de 3% de clientes efetivados, o que significa que, quem prospecta recebe 97 “nãos” no caminho e ainda precisa trabalhar os “talvez” para transformá-los em SIM.

Por isso falamos em funil. Temos que colocar muitooooo lead lá em cima, para cair pouquinho lá embaixo.

Esse tempo investido na prospecção é importante para aquecer e renovar seus negócios.

Com novos clientes surgem novas demandas e novos insights, que podem até direcionar sua empresa por caminhos antes nem imaginados, ampliando a gama de produtos ou serviços ou alterando sua rota estratégica.

Porém, para trabalhar com esses insights, ajustar a demanda e inovar, é importante fazer contato e – durante o percurso – qualificar o interesse, identificar e contornar crenças e objeções do que está sendo oferecido, para corrigir metas e vender melhor.

A melhoria contínua e o registro dos pontos que promovem a assertividade da sua venda pode ser realizado de uma maneira sistemática, técnica e organizada por uma equipe de pré-vendas, deixando o empresário livre para fazer o que mais sabe e precisa: a gestão de seu negócio.

 

Patrícia Carrasqueira – Representante de Vendas na Sua Visita

 

 

Vamos Conversar Sobre Relações Comerciais mais Duradouras?

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

O que faz o seu lead conectar-se, “dar match”, ter “fit”, como sempre falamos? Existem várias razões para um possível comprador não virar cliente, desistir na hora da compra ou se desinteressar pelo seu produto ou serviço.

O importante é investigar as causas das desistências, otimizando esforços da equipe de vendas e reduzir o churn da sua empresa.

“Churn é uma métrica que indica o quanto sua empresa perdeu de receita ou clientes. Para calcular o churn, basta dividir a quantidade de clientes que perdeu até o final do período pelo total de clientes que iniciaram. Exemplo: se você perdeu 10 clientes de 100 = 10% de churn rate.

Para isso, precisamos entender bem as etapas do nosso funil, trabalhando os leads que realmente podem virar clientes e conquistar outros, tudo de maneira planejada.”

O funil de vendas é dividido em três partes: topo, meio e fundo. Que estágio seu lead está?

Essa divisão, aqui na Sua Visita, é feita pelo nosso software específico de engagement (pré-vendas e engajamento) e através de temperaturas: muito quente, quente, morno, frio. Essa divisão é necessária para entender em que estágio o lead se encontra em relação a interesse e maturidade com a aquisição do seu produto. Sempre falo isso ao nosso time: não temos que vender pra todo mundo!

Assim como em um aplicativo de relacionamentos, começamos falando em conectar, “dar match”, são coletados dados que geram uma pipeline, atravessando estágios de encantamento e atenção até que os seus matchs se tornem apaixonados pela sua empresa.

“Ninguém se relaciona com quem não conhece. É processo.”

E quais são as boas práticas que já testamos por aqui? Quando falamos “testar, testar, testar”, “estudar, estudar, estudar” não estamos exagerando. Uma prática muito eficiente é a revisão de nossos erros e ajustes em processos constantemente revisados que podem fazer a diferença na sua conversão.

Entretanto, no dia a dia, nossa equipe de pré-vendas tende a priorizar somente mais os quentes, sem refletir, sem gastar tempo com quem não se interessou. Por que? Quais foram as objeções? Pra quem não dá pra vender por N motivos e quem não pode agora, um “não temporário”. Seu contato foi bom para ele?

Você levou alguma coisa mas deixou alguma coisa também? Houve troca?

Que maravilhoso é quando temos aprendizado com uma ligação de pré-vendas!  Já falamos em outros artigos, mas É PRIMORDIAL: para uma relação assertiva ao telefone, devemos sempre escutar mais do que falar. Para buscar priorizar os desejos, sonhos e capacidade de compra, trabalhando suas expectativas em um tratamento personalizado para que o PRIMEIRO ENCONTRO seja bem sucedido. AÍ, PRONTO: REUNIÃO MARCADA, negócio fechado, dinheiro na conta. Sem pular etapas, respeitando cada fase.

Nesses tempos de pandemia e internet, o estreitamento de laços e personalização se tornou um grande diferencial, para o aquecimento dos leads e o surgimento de clientes finais efetivos. Afinal, quem não quer uma atenção exclusiva para seus sonhos e interesses?

Mas como aplicar UMA PRÉ-VENDAS APAIXONANTE na minha empresa?

Um processo imparcial de aquecimento dos leads, baseado em uma análise sobre as técnicas de abordagem mais efetivas para cada negócio, em um estudo real de pessoas que se interessam por determinado produto ou serviço são estratégias que proporcionam ao time comercial um cliente quente, não vem pronto para fazer uma reunião e fechar, precisamos trazê-los pra jornada de compra.

A equipe de pré-vendas, associada a um time comercial especializado, faz com que o funil performe de maneira mais assertiva, diminui o churn e aumenta a satisfação do cliente durante a experiência de compra. O primeiro encontro diz muito…, então, cuida dele.

