O Novo Ensino Médio – E Agora!?

Autora: Maria de Fátima Apolinário

 

Estudantes do 1º Ano do Ensino Médio em 2022 já entram no NOVO modelo.

 Em 16 de fevereiro de 2017, o Novo Ensino Médio foi aprovado pela Lei Nº 13.415, com o objetivo de tornar a etapa mais atrativa para os jovens, promovendo alterações consideráveis. E se torna obrigatório a partir do 1º ano do ensino médio em 2022.

O QUE DEVEMOS ESPERAR!? – Trazendo uma organização mais atraente para os alunos, abandonando a forma padrão de oferta, concebendo uma reforma estrutural no atual sistema de ensino do país, o Novo Ensino Médio veio para ficar, transformar e equalizar oportunidades no mercado.

No início, o maior conflito era se concentrar exatamente na reconfiguração de um ensino mais amplificado, e ao mesmo tempo customizado às necessidades reais das demandas de cada comunidade escolar. Viabilizar essa mudança no Ensino Médio, é ensinar o jovem através da escola a disponibilidade para o diálogo construtivo, para a escuta ativa, a responsabilidade diante do outro, possibilitando que ele seja um sujeito de transformação. Aliás, aqui cabe um dito bastante eloquente: Somos projetos de nós mesmos, frutos de nossas ideias, causa e consequência daquilo que escolhemos!” – (Inês Seibert)

A nova organização apresenta um currículo composto pela Base Nacional Comum Curricular e Itinerários Formativos com aumento de carga horária num total de três mil horas (3000 H).  Dessas, 1800 horas serão destinadas ao currículo comum (FGB), e 1200 horas aos Itinerários Formativos.

A Base Nacional Comum Curricular é um documento que regulamenta quais são as aprendizagens essenciais a serem trabalhadas nas escolas públicas e privadas no ensino básico.

Os itinerários formativos são conjuntos de disciplinas, oficinas, projetos, compostos pelas quatro áreas do conhecimento:  Linguagens e suas tecnologias, Matemática e suas tecnologias, Ciências da Natureza e suas tecnologias, Ciências Humanas e sociais aplicadas e a grande novidade a inclusão da Formação Técnica e Profissional, possibilitando a habilitação para os alunos que optarem pelo V ITINERÁRIO no Ensino Médio. A escola que optar por oferecer este itinerário deverá estar habilitada pelos órgãos para expedir o diploma técnico.

O ALUNO QUE ESCOLHER UM ITINERÁRIO TÉCNICO, PRECISA SEGUIR NA GRADUAÇÃO DENTRO DA MESMA ÁREA DE CONHECIMENTO? Entendemos que o Novo Ensino Médio traz para o aluno possibilidades de ingressar no mundo do trabalho antes mesmo de cursar o ensino superior, e com habilidades dentro da área escolhida desenvolvidas. Ao término do ensino médio, com conhecimentos e experiências que possibilitem engajar no mercado de trabalho tão carente de profissionais.

E o mais disso tudo, a formação técnica não engessa sua opção por uma segunda profissão ou especialização na graduação (Ensino Superior), ou seja, seu leque mercadológico só aumenta.

Em 2018, segundo o IBGE, no Brasil cerca de 11 milhões de jovens de 15 a 29 anos não estavam no mundo do trabalho, nem estudando ou se qualificando. Esses jovens derivam de diferentes contextos e origens, mas enfrentam barreiras comuns quando se tornam adultos.

Enfim, o NOVO ENSINO MÉDIO vem para aumentar e revigorar suas perspectivas no mercado, basta estar preparado para novos desafios e com a mente sempre aberta para as oportunidades que baterão à sua porta. #boraestudarjuntos?

 

Maria de Fátima Apolinário – Diretoria de Pedagogia do Colégio João Paulo I

Você Tem Acabativa?

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

A iniciativa é uma das competências mais valorizadas nas empresas hoje em dia. Não há nada melhor do que ter uma equipe na qual as pessoas estejam comprometidas em nos ajudar na busca por soluções para os problemas que acontecem no nosso dia a dia.

As pessoas de iniciativa têm mil ideias, são criativas, mas geralmente, deixam de lado e odeiam a rotina necessária para colocá-las em prática. Milhares de ideias e soluções das mais diversas são engavetadas dia após dia. Quanta genialidade desperdiçada…

Acabativa é um termo criado pelo consultor de empresas e conferencista brasileiro Stephen Kanitz, que diz respeito à “capacidade que algumas pessoas possuem de terminar aquilo que iniciaram ou concluir o que outros começaram”.

Ao ler o conceito, imagino que você pensou em si mesmo ou lembrou de alguém que tem ou não tem essa característica…

Acredito que você conheça também aquela pessoa que, muitas vezes é capaz e empenhado, mas que começa diversos cursos e não termina nenhum, aquela que traça vários objetivos no ano e não realiza nenhuma.

Iniciativa e acabativa são assim, uma sem a outra limita os nossos sonhos e as nossas realizações. Quantas pessoas têm dezenas de ideias e não fazem nada? Quantas pessoas estão cheias de vontades e não têm ideia do que fazer?

Se enxergou em algum desses exemplos?

O fato é muitas vezes cultivamos alguns desses hábitos sem nem perceber…

E não há nada melhor do que ir dormir com a sensação de que fizemos algo importante. Acredito que para que isso aconteça, um dos pontos essenciais é estar em dia com nossos objetivos.

E aí, como anda a sua acabativa?

Patrícia Carrasqueira – Representante de Vendas na Sua Visita

Rússia X Ucrânia e Implicações No Metaverso

Autor: Paulo Milet

 

Vou abordar aqui dois temas que poderiam ser claramente associados com o futuro (o Metaverso) e com o passado ( a Guerra Rússia X Ucrânia). Desde que Zuckenberg anunciou que o Facebook iria passar a se chamar Meta, e focar no Metaverso, essa palavra não sai dos destaques no mundo da Internet, mesmo não sendo realmente uma novidade, já que até jogos (Second Life) existem há mais de 20 anos. O conceito, simplificadamente, seria que tudo que se faz hoje na internet (pesquisas, compras, educação, saúde, trabalho, conversas, jogos…) vai ser feito “entrando” no Metaverso, “presencialmente”, com todos os cinco sentidos, e mais algumas capacidades, já que as leis da física e conceitos de tempo e espaço não necessariamente precisarão ser “ obedecidas”.

Mas as notícias das últimas semanas envolvendo a guerra, ou melhor, a invasão da Ucrânia pela Rússia, ainda nos mostra um modelo “antigo” de tentativa de dominação de um país em função de fronteiras físicas e superioridade numérica em termos de tanques, soldados e armas (até atômicas). Uma guerra que talvez esteja fadada a ser a última (quem dera!) com esse formato, já que territórios dominados vão valer cada vez menos em relação à inteligência e à tecnologia.

Nessa guerra, o que vemos são bombardeios atingindo prédios civis residenciais, comerciais e até hospitais. Milhões de ucranianos abandonando seu país, crianças, mulheres e idosos sendo atingidos. Tanques russos pesados cercando. Inaceitável!

O mundo da Internet, assim como o do Metaverso, não é esse mundo puramente físico onde as coisas acontecem dentro das regras. leis e fronteiras de cada país. Tudo acontece na “nuvem” e nas suas interconexões.

Elon Musk colocou no ar uma rede de satélites exclusivos possibilitando quem não apenas seus clientes, mas também o povo ucraniano, continuasse tendo acesso a informações do dia a dia da guerra. E as fronteiras?

As leis atuais não impedem guerras e nem conseguirão regular o Metaverso. Medidas novas, nos dois casos, terão que ser supranacionais. Já está em tempo de percebermos que as legislações que consideram o território físico, seja para o cometimento de crimes, penalização de criminosos, aspectos legais, tributários ou trabalhistas, já deveriam estar sendo discutidos nos diversos fóruns internacionais.

Problemas desse tipo teriam que ser tratados em um nível global pelos países. Só assim, os Telegrams e Putins da vida poderiam respeitar e atuar dentro de limites razoáveis. Centenas de empresas saíram da Rússia porque sabiam que seus clientes no mundo todo iriam apoiar (mundo ESG).  Dezenas de países e entidades criaram punições, bloqueios e banimentos. Mesmo se a Rússia “ganhar”. Já perdeu! No Metaverso, será similar.

Temos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs) da ONU para 2030, que equacionam os grandes problemas mundiais. Talvez deva-se incluir um ODS18 que acabe com possibilidade de guerras.

Oito anos também é um horizonte razoável para um Metaverso mais completo, onde, além de visão e audição, o tato (certamente) e talvez olfato e paladar já estejam disponíveis de modo simples, fácil e confortável.

Em 2030 não poderão mais existir problemas de fome, educação, saúde e habitação. Conectividade total é a palavra de ordem. Os custos de comunicação e acesso ao Metaverso serão irrisórios. Produtividade total na agricultura, comércio, indústria e serviços. Renda mínima garantida. Trabalho pesado só com máquinas. Carga horária menor no trabalho.

Para que essa visão aconteça, as leis precisam ultrapassar fronteiras, aqui e no Metaverso. Movimentação livre e acordada em todas as direções.

Se for assim, guerra? Por que? Pra que?