Como está sendo o primeiro contato, O PRIMEIRO ENCONTRO, de sua empresa com as pessoas? Você está cuidando deste RELACIONAMENTO?

 

 

Café: uma Paixão Mundial!

Autora: Elisângela Vitoriano Pereira Kneipp

 

Segunda bebida mais consumida no mundo, perdendo apenas para a água. Presente em quase todos os lares, fazendo parte do dia a dia e dos momentos mais especias!

Mas, você sabia que os cafés não são iguais?

Você sabe a diferença entre um café tradicional/extra forte em relação a um café especial? ⁣⁣

⁣⁣O café tradicional e o café extra forte são aqueles que utilizam uma matéria prima com muitos defeitos e impurezas e que são extremamente torrados. ⁣⁣A torra excessiva, aliada com uma matéria prima ruim, traz um sabor bastante amargo ao café, além de um aroma característico. Assim, a maioria das pessoas adicionam bastante açúcar para conseguirem tomar esse tipo de café. ⁣⁣

Já o CAFÉ ESPECIAL é aquele que preconiza uma qualidade máxima da matéria-prima e criterioso controle do ponto de torra para preservação dos compostos benéficos, das características naturais do café: aquele sabor e aroma inconfundíveis! ⁣⁣Além disso, o café especial passa por um protocolo sensorial, onde são analisados 10 atributos que recebem uma nota. Para ser considerado especial, o café tem que atingir o mínimo de 80 pontos. ⁣⁣

Falando um pouco mais da qualidade da matéria-prima, é importante ressaltar que café é um alimento e, como tal, é imprescindível que se garanta que seu consumo seja seguro à saúde. Deste modo, entende-se que no café cru, que será torrado, por exemplo, não tenha grãos que foram atacados por fungos ou, por pragas, como a ‘broca do cafeeiro’. Assim, os eventuais cafés brocados – ‘furados’ pelo inseto – devem ser retirados para que a qualidade da bebida não seja prejudicada. Isso sem falar nas inúmeras substâncias/impurezas que podem estar presentes e, ser muito prejudiciais à saúde, algumas até com potencial carcinogênico.

Infelizmente, o mais preocupante e o que merece ser ainda mais divulgado é que, muitas empresas utilizam-se de uma torra escura para mascarar/esconder justamente estes defeitos e impurezas e pior, vendendo um café torrado e moído a preços super convidativos, buscando atrair grande número de clientes. Mas, o barato pode sair muito caro, especialmente para a sua saúde. Atente-se a isso e faça escolhas mais conscientes a partir de agora.

Uma boa notícia é que o mercado brasileiro de cafés especiais está em franca expansão, ou seja, o consumo deste tipo de café está crescendo cada dia mais, atrelado à uma produção também crescente.

Se você ainda não teve a oportunidade de conhecer/apreciar um delicioso café especial, fica aqui o convite: venha conosco e mergulhe também neste universo! Nosso país é rico em importantes regiões produtoras de grãos que darão origem a bebidas incríveis, doces e com várias outras nuances sensoriais que vão lhe impressionar.

E por fim, deixo mais um convite pra você conhecer o NOSSO CAFÉ ESPECIAL, uma marca que surgiu neste ano com o propósito de entregar os melhores cafés! Compramos cafés especiais de diferentes origens, depois fazemos a torra, moagem, embalagem e distribuição. Tudo feito com muito cuidado e respeito aos produtores, que se dedicaram imensamente nesta missão de produzir grãos de café de qualidade, e respeito aos nossos clientes, buscando sempre entregar o melhor para a melhor experiência… Sim… Beber um café especial é uma grande experiência que você precisa viver!

Com  carinho!

 

Elisângela Vitoriano Pereira Kneipp – Mestre em Ciência dos Alimentos pela Universidade Federal de Viçosa. Proprietária do Nosso Café Especial; cafés especiais selecionados para você e seu negócio! – 🌐www.nossocafeespecial.com.br

 

E se a INTERNET existisse antes de ADÃO e EVA?

Autor: Paulo Milet

 

 “No princípio Deus criou os céus e a terra.”

Em seguida criou a INTERNET!

“Então o Senhor Deus for­mou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego de vida, e o homem se tornou um ser vivente.”

“Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou;
homem e mulher os criou.”

Deus os abençoou e lhes disse: “Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra! Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem pela terra”.

Dominem a INTERNET e coloquem nela todo o conhecimento que a humanidade gerar. Comuniquem-se com todos, em todo lugar, todo o tempo! Sempre com informações verdadeiras! Cada ser humano vai ter no seu cérebro uma Célula Humana Inteligente Permanente (CHIP) para permitir essa comunicação.

A partir daí o ser humano individualmente e a humanidade coletivamente se desenvolveram, e um mundo completamente diferente do atual foi criado!

Todo conhecimento gerado era imediatamente compartilhado;

Todas as ciências e tecnologias cresciam exponencialmente;

Pessoas de todos os lugares compartilhavam imediatamente as mesmas informações;

Moisés, de posse do primeiro  “tablet”, disseminou rapidamente as Leis e nem precisou das 10 pragas.

Hermes Trimegisto foi um dos primeiros influenciadores: Tanto em cima quanto em baixo, tudo é energia, tudo vibra, o mundo é um TODO. Conectando o Egito e a Grécia. Assim esse conhecimento não ficou Hermético e foi disseminado…

Buda concorda: “Se vocês atingirem a sabedoria transcendente alcançarão a satisfação. Estudem os princípios das coisas, não se apeguem às palavras. Ajam de acordo com suas palavras, e falem de acordo com suas ações”.

Sócrates, Platão e Aristóteles comunicavam-se regularmente com seus colegas na China, Índia, África, Egito e também com a turma dos Astecas, Maias e Incas. Aristóteles inclusive conseguiu fazer com que a Biblioteca de Alexandria fosse totalmente preservada e incorporasse o conhecimento das outras bibliotecas da época.

Jesus Cristo foi um dos maiores, senão o maior, dos grandes influenciadores com muitos milhões (ou bilhões) de seguidores.

E quais foram as consequências desse intenso compartilhamento de informações e conhecimentos? Algumas eu listo abaixo:

Países? Essa definição é desconhecida. Os nomes (China, Índia, Grécia, Egito…) aqui citados representam apenas locais geográficos e povos e não fronteiras e barreiras;

Línguas? Uma única, já que todos a realimentavam e todos conheciam as novas palavras e flexões imediatamente;

Raças? Apenas uma, a Humana;

Deuses? Aquele responsável por tudo que não tinha explicação de nenhum humano e sem se envolver no dia-a-dia da humanidade;

A aldeia global surgiu de imediato e não esperou milhares de anos para se concretizar;

O sentimento de proximidade e afinidade que cada um sentia em relação às pessoas mais próximas se estendia a todos porque o conceito de distância era inexistente;

Moedas? Um instrumento simbólico único de troca para facilitar a definição dos valores das coisas;

Fome? Apenas aquela sensação imediatamente antes da alimentação;

Fome mundial? Inexistente. Todas as melhores técnicas de plantio, cultivo, colheita e criação de animais eram imediatamente disseminadas;

Leonardo da Vinci? Influenciou e treinou simultaneamente milhões de alunos e cientistas em  desenho, pintura, escultura, arquitetura, ciência, música, matemática, engenharia, literatura, anatomia, geologia, astronomia, botânica e cartografia e estes fizeram 500 anos acontecer em 50. Em pouco tempo todas as suas invenções foram implementadas: o robô, o avião, o helicóptero, o saneamento urbano, o paraquedas  e todo o conhecimento sobre o corpo humano. Os primeiros drones surgiram aí.

Educação? Aprendizagem permanente ao longo de toda a vida com troca de informações a qualquer hora, em qualquer lugar e respeitando sempre o ritmo e capacidade de cada um, independente de idade;

Saúde? Remédios,  vacinas, conhecimentos, comportamentos  e tecnologias criados em conjunto, testados mundialmente e disseminados imediatamente fizeram a saúde(prevenir)  predominar sobre as doenças (remediar). Esportes e lazer permeando as atividades. Quando precisassem de consultas, a rede estava disponível com o conhecimento das melhores cabeças, acumulado e disponível;

Guerras? Não existiam países, nem fronteiras, nem fome, nem carência, nem religiões diversas. Todos sabiam todos os movimentos de todos os grupos. Guerrear porquê? Pra quê?

Governo? Uma Ágora mundial, praça virtual onde todos tomavam as decisões em conjunto;

Trabalho e Emprego? As atividades eram feitas para que cada um pudesse gerar tudo aquilo que fosse necessário para o seu crescimento. Sempre de modo prazeroso. As máquinas foram sendo criadas e inventadas para diminuir os esforços físicos. Cada um trabalhava enquanto tivesse disposição e quando não mais conseguia (perto dos 200 anos) os outros davam a cobertura necessária;

Thomas Morus, com bela amizade virtual com seu contemporâneo Da Vinci, ficou feliz ao ver implantado em todo o mundo seu modelo Utopia: ” … apenas seis horas são dedicadas ao trabalho, três horas de serviço pela manhã, almoço, duas horas de repouso, mais três horas de trabalho a tarde, e daí por fim a ceia, os utopianos vão para a cama às oito horas da noite, e dormem oito horas…”

As pessoas moravam onde preferiam, em pequenos grupos de habitação, visto que não havia nenhum motivo pra se reunirem perto dos locais de trabalho ou aprendizado, que eram a própria casa (ou qualquer lugar);

Alguns povos que por motivos ainda não entendidos perderam a conexão por alguma centenas de anos e ficaram isolados, quando reencontrados, foram vistos morando em grandes aglomerados urbanos com altos edifícios e grande dificuldade de locomoção.