 Paulo Milet –  consultor em gestão, Inovação e EaD,  Presidente do Conselho de Educação da ACRJ,  Diretor da RioSoft e TI-RIO. Formado em Matemática pela UnB, com pós em Administração Pública  pela FGV e Founder  da ESCHOLA.COM.

As empresas que não se adaptarem ao mundo pós covid-19 irão se “desintegrar” no Mundo Corporativo

Autor: Theonacio Lima Jr.

 

A pandemia de Covid-19 representou uma das maiores emergências de saúde da história recente. Foi capaz de provocar grande mal-estar, não apenas na área da saúde, mas, em todas as esferas sociais.  Emergiu a necessidade de enfrentar diferentes adaptações, muitas vezes, quase às cegas.

As instituições de ensino, por exemplo, necessitaram se reinventar, cuja repercussão gerou o desafio de se criar uma rápida familiaridade com os contatos remotos e com as plataformas digitais. Restaram desconfianças referentes aos efeitos teoricamente preocupantes sobre as qualificações dos discentes e sobre a formação continuada dos docentes.

Sutilmente tudo modificou. A repercussão da desordem provocada pela pandemia, acelerou o ciclo de aprendizagem e mudou todos os planos de ensino, não sendo possível mensurar, os prejuízos cognitivos gerados nos educandos e os desgastes profissionais enfrentados por professores, devido à falta de estrutura de tecnologias e materiais didáticos correspondentes.

As significativas consequências do Covid-19 atingiram em cheio o mercado global com grandes impactos, devido as medidas de isolamento, proibições e restrições adotadas. A humanidade não estava preparada para lidar com mudanças tão severas e suas realidades decorrentes, sobretudo, no mundo dos negócios.

 Estamos vivenciando os reflexos pós Covid-19 mais especificamente observa-se o universo digital que impôs à sociedade algumas qualificações a curto prazo, e que alterou a forma de transmissão do conhecimento, com repercussões evidentes nos modelos de empregos, nas forma de produtividade e nas políticas de negociação. Restou um caminho adaptativo que unifica um modo de vida presencial, ao modo de vida remoto.

Os desdobramentos da pandemia de Covid-19 no âmbito organizacional vem obrigando o redesenho de modelos de gestão que já ofereciam, para algumas empresas, certo grau de dificuldade para planejar, organizar, dirigir, controlar e alcançar bons patamares de excelência e eficácia.

Ocorreu uma necessidade premente de se promover adaptações na Gestão de instalações, Gestão de pessoas, Gestão de relacionamento com os clientes e, principalmente, na Gestão de Processos e Tecnologia. Esse cenário ainda se soma às incertezas da gestão administrativa, financeira e comercial das empresas, que deixou uma margem não só para adaptações, mas, para sair do fosso que sorveu muitas organizações menos preparadas.

Diferentes foram as decisões adotadas por pequenas, médias e grandes empresas na batalha para manter as suas portas abertas. Mas, além de vidas humanas, o Covid-19 conseguiu ceifar muitos negócios. Bem como, houve necessidade de fazer demissões de pessoal, mitigar despesas e, especialmente, fazer adesão ao e-commerce.

Mesmo diante de um cenário incerto, começou a corrida para empreender pela internet, que traz em seu pacote, a necessidade de aquisição de softwares, aplicativos, ferramentas e suporte técnico, essa ação vem sendo desafiadora para muitas empresas. Porém, os empreendimentos pela internet cresceram exponencialmente, tornando-se uma ação segura e mais econômica para aqueles que nela investiram.

Empresas físicas e seus vários colaboradores foram sendo substituídos, por um servidor competente e colaboradores providos de qualificação para operacionaliza-lo, com consequente redução de despesas e aumento de lucro.

O mundo dos negócios no pós Covid-19 vem levando micro, pequenas e grandes organizações a marcarem as suas presenças no ambiente on-line. Muitas empresas tiveram que se reinventar para encontrar recursos digitais e prosseguir com o atendimento ao cliente.

Velhos e novos empreendedores devem estar alerta a serem mais atuantes e buscarem ações inovadoras para se manterem ativos no mundo dos negócios, não é possível fazer uma previsão do futuro, a própria pandemia do Covid-19, será por muito tempo um exemplo disso.

Até os modelos de governança corporativa e atividades de Conselho de Administração tiveram que se adaptar, e suas ações foram constitucionais para as organizações enfrentarem a crise. Comumente, os conselhos compareciam esporadicamente na atuação dos empreendimentos. Mas, durante a pandemia de Covid-19, Conselhos se reuniram frequentemente para debater estratégias emergenciais e garantir a sobrevivência do empreendimento.