Mas, assim que foram reconectados, perceberam rapidamente que o modelo de grandes cidades e transito intenso não fazia o menor sentido.

Dependendo de onde nascessem, as pessoas tinham peso, altura, cor, cabelos, tipo sanguineo, preferências e características diferentes uns dos outros, mas por força da comunicação permanente desde a infância isso não fazia a menor diferença e nem era motivo de qualquer preocupação.

Energia gerada pelo sol, pelos  ventos e pelo movimento dos rios e marés foi rapidamente adotada por todos. Combustível? Álcool de cana e de batata para os motores de Galileu, que ainda teve tempo pra descobrir os buracos negros e estudar a relatividade.

Santos Dumont e os Irmãos Wright? Trabalharam em conjunto na primeira nave que chegou a Saturno (o avião foi inventado 400 anos antes por Da Vinci)

Vida pessoal  X  Vida profissional? Não existia esse conceito. Apenas VIDA.

Eu quase ia esquecendo! Einstein aprofundou os estudos de Galileu e descobriu TUDO sobre os buracos negros. Mas não vai dar pra explicar aqui!

Problemas? Certamente vários problemas surgiram ao longo do tempo, principalmente pelos preconceitos gerados por idéias novas vistas com desconfiança:

Um grupo propôs a criação de “escritórios” onde as pessoas pudessem sair de casa de manhã e se reunir para trabalhar retornando a noite. A idéia era tão estapafúrdia que foi logo descartada;

Alguns professores   cansados de ensinar milhares de pessoas por vez, imaginaram um local onde as crianças pudessem ser agrupadas por idade, em lotes de 30, cada um com um professor transmitindo a mesma informação para todos e que já estava disponivel na INTERNET. Foram motivo de muito riso!

Alguns médicos tentaram implantar  consultas presenciais, com o argumento que o contato humano seria benéfico para o paciente, mas os Conselhos de Medicina não aprovaram principalmente com o argumento que o atendimento à distância sempre funcionou e não precisava de mudança, além do risco de contágio para os médicos.

Alguns cientistas defenderam a ideia de usar petróleo do mar e do subsolo como fonte de energia, e também a formação de grandes barragens, mas foram logo desincentivados, visto que o sol, o vento e as marés eram fontes inesgotáveis e limpas.

Esses pequenos problemas citados acima, não impediram que, em 2020, o Papa da época, Francisco, produzisse uma encíclica “Fratelli Tutti” com o objetivo de louvar o nível mundial alcançado em relação à fraternidade e à amizade social e elogiando a construção de uma sociedade que soube incluir, integrar e levantar aqueles que sofriam.

———-

Pra encerrar: o que foi diferente no relato acima em relação à evolução real até o mundo atual?

– Apenas a criação simbólica da INTERNET como elemento de comunicação entre tudo e todos!

Não dá pra pensar e sonhar? Quem sabe?

 

Paulo Milet –  Formado em Matemática pela UnB e pós graduado em adm. pública pela FGV RJ – Pres. Conselho de Educação da ACRJ. Consultor e empresário nas áreas de Tecnologia, Gestão e EaD.

 

Uma Bioquímica no RioInfo

Autora: Katia Aguiar

 

Minha relação com o RioInfo começou há 13 anos atrás, em 2008.

Sou bioquímica, iniciei vida profissional em laboratório e acabei trabalhando com negócios no setor de biociências.

Apenas para contextualizar, bioquímica é a ciência que estuda os processos químicos que ocorrem nos organismos vivos. Meu universo estava ligado diretamente à vida e suas inovações.

Em 2008 participei de uma missão prospectiva Sebrae a alguns Parques Tecnológicos em Portugal. Deveríamos visitar os modelos de processos e projetos de inovação, e à época, a maioria dos Parques Tecnológicos de Portugal eram dos segmentos de TI e Biotecnologia. Assim nos juntamos.

Não nos conhecíamos muito, mas a percepção de parcerias em negócios, a química foi fácil, se me permitem o trocadilho. Trouxemos na mala, várias ideias. Algumas foi possível implementar, outras não.

Mas o que funcionou de fato, foi a liga feita. A famosa “interatividade” tão falada no setor de TI, servia perfeitamente ao meu universo da biociência. Iniciava ali a minha aproximação com o grupo RioInfo, um dos maiores eventos de tecnologia brasileiro. Um evento já tradicional no Rio de Janeiro.

Minha constatação óbvia então, foi de que o setor de tecnologia era transversal. Teríamos a famosa “TI” para o agronegócio, para a biotecnologia, para a saúde, para energia, meio ambiente, e por ai vai. O núcleo gestor RioInfo começava a falar sobre isso.

Comecei a participar com mais atenção aos conteúdos e painéis disponibilizados no RioInfo. Claro, havia uma parte “raiz”, que não era tão próxima do meu universo. Mas vários conteúdos começaram a fazer sentido pra mim. Falavam como eu, de inovação. Começamos a realizar projetos conjuntos.

A cada ano fui me aprofundando, percebendo cada vez mais, que este universo era sim, intrinsecamente relacionado ao das Biociências e outros setores. Então cada vez mais a aproximação foi crescendo de forma natural. Orgânica.

Falava-se de tecnologia, de negócios, de formação, de sociedade. De vida.

Ao mesmo tempo, observava que poderia também colaborar um pouquinho com RioInfo, incorporando algumas características da biociência. Algumas formas de observação, linhas de inovação, de negociação.

E foi assim que me tornei, com muito orgulho, uma das Coordenadoras do RioInfo.

Recentemente percebi com grata surpresa, que agora esta famosa “Transformação Digital” que o mundo foi forçado a absorver rapidamente por conta da pandemia, para mim foi até mais natural do que eu pensava.  A proximidade, a interatividade com o grupo da tecnologia me deram isto de presente.

E como dizem por aí, as inovações tecnológicas vão determinar mudanças nos seres humanos. Será?

Tecnologia &, inovação, ciência, fazem cada vez mais parte do mundo dos seres humanos. E não conseguimos perceber nosso universo sem a tecnologia.

A ciência hoje já consegue imprimir corações, fígados em 3D; por meio de drones se consegue monitorar plantas individualmente, coletando informações, permitindo acompanhamento por regiões, identificando e corrigindo problemas pontuais em uma lavoura.

Cada ano que passa aprendo mais com os conteúdos do RioInfo. Com os painéis diversificados de alto nível.

Então deixo aqui uma mensagem a você que me lê: nunca diga nunca!

Esteja sempre aberto para novas possibilidades. Mesmo que estas pareçam não ter nada a ver com sua expertise. Vale ressaltar que não falamos aqui de especialistas ou generalistas. Isto é papo para um outro artigo.

Apenas te digo – não se feche a novos universos. Eles poderão ser mais próximos do que você imagina!

Pode acreditar… Papo de uma bioquímica no meio da tecnologia.

 

Katia Aguiar – bioquímica formada pela UFRJ, consultora de negócios em bioeconomia, empreendedorismo, inovação. É mentora de negócios e especialista em captação de recursos. Coordenadora RioInfo e uma das fundadoras da NeTe.

Por que Ninguém Está Sorrindo?”

Autor: Márcio Cerbella Freire

 

Coluna: Confiança Criativa nos Negócios.

Resumo: A construção da confiança criativa nos negócios passa pelo estado de felicidade das pessoas envolvidas em todas as suas fases, seja empresário, fornecedor, colaborador, cliente etc.

Em um contexto em que o desemprego e a aparente falta de oportunidades sobressaem, cada vez mais pessoas estão renunciando a sua essência, se por um lado a tecnologia oferece facilidades, por outro a impossibilidade de aquisição desses itens, ou mesmo a simples frustração de não estar normal perante as convenções e hábitos da sociedade em que estamos inseridos, torna a simplicidade de um sorriso cada vez mais distante.

Lembrando que estamos passando por uma crise de valores, onde muitas de nossas crenças foram desconstruídas de forma nem sempre voluntária ou sequer necessária. O que ocorre é que, na maioria das vezes estamos sem saber o que fazer com nossas vidas. Entendendo a palavra sucesso como realizar algo em que nos sentimos felizes antes, durante e depois de fazê-lo, percebe-se que é necessário resgatarmos nossos desejos, sonhos e valores, para que possamos caminhar rumo a ele, portanto estar feliz ou sorrindo, vem da certeza de que não estamos nos violentando e que caminhamos no sentido de nossas ideias e ideais. A situação de baixa autoestima que muitos tem se permitido encontrar, é um dos fatores para que o sorriso não seja natural. Mas se considerarmos a escolha que fazemos, a felicidade depende 100% de nós mesmos, mas isso não significa que seja fácil, ou que não demande muito esforço e investimento em autoeducação.

Se olharmos por outro ângulo qualquer crise pode ser uma oportunidade de nos diferenciarmos dos demais, uma vez que nesses momentos aumentam as necessidades e desafios para solução de problemas, se encontrarmos uma solução seremos vistos com outros olhos, além da sensação de elevação da autoestima que é promovida quando conseguimos algo assim, portanto a melhor dica é buscar nos momentos difíceis novos desafios que alavanquem o nosso crescimento. Portanto fazer o que se gosta e saber o que fazer nas mais diversas situações, são fatores que ajudam a não abrir mão do sorriso, para isso é necessário buscar informações, sistematizar processos, planejar constantemente, definir as ações a tomar e monitorar sempre os resultados para que os ajustes possam ser feitos de forma adequada mantendo o grau de satisfação das pessoas e clientes no ambiente de trabalho.