A acomodação de gestores e líderes tornou-se uma postura aventureira, a resiliência provou ser a pedra angular dos empreendimentos, desde que a vigilância não se canse de despertar para a busca constante de novas informações e novas tecnologias, que mostraram-se firmes no enfrentamento da crise causada pela pandemia.

Em presença dos desafios impostos por esses novos modelos de gestão, a estratégia mais eficaz é enxergar alternativas para não se “desintegrar” no mundo dos negócios e ser capaz de se inserir neste novo mercado de trabalho. O que requer estar aberto para mudanças, refletir periodicamente se a empresa está preparada para enfrentar outros tipos de crises, analisar quais medidas devem ser tomadas para se manter mesmo que, minimamente prevenida, para enfrentar qualquer tipo de crise capaz de afetar a estrutura do negócio.

Resta claro que no auge da pandemia, em tempo recorde, as empresas tiveram que realizar profundas mudanças em suas práticas e políticas organizacionais. De agora em diante, incumbe as lideranças refletirem sobre a institucionalização das medidas que deram certo, a fim de criar novas estratégias e tornar mais robusto o propósito organizacional.

A TAVTEC Tecnologia está apta a auxiliar toda e qualquer empresa que precisar de auxílio. Não importa o segmento e nem a área de atuação, pois mais especifica que seja, somos seu Amigo Virtual. Conte com nossa experiência e eficácia nos resultados.

 

Theonácio Lima Júnior

Diretor – TAVTEC Tecnologia

 

Você tem um Bom Mindset?

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

Nossa prosperidade está intimamente ligada à nossa mentalidade.

Ter prosperidade é estar sintonizado nesta rádio e estar vibrando na mesma frequência que ela. Ao entrarmos nesta frequência, a prosperidade surge normalmente em nossa vida, daí tudo começa a fluir, as oportunidades aparecem e surgem saídas para todos os problemas…

O mindset vai influenciar, direta ou indiretamente, desde as decisões cotidianas até aquelas que podem mudar de forma radical a vida de uma pessoa.

Há clientes das mais diferentes personalidades, com respostas dos mais diferentes tipos. Mostre que você apoia ou compreende a objeção que está sendo feita. Não pense em nada além do que está sendo dito.

Tenha uma postura de identificação com o cliente. Use frases como: “sei como se sente”; “se estivesse em seu lugar, pensaria o mesmo”.

O vendedor precisa ser firme e transmitir confiança e preocupação, acrescentando: por quê? Como assim? Exemplo: diante da objeção de que o serviço é caro – “Como assim caro?”.

Procure não se alongar nas respostas, uma vez que algo é explicado, não precisa voltar ao assunto novamente. Preste os esclarecimentos da maneira mais objetiva que puder.

Para entender melhor o Mindset, separamos os 3 tipos para você:

O primeiro tipo é o mindset fixo – Define aqueles que acreditam que suas qualidades são imutáveis, ou seja, suas habilidades e talentos natos são os fatores mais importantes, que vão determinar seu sucesso ou fracasso.

O segundo tipo é o mindset de crescimento, que indica uma maleabilidade maior das características, por meio da crença de que as capacidades inatas são apenas potencialidades que podem ser desenvolvidas (ou não) através do esforço.

Pessoas com esse tipo de configuração não são iludidas com seu próprio potencial.

Na verdade, quem tem um mindset de crescimento parte do pressuposto de que todos os humanos têm um potencial desconhecido, que pode ser ativado pela educação, pela paixão e pelo esforço.

O terceiro tipo é o mindset empreendedor – O mindset empreendedor é o que muitas pessoas precisam para se impulsionarem. Essa mentalidade pode diminuir à medida que nos acomodamos na rotina do dia a dia. Inclusive entre os mecanismos de gestão de negócios.

Assim, fazer um esforço para incorporar essa mentalidade ajuda a dar um novo posicionamento para enfrentar os desafios diários e experimentar o crescimento.

É claro que os empresários são todos diferentes entre si, tendo também formas diferentes de expressar e lidar com esse mindset empreendedor. Mas, além de descobrir sua própria abordagem para os desafios do empreendedorismo, é sempre válido aprender com as experiências dos outros.

É preciso saber como lidar com o não e com a resposta de que vai adiar a compra.

E aí, você se sente preparado agora?

 

Patrícia Carrasqueira é Representante de Vendas na Sua Visita

 

O que Leonardo da Vinci pensa sobre o Metaverso?

Autor: Paulo Milet

 

Com todo esse movimento e discussões sobre as mudanças vislumbradas para os próximos anos com o METAVERSO, e uma nova visão impactando a “realidade”, fiquei curioso para conhecer a opinião de um dos maiores especialistas em artes e tecnologia da história.  Assim, consegui (PM) uma entrevista inédita com Leonardo da Vinci (LV) sobre essa novidade, que preconiza que vamos poder “entrar” no Metaverso, e que lá, poderemos andar, correr, viajar, construir, criar, comprar, estudar, trabalhar, brincar e conviver com pessoas de todas as partes do mundo (ver artigo meu anterior).

Veja abaixo a entrevista.

(PM) Bom dia Leonardo! Gostaria de conversar um pouco com você que habita atualmente esse universo esotérico paralelo ao nosso e quero saber o que você acha desse tal de Metaverso que o pessoal está inventando. Será que vai dar certo?

(LV)  “Tudo que está no plano da realidade já foi sonho um dia”.

(PM) Mas existem muitas críticas. Muitos acham que pode ser uma fuga da realidade ou então usado para o mal.

(LV) “Se o pintor deseja ver belezas que o encantem, está em seu poder criá-las, e se deseja ver monstruosidades assustadoras, ridículas ou verdadeiramente lamentáveis, ele é o senhor e Deus delas”.

(PM) No Metaverso você vai poder andar, correr, reunir, mergulhar e até testar seus inventos, o helicóptero, o paraquedas, voar…

(LV)  “Depois de experimentar o vôo, você caminhará para sempre pela terra com os olhos voltados para o céu, pois lá esteve e sempre desejará retornar”.

(PM) Um ponto chave são os sensores em todo o corpo e nas roupas, botas, óculos, pulseiras e assim poderemos sentir tudo no Metaverso.

(LV)  “Os cinco sentidos são os guias da alma “, mas ” A função do músculo é puxar e não empurrar, exceto no caso dos órgãos genitais e da língua”

(PM) Mesmo? Espero que eles tenham pensado e estudado isso bastante.

(LV) ” Quem pensa pouco, erra muito” e “Pouco conhecimento faz com que as pessoas se sintam orgulhosas. Muito conhecimento, que se sintam humildes”.

(PM) Então esses que criticam devem experimentar antes de criticar?

(LV) “A experiência nunca falha, apenas as nossas opiniões falham, ao esperar da experiência aquilo que ela não é capaz de oferecer” e, de todo modo, ” Há três tipos de pessoas: as que vêem, as que vêem quando lhes é mostrado e as que não vêem”.

(PM) Será que vai ser bom para a Educação? Para aprender? Você mesmo poderia ensinar desenho, pintura, escultura, arquitetura, ciência, música, matemática, engenharia, literatura, anatomia, geologia, astronomia, botânica e cartografia para milhares de alunos e ainda testar seus inventos…

(LV)  “Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende”. “O prazer mais nobre é a alegria de compreender”.

(PM) Será bom ficar conectado desse modo? Lá dentro do Metaverso?

(LV)  “Princípios para o desenvolvimento de uma mente completa: Estude a ciência da arte. Estude a arte da ciência. Desenvolva seus sentidos – especialmente aprenda a ver. Perceba que tudo se conecta a tudo o mais”. ” Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. “

(PM) Fico pensando quanto você iria ganhar em NFTs com seus quadros e pinturas geniais!

(LV) “A mais nobre paixão humana é aquela que ama a imagem da beleza em vez da realidade material. O maior prazer está na contemplação”.

(PM) Os projetistas, desenvolvedores e criadores desses ambientes do Metaverso são artistas, poetas, pintores como você. Não?

(LV) ” A pintura é a poesia que é mais vista do que sentida, e a poesia é a pintura que é mais sentida do que vista. O pintor tem o Universo na mente e nas mãos. O artista vê o que os outros apenas vislumbram “. “O gênio do pintor há-de se apossar de todas essas coisas para criar composições diversas: luta de homens e de animais, paisagens, monstros, demônios e outras coisas fantásticas. Tudo, enfim, servirá para engrandecer o artista “.

(PM) Isso vai gerar muito trabalho e novos empregos. Tanto para os que constroem os equipamentos (hardware) quanto para os que desenvolvem as soluções (software), não acha?

(LV)” Se o corpo parecer para você como algo maravilhosamente construído, lembre-se que não é nada em comparação com a alma que mora dentro dele e que é uma coisa divina”.

(PM) Mas os críticos não vão descansar, né? Mesmo sem compreender o que é isso.

(LV) ” A aquisição de conhecimento é sempre útil para o intelecto, porque pode assim expulsar as coisas inúteis e reter o bem. Pois nada pode ser amado ou odiado a menos que seja conhecido primeiro”. ” É um fato reconhecido que percebemos erros no trabalho dos outros mais prontamente do que no nosso”.