Isso pode parecer estranho, mas quanto mais desafios houver maiores serão as chances de encontrar soluções para os mesmos e consequentemente crescer e avançar, mesmo que a princípio você tenha medo, não deixe de fazer aquilo que é necessário para atingir as suas metas e objetivos, aprenda a traçá-las usando ferramentas conhecidas como SMART, ESPERTA, META, etc. Não deixe a procrastinação impedir que você comece a agir na direção de seus sonhos, muito menos seja tão perfeccionista que nunca coloque em prática aquilo que planejou, lembre-se na maioria das vezes feito é melhor que perfeito. Considere investir em autoeducação, em orientação para suas escolhas, lembre-se que em muitos casos um coach pode ajudar a encontrar novas saídas e os motivos que te levam a tão sonhada felicidade no mundo do trabalho ou negócios.

O fracasso na realização de uma determinada tarefa pode torná-lo infeliz mas lembre-se, se você escolher que sim, provavelmente isso vai acontecer, no entanto se você aproveitar as experiências, sensações e aprendizados dessa derrota, ela com certeza poderá se transformar em um grande passo para a próxima vitória, mais importante que alcançar um determinado objetivo é aproveitar a jornada realizada para se chegar até ele, tudo no caminho é aprendizado, e se bem aproveitado determina momentos de felicidade, e o somatório deles se torna um tesouro onde você poderá buscar força para vencer de forma feliz e agradável os seus próximos desafios.

Kai, Ubuntu, Waka, abraços e sorrisos.

Kai: “Kai é vida ética, baseada em princípios de nunca fazer o mal, sempre fazer o bem e o bem a todos os seres.”

Ubuntu: palavra do dialeto de uma tribo africana que significa “todos somos um” sugerindo uma ideia de humanidade e respeito nas relações.

Waka: “fazer algo mesmo quando estamos andando”

 

 

Márcio Cerbella Freire é Diretor de Sorrisos da EMECF Educação Empreendedora, feliz, Master Coach, Analista de Sistemas, Pedagogo, Pós Graduado em Psicopedagogia e em Empreendedorismo e Inovação (UFF), Empreteco, Consultor, conteudista e instrutor credenciado do SEBRAE.

 

Automação

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

Hoje o assunto é automação. Aposto que você recebe muitos e-mails, WhatsApps, SMS automáticos, diariamente. Mas tenho certeza de que você não consegue identificar se todos são automáticos.

Nosso trabalho como SDR é automatizar sem que ninguém perceba. Muitas vezes um dos nossos escreve parte do e-mail personalizando com a conversa anterior neste sentido.

Na enquete que eu fiz há algumas semanas, algumas pessoas responderam que não contratam serviços de pré-vendas por considerarem “automatizar demais”.

O interessante é que isso é um paradoxo. Afinal, o que mais se fala hoje é de veículos autônomos, internet das coisas, indústria 4.0, agilidade e outros conceitos que se fazem presentes no dia a dia da população. Neste contexto as pessoas já não veem isso com estranheza. Assim como não estranham quando percebem que receberam uma mensagem automática bem feita, em cadência, como falamos. E te digo uma coisa: está cada vez mais difícil identificar. É possível. Pode ser bem feito.

Os redatores, copywriters, roteiristas e todos os profissionais que trabalham com textos, vem introduzindo discursos tão envolventes que parece que não é um robô que está enviando massivamente determinada mensagem. Lógico que como diz meu marido Rogério Carrasqueira “temos que fazer as coisas com parcimônia”, nada demais é bom, nem ligações de mais, nem e-mails demais, tudo tem que fazer sentido.

E, no final das contas, o importante é parecer não ser automático, sendo o mais automático possível. =) Fazendo a mensagem chegar para o máximo de pessoas possíveis, usando tecnologias que aumentem a produtividade e o deixe livre para pensar estrategicamente. Se a empresa de quem recebe a mensagem precisa, vai acender uma luz, ela vai te procurar, vai responder.

Na Sua Visita, temos humanos operando robôs, humanos escrevendo os textos e roteiros, humanos buscando oportunidades com potenciais clientes, no outro lado da linha telefônica e humanos como eu, claro, que como CEO, deve ter tempo e condições para pensar estrategicamente no meu negócio. Mais tempo para você especializar-se ainda mais, atualizar-se ainda mais, mais tempo pro que faz melhor.

 

Patrícia Carrasqueira – Representante de Vendas na Sua Visita

Sabe a Diferença entre Preço e Valor, ao Contratar uma Empresa de Pré-vendas?

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

Preço se negocia de inúmeras formas. Valor, é o que se cria e se entrega ao cliente.
Saiba como fazer para o preço não ser mais uma limitação:

Preço pode ser medido pela capacidade de se manter um compromisso financeiro com um produto ou serviço adquirido. Pelo viés da razão, faz todo sentido.