(PM) Eu trabalho com Educação a Distância e Tecnologia e acho que vou gostar de trabalhar com /no Metaverso.

(PV) “Que o teu orgulho e objetivo consistam em pôr no teu trabalho algo que se assemelhe a um milagre “. Mas estude bastante, pois “Os que se encantam com a prática sem a ciência são como os timoneiros que entram no navio sem timão nem bússola, nunca tendo certeza do seu destino”.

(PM) Pois é, vamos aprender! Pensar bastante. O tempo urge!

(LV) “O tempo dura bastante para aqueles que sabem aproveitá-lo”.”O dia em que nada aprendi, foi um dia não vivido”  e “Quem pensa pouco erra muito …”

(PM) Leonardo, obrigado pelo papo. Quem sabe nos encontraremos no METAVERSO? Bom retorno! Grande Abraço.

 

Paulo Milet é consultor em gestão, Inovação e EaD,  Presidente do Conselho de Educação da ACRJ, formado em Matemática pela UnB, com pós em Administração Pública  pela FGV e CEO da ESCHOLA.COM.

Você Já Entrou em um Labirinto e Não Sabe Qual o Melhor Caminho a Seguir?

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

Ou esteve no interior e entrou em uma estrada de terra sem fim?

Aí você para o carro no meio de uma plantação e pergunta ao velho agricultor o melhor caminho, ele te fala: “é facin, passando a ponte, você vê uma álvre quebrada e segue diretão, passa o campin, a igrejinha azul, aí depois do bambuzal à direita, cê segue mais dez minutin e já tá na rodovia.”

Com seu carro esfolado de lama, você segue e chega no asfalto.

AH, EU ADORO METÁFORAS!

Tal como no interior, os processos de vendas são uma estrada sem mapa, que você precisa conhecer bem para utilizar, acelerar e chegar aos seus objetivos.

Como pra tudo, valem os marcos, os índices e os aprendizados acumulados.

Podemos investir em placas de sinalização claras, mas nada vai substituir uma coisa: a experiência de quem vive lá! Daquele que conhece cada buraco e atalho desse percurso.

Voltando pro comercial, é usar a experiência de quem sabe vender com quem tem a competência técnica.

Ninguém tem maior conhecimento da sua empresa do que você, que a fundou.

Você pode ter um parceiro que conhece o processo e ajuda seu lead a virar um cliente, sem cair em uma rota errada e juntando nossas expertises precisamos testar, testar e testar.

E, no final das contas, você terá ajuda para mapear o seu negócio, entendendo o porquê de alguns produtos ou serviços serem mais atrativos para seu público, OUVINDO, ganhando informações e transformando em CONHECIMENTO.

DIVIDINDO O TIME COMERCIAL

Hoje, temos o pré-vendas, o vendas, o responsável pelo sucesso do cliente, o setor de pós venda. Isso é aumentar o grau de especialidade e definir quem faz o quê.

Na pré-venda, é possível filtrar os leads que não tem aderência ao seu negócio (que chamamos de frios), dos mornos, quentes e muito quentes, o que nos dá visibilidade de todo.

Aumentando sua equipe com alguém que te ajudamos a treinar ou terceirizando este trabalho, O IMPORTANTE É FAZER.

Vamos começar?

 

Patrícia Carrasqueira – Representante de Vendas na Sua Visita

Já tomou QUANTOS NÃOS, hoje?

Autora; Patrícia Carrasqueira

 

Nós, os SDRs, existimos para tomar essas negativas por você?

Ter quem abra as oportunidades te deixará com a energia em alta para vender mais.

“Quantos nãos você leva por dia?” Todo processo de venda conta com muitas negativas antes de um talvez ou de um sim.

Nessa jornada de apresentação do produto ou serviço, o estreitamento de laços com os possíveis clientes pode ser uma alternativa que parece sinuosa, mas, com certeza, é uma excelente rota nesta longa viagem, sujeita a muitas indecisões nos caminhos a seguir.

Todos nós temos dúvidas antes de comprar algo, com a nutrição somos levados a uma sensação de segurança que leva à compra.

E como podemos melhorar a assertividade desse processo?

Aqui na Sua Visita, a gente sempre diz: o SDR é um atalho nesta jornada! Os contatos realizados permitem a identificação dos pontos de OBJEÇÃO e melhoram o processo de venda à medida que contornamos tais questões, promovendo os atributos do seu produto ou serviço, para uma aceitação efetiva.

Pense bem… um empresário precisa equilibrar vários pratinhos: gestão financeira, gestão da equipe, gestão da qualidade de suas entregas, entre muitas outras coisas. Como diria o sábio Steve Jobs: precisamos nos concentrar naquilo em que somos bons e delegar todo o resto.

Mas mesmo que você seja ótimo em vendas, quanto tempo seria necessário para realizar o aquecimento desses leads até que virem clientes efetivos?

Com a equipe de pré-vendas Sua Visita ou uma interna que podemos te ajudar a fazer (só mesmo conversando), é possível delegar vários “nãos” até chegar aos leads quentes, interessados em fechar negócio.

Responda: de 100 prospects, quantos convertem efetivamente?

Em média, um bom índice seria em torno de 3% de clientes efetivados, o que significa que, quem prospecta recebe 97 “nãos” no caminho e ainda precisa trabalhar os “talvez” para transformá-los em SIM.

Por isso falamos em funil. Temos que colocar muitooooo lead lá em cima, para cair pouquinho lá embaixo.

Esse tempo investido na prospecção é importante para aquecer e renovar seus negócios.

Com novos clientes surgem novas demandas e novos insights, que podem até direcionar sua empresa por caminhos antes nem imaginados, ampliando a gama de produtos ou serviços ou alterando sua rota estratégica.

Porém, para trabalhar com esses insights, ajustar a demanda e inovar, é importante fazer contato e – durante o percurso – qualificar o interesse, identificar e contornar crenças e objeções do que está sendo oferecido, para corrigir metas e vender melhor.

A melhoria contínua e o registro dos pontos que promovem a assertividade da sua venda pode ser realizado de uma maneira sistemática, técnica e organizada por uma equipe de pré-vendas, deixando o empresário livre para fazer o que mais sabe e precisa: a gestão de seu negócio.

 

Patrícia Carrasqueira – Representante de Vendas na Sua Visita

 

 

Vamos Conversar Sobre Relações Comerciais mais Duradouras?

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

O que faz o seu lead conectar-se, “dar match”, ter “fit”, como sempre falamos? Existem várias razões para um possível comprador não virar cliente, desistir na hora da compra ou se desinteressar pelo seu produto ou serviço.

O importante é investigar as causas das desistências, otimizando esforços da equipe de vendas e reduzir o churn da sua empresa.

“Churn é uma métrica que indica o quanto sua empresa perdeu de receita ou clientes. Para calcular o churn, basta dividir a quantidade de clientes que perdeu até o final do período pelo total de clientes que iniciaram. Exemplo: se você perdeu 10 clientes de 100 = 10% de churn rate.

Para isso, precisamos entender bem as etapas do nosso funil, trabalhando os leads que realmente podem virar clientes e conquistar outros, tudo de maneira planejada.”

O funil de vendas é dividido em três partes: topo, meio e fundo. Que estágio seu lead está?

Essa divisão, aqui na Sua Visita, é feita pelo nosso software específico de engagement (pré-vendas e engajamento) e através de temperaturas: muito quente, quente, morno, frio. Essa divisão é necessária para entender em que estágio o lead se encontra em relação a interesse e maturidade com a aquisição do seu produto. Sempre falo isso ao nosso time: não temos que vender pra todo mundo!

Assim como em um aplicativo de relacionamentos, começamos falando em conectar, “dar match”, são coletados dados que geram uma pipeline, atravessando estágios de encantamento e atenção até que os seus matchs se tornem apaixonados pela sua empresa.

“Ninguém se relaciona com quem não conhece. É processo.”

E quais são as boas práticas que já testamos por aqui? Quando falamos “testar, testar, testar”, “estudar, estudar, estudar” não estamos exagerando. Uma prática muito eficiente é a revisão de nossos erros e ajustes em processos constantemente revisados que podem fazer a diferença na sua conversão.

Entretanto, no dia a dia, nossa equipe de pré-vendas tende a priorizar somente mais os quentes, sem refletir, sem gastar tempo com quem não se interessou. Por que? Quais foram as objeções? Pra quem não dá pra vender por N motivos e quem não pode agora, um “não temporário”. Seu contato foi bom para ele?

Você levou alguma coisa mas deixou alguma coisa também? Houve troca?

Que maravilhoso é quando temos aprendizado com uma ligação de pré-vendas!  Já falamos em outros artigos, mas É PRIMORDIAL: para uma relação assertiva ao telefone, devemos sempre escutar mais do que falar. Para buscar priorizar os desejos, sonhos e capacidade de compra, trabalhando suas expectativas em um tratamento personalizado para que o PRIMEIRO ENCONTRO seja bem sucedido. AÍ, PRONTO: REUNIÃO MARCADA, negócio fechado, dinheiro na conta. Sem pular etapas, respeitando cada fase.

Nesses tempos de pandemia e internet, o estreitamento de laços e personalização se tornou um grande diferencial, para o aquecimento dos leads e o surgimento de clientes finais efetivos. Afinal, quem não quer uma atenção exclusiva para seus sonhos e interesses?