Agora quando estamos falando do componente emocional, existem crenças e objeções relacionadas ao preço, muitas delas absolutamente subjetivas, que te impedem de crescer, de inovar ou testar novas formas de fazer.

Imagine o valor de se desenvolver um setor de pré-vendas que se retroalimenta. Um setor de Inside Sales que qualificam os Leads desenvolvendo internamente a capacidade de entender plenamente o que é qualidade no seu ponto de vista e se aprimora constantemente, criando oportunidades crescentes de novos negócios com empresas que você sempre sonhou em conseguir a atenção
Isso faz sentido pra você?

Mas é mais que lógico que isso tem um preço.

Talvez, você não saiba que existem formas de se contratar uma empresa de Pré-vendas, como a @SuaVisita.

Nós temos tido reuniões super interessantes neste sentido:
• Modelos de pacote mensal, fixo;
• Pagamento por lead gerado e/ou qualificado;
• Pagamento por reunião agendada;
• Success Fee, que pode envolver um mínimo garantido e mais variável percentual, por contrato fechado.

Todos eles têm suas vantagens e desvantagens, tanto para o cliente, quanto Sua Visita enquanto empresa de Pré-vendas. Porém, as chances de se chegar a um acordo são maiores quando temos opções, concorda?

Nao acha que é agora a hora de pensar num budget, mesmo quefuturo, para desenvolver um profissional de prevendas para seu time?

Cabe a você, empresário, perceber valor nesse mercado, acompanhado conseguirá mais rápido, focado na sua expetise.

Na minha última enquete, a maioria das pessoas responderem que “acreditam que não podem pagar” por um trabalho de pré-vendas. Será um prazer conversar contigo sobre nossos modelos de trabalho, tickets médios e ciclos de venda. Vendas consultivas devem ajudar sempre, independente de monetizar essa relação.

Vamos conversando! Você, de vendas complexas e nós com a expertise de criar um fluxo, um processo de fazer isso acontecer com inovação, BI e sobretudo, humanização destes processos.

Conta pra mim, vou adorar conversar sobre ligações que deram certo e a maior dica pra isso acontecer é: seja você mesmo!

 

Patrícia Carrasqueira – Representante de Vendas na Sua Visita

OFFICEVERSO – Um METAVERSO do Século XXI

Autor: Marcus Mendonça

 

O que sabemos do Metaverso? Sabemos que é a união do virtual com o real onde se tem uma extensão de sua realidade através de um mundo virtual, e o que isso transforma sua vida? Em muitos casos em nada, apenas pode ser enxergado como um jogo como no caso do ROBLOX e outros jogos que estendem sua realidade, mundos virtuais vêm sendo utilizados desde muito tempo, lembramos do Second Life, e de outros que tiveram empresas abrindo campanhas de marketing, por vezes massivas dentro dessas plataformas; não podemos também esquecer dos shows dentro de Fortinite aonde milhões de pessoas foram reunidas dentro desses mundos criados pelo jogo e assistiram com seus avatares. O mundo mudou, com certeza essa é a única certeza dentro desta realidade que agora estamos, e que senão mudamos conforme a onda do mundo podemos morrer literalmente na praia.

O conceito de Metaverso vem de ideias desde a final da década de 1970 e o início da década de 1980, muitos dos membros da comunidade tecnológica imaginavam um estado futuro da Internet onde todos estariam conectados através de um mundo virtual. Tivemos exemplos dentro dos filmes como Player One e Matriz o que seria um conceito aprimorado e as vezes assustador de Metaverso, assim como um livro de de 1992 o escritor Neal Stephenson deu aos leitores muito mais do que as quatrocentas páginas de Snow Crash, neste livro conforme a definição no Wikipedia: “A história começa em Los Angeles no século 21, um número não especificado de anos após um colapso econômico mundial. Los Angeles não faz mais parte dos Estados Unidos, já que o governo federal cedeu a maior parte de seu poder e território a organizações privadas  empresários .  Franquia , soberania individual e veículos privados reinam supremos.” Neste Mundo um vírus de computador consegue transportar as pessoas para um mundo virtual, ou como ele denominou na época o METAVERSO, se a gente ao ler este cenário não pensar no mundo atual, salvo com algumas coisas que somente o mundo da ficção científica consegue colocar nos deixa pensando que hoje é nossa realidade e será a realidade ainda maior com o passar dos meses, e digo meses e não anos.