Mas como aplicar UMA PRÉ-VENDAS APAIXONANTE na minha empresa?

Um processo imparcial de aquecimento dos leads, baseado em uma análise sobre as técnicas de abordagem mais efetivas para cada negócio, em um estudo real de pessoas que se interessam por determinado produto ou serviço são estratégias que proporcionam ao time comercial um cliente quente, não vem pronto para fazer uma reunião e fechar, precisamos trazê-los pra jornada de compra.

A equipe de pré-vendas, associada a um time comercial especializado, faz com que o funil performe de maneira mais assertiva, diminui o churn e aumenta a satisfação do cliente durante a experiência de compra. O primeiro encontro diz muito…, então, cuida dele.

Como está sendo o primeiro contato, O PRIMEIRO ENCONTRO, de sua empresa com as pessoas? Você está cuidando deste RELACIONAMENTO?

 

 

Café: uma Paixão Mundial!

Autora: Elisângela Vitoriano Pereira Kneipp

 

Segunda bebida mais consumida no mundo, perdendo apenas para a água. Presente em quase todos os lares, fazendo parte do dia a dia e dos momentos mais especias!

Mas, você sabia que os cafés não são iguais?

Você sabe a diferença entre um café tradicional/extra forte em relação a um café especial? ⁣⁣

⁣⁣O café tradicional e o café extra forte são aqueles que utilizam uma matéria prima com muitos defeitos e impurezas e que são extremamente torrados. ⁣⁣A torra excessiva, aliada com uma matéria prima ruim, traz um sabor bastante amargo ao café, além de um aroma característico. Assim, a maioria das pessoas adicionam bastante açúcar para conseguirem tomar esse tipo de café. ⁣⁣

Já o CAFÉ ESPECIAL é aquele que preconiza uma qualidade máxima da matéria-prima e criterioso controle do ponto de torra para preservação dos compostos benéficos, das características naturais do café: aquele sabor e aroma inconfundíveis! ⁣⁣Além disso, o café especial passa por um protocolo sensorial, onde são analisados 10 atributos que recebem uma nota. Para ser considerado especial, o café tem que atingir o mínimo de 80 pontos. ⁣⁣

Falando um pouco mais da qualidade da matéria-prima, é importante ressaltar que café é um alimento e, como tal, é imprescindível que se garanta que seu consumo seja seguro à saúde. Deste modo, entende-se que no café cru, que será torrado, por exemplo, não tenha grãos que foram atacados por fungos ou, por pragas, como a ‘broca do cafeeiro’. Assim, os eventuais cafés brocados – ‘furados’ pelo inseto – devem ser retirados para que a qualidade da bebida não seja prejudicada. Isso sem falar nas inúmeras substâncias/impurezas que podem estar presentes e, ser muito prejudiciais à saúde, algumas até com potencial carcinogênico.

Infelizmente, o mais preocupante e o que merece ser ainda mais divulgado é que, muitas empresas utilizam-se de uma torra escura para mascarar/esconder justamente estes defeitos e impurezas e pior, vendendo um café torrado e moído a preços super convidativos, buscando atrair grande número de clientes. Mas, o barato pode sair muito caro, especialmente para a sua saúde. Atente-se a isso e faça escolhas mais conscientes a partir de agora.

Uma boa notícia é que o mercado brasileiro de cafés especiais está em franca expansão, ou seja, o consumo deste tipo de café está crescendo cada dia mais, atrelado à uma produção também crescente.

Se você ainda não teve a oportunidade de conhecer/apreciar um delicioso café especial, fica aqui o convite: venha conosco e mergulhe também neste universo! Nosso país é rico em importantes regiões produtoras de grãos que darão origem a bebidas incríveis, doces e com várias outras nuances sensoriais que vão lhe impressionar.

E por fim, deixo mais um convite pra você conhecer o NOSSO CAFÉ ESPECIAL, uma marca que surgiu neste ano com o propósito de entregar os melhores cafés! Compramos cafés especiais de diferentes origens, depois fazemos a torra, moagem, embalagem e distribuição. Tudo feito com muito cuidado e respeito aos produtores, que se dedicaram imensamente nesta missão de produzir grãos de café de qualidade, e respeito aos nossos clientes, buscando sempre entregar o melhor para a melhor experiência… Sim… Beber um café especial é uma grande experiência que você precisa viver!

Com  carinho!

 

Elisângela Vitoriano Pereira Kneipp – Mestre em Ciência dos Alimentos pela Universidade Federal de Viçosa. Proprietária do Nosso Café Especial; cafés especiais selecionados para você e seu negócio! – 🌐www.nossocafeespecial.com.br