Mas onde entra o nosso OFFICEVERSO, dentro deste conceito? Ele entra por ser um novo METAVERSO no qual sua empresa estará totalmente ou parcialmente virtualizada, com todo seu conceito, regras, normas e físico virtualizado, mas vamos ser práticos o que isso pode ser bom para o seu negócio? Temos vários pontos que podem te responder essa pergunta:

  • Redução do custo com o aluguel de espaços
  • Controle maior dos funcionários remotos (eles estarão todos meio que fisicamente no ambiente e interagindo).
  • Este ambiente de escritório por enquanto só funciona em desktops e notebooks e com isso faz com que as pessoas realmente estejam em casa, a sua não ida para os celulares ou mesmo o bloqueio nestas plataformas vão deixar com mais lisura a realidade de que eles estão em ambientes internos e não na rua.
  • Você não precisa ter seu funcionário localmente dentro do seu munícipio, sua força de trabalho vai estar em qualquer local e poder atuar de forma eficiente. O funcionário mora onde sempre teve vontade, isso se chama qualidade de vida.
  • O risco de atrasos por conta de transporte público fica eliminado.

Mundos como Gather town (https://www.gather.town/) prometem construir este ambiente e trazer sua empresa definitivamente para o mundo virtual, este mundo por exemplo, por um preço é claro, é totalmente customizável e trazer o ambiente da sua empresa para dentro do computador do seu colaborador, e este mundo não funciona, até o momento dentro de um ambiente mobile, por motivos aos quais falei anteriormente. Este mundo do Gather Town está sendo aprimorado e deve ficar ainda mais realista, o que vai tornar a experiencia do usuário melhor, claro que isso não vai substituir o chão de fábrica no momento, com o desenvolvimento ainda maior da Inteligência Artificial e a robótica esse cenário com certeza vai mudar, mas vai melhorar com certeza o padrão de qualidade das grandes cidades e vai levar as pessoas a realizar seus sonhos de moradia sem se preocupar com a distância do seu local de trabalho.

Ainda vejo o conceito do Officeverso, um conceito bom, mas para algumas empresas ainda longe de ser alcançado por conta da cultura, para alguns empresários eu considero que seja a teoria do presencial muito importante, mesmo que com isso eles percam valores importantes para o seu negócio. O Físico ainda está enraizado não apenas na cultura brasileira, mas como mundial, é um processo longo que vai se tornando cada vez mais factível conforme mudam as gerações. Quando o empresariado parar de colocar barreiras e começar a ampliar o Horizonte, vamos ver empresas crescendo exponencialmente como nunca cresceram, atraindo valores sem se importar onde estejam e um Officeverso dominante no mundo, trazendo produtividade e qualidade de vida.

Devo salientar que como estamos fazendo hoje EAD, Home Office ainda está bem longe do ideal por conta das raízes físicas que temos com as empresas e com isso a cultura da população economicamente ativa, mas conforme a tecnologia e a imposição da sociedade esta tendência e essa consciência vão mudar e como disse no parágrafo anterior, prosperar para um mundo realmente globalizado.

Para finalizar muitos ainda vão pensar que eu não medi as relações trabalhistas, como as leis de cada país, pelo contrário, previ sim e ainda falo que o futuro não se encontra na carteira de trabalho para muitas profissões, se encontra dentro de contratos de prestação de serviço, seja continuada ou não, favorecendo o trabalhador e os empresários, aonde um trabalhador pode complementar renda se assim necessitar com outros contratos e virar um empreendedor da sua vida, e para os empresários uma gama cada vez maior de talentos a disposição, para diversos projetos. Custos menores, trabalhos mais cirurgicamente contratados, trabalhadores com maiores oportunidade de expandir, o mundo ainda precisa amadurecer eu sei mas o Officeverso será em breve uma realidade positiva dentro deste mundo mais maduro.

 

Marcus Mendonça.  – Canal Quem Sabe e Mentor de Negócios

Quemsabementoriacom

 

 

Comercial 4.0, o Que se Pode Automatizar, se Automatiza.

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

O que uma máquina de refrigerante tem a ver com pré-vendas?

Imagine que você está com muita sede e sabe que precisa beber algo… Olha em volta e acha uma máquina de refrigerantes.

Você vai até ela…

Chegando, você fica sabendo que, além de 4 opções de refrigerante, pode comprar água, também. Que é a primeira opção para, de fato, matar a sede. Não é mesmo?

Para decidir, você pondera algumas coisas:
– O que eu quero/preciso comprar?
– Quantos ml tem cada produto?
– Quais os preços dos produtos?
– Eu tenho o dinheiro suficiente na carteira?
– Aceita débito?

Na máquina, estão algumas respostas, como preços, ml de cada produto e formas de pagamento possíveis.

Mas a máquina também conta com uma super propaganda da Coca-Cola e você conclui que, entre todas as opções, é ela que vai matar a sua sede.

Moral da história:
Pré-vendas é isso! Juntamos a sede com a vontade de beber e colocamos pessoas dispostas a consumir seu produto/serviço, sabendo que é a sua solução que ela precisa.

E o legal é que eu tenho uma máquina de pré-vendas para te mostrar.

ESTAR NA MENTE DO CLIENTE é muito importante. A automação ajuda a colocar A SUA MARCA no topo, em vermelho e com luz neon!

Me conta, você automatiza seu processo de vendas?

 

Patrícia Carrasqueira  – Representante de vendas na Sua Visita