Rússia X Ucrânia e Implicações No Metaverso

Autor: Paulo Milet

 

Vou abordar aqui dois temas que poderiam ser claramente associados com o futuro (o Metaverso) e com o passado ( a Guerra Rússia X Ucrânia). Desde que Zuckenberg anunciou que o Facebook iria passar a se chamar Meta, e focar no Metaverso, essa palavra não sai dos destaques no mundo da Internet, mesmo não sendo realmente uma novidade, já que até jogos (Second Life) existem há mais de 20 anos. O conceito, simplificadamente, seria que tudo que se faz hoje na internet (pesquisas, compras, educação, saúde, trabalho, conversas, jogos…) vai ser feito “entrando” no Metaverso, “presencialmente”, com todos os cinco sentidos, e mais algumas capacidades, já que as leis da física e conceitos de tempo e espaço não necessariamente precisarão ser “ obedecidas”.

Mas as notícias das últimas semanas envolvendo a guerra, ou melhor, a invasão da Ucrânia pela Rússia, ainda nos mostra um modelo “antigo” de tentativa de dominação de um país em função de fronteiras físicas e superioridade numérica em termos de tanques, soldados e armas (até atômicas). Uma guerra que talvez esteja fadada a ser a última (quem dera!) com esse formato, já que territórios dominados vão valer cada vez menos em relação à inteligência e à tecnologia.

Nessa guerra, o que vemos são bombardeios atingindo prédios civis residenciais, comerciais e até hospitais. Milhões de ucranianos abandonando seu país, crianças, mulheres e idosos sendo atingidos. Tanques russos pesados cercando. Inaceitável!

O mundo da Internet, assim como o do Metaverso, não é esse mundo puramente físico onde as coisas acontecem dentro das regras. leis e fronteiras de cada país. Tudo acontece na “nuvem” e nas suas interconexões.

Elon Musk colocou no ar uma rede de satélites exclusivos possibilitando quem não apenas seus clientes, mas também o povo ucraniano, continuasse tendo acesso a informações do dia a dia da guerra. E as fronteiras?

As leis atuais não impedem guerras e nem conseguirão regular o Metaverso. Medidas novas, nos dois casos, terão que ser supranacionais. Já está em tempo de percebermos que as legislações que consideram o território físico, seja para o cometimento de crimes, penalização de criminosos, aspectos legais, tributários ou trabalhistas, já deveriam estar sendo discutidos nos diversos fóruns internacionais.

Problemas desse tipo teriam que ser tratados em um nível global pelos países. Só assim, os Telegrams e Putins da vida poderiam respeitar e atuar dentro de limites razoáveis. Centenas de empresas saíram da Rússia porque sabiam que seus clientes no mundo todo iriam apoiar (mundo ESG).  Dezenas de países e entidades criaram punições, bloqueios e banimentos. Mesmo se a Rússia “ganhar”. Já perdeu! No Metaverso, será similar.

Temos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs) da ONU para 2030, que equacionam os grandes problemas mundiais. Talvez deva-se incluir um ODS18 que acabe com possibilidade de guerras.

Oito anos também é um horizonte razoável para um Metaverso mais completo, onde, além de visão e audição, o tato (certamente) e talvez olfato e paladar já estejam disponíveis de modo simples, fácil e confortável.

Em 2030 não poderão mais existir problemas de fome, educação, saúde e habitação. Conectividade total é a palavra de ordem. Os custos de comunicação e acesso ao Metaverso serão irrisórios. Produtividade total na agricultura, comércio, indústria e serviços. Renda mínima garantida. Trabalho pesado só com máquinas. Carga horária menor no trabalho.

Para que essa visão aconteça, as leis precisam ultrapassar fronteiras, aqui e no Metaverso. Movimentação livre e acordada em todas as direções.

Se for assim, guerra? Por que? Pra que?

 Paulo Milet –  consultor em gestão, Inovação e EaD,  Presidente do Conselho de Educação da ACRJ,  Diretor da RioSoft e TI-RIO. Formado em Matemática pela UnB, com pós em Administração Pública  pela FGV e Founder  da ESCHOLA.COM.

As empresas que não se adaptarem ao mundo pós covid-19 irão se “desintegrar” no Mundo Corporativo

Autor: Theonacio Lima Jr.

 

A pandemia de Covid-19 representou uma das maiores emergências de saúde da história recente. Foi capaz de provocar grande mal-estar, não apenas na área da saúde, mas, em todas as esferas sociais.  Emergiu a necessidade de enfrentar diferentes adaptações, muitas vezes, quase às cegas.

As instituições de ensino, por exemplo, necessitaram se reinventar, cuja repercussão gerou o desafio de se criar uma rápida familiaridade com os contatos remotos e com as plataformas digitais. Restaram desconfianças referentes aos efeitos teoricamente preocupantes sobre as qualificações dos discentes e sobre a formação continuada dos docentes.

Sutilmente tudo modificou. A repercussão da desordem provocada pela pandemia, acelerou o ciclo de aprendizagem e mudou todos os planos de ensino, não sendo possível mensurar, os prejuízos cognitivos gerados nos educandos e os desgastes profissionais enfrentados por professores, devido à falta de estrutura de tecnologias e materiais didáticos correspondentes.

As significativas consequências do Covid-19 atingiram em cheio o mercado global com grandes impactos, devido as medidas de isolamento, proibições e restrições adotadas. A humanidade não estava preparada para lidar com mudanças tão severas e suas realidades decorrentes, sobretudo, no mundo dos negócios.

 Estamos vivenciando os reflexos pós Covid-19 mais especificamente observa-se o universo digital que impôs à sociedade algumas qualificações a curto prazo, e que alterou a forma de transmissão do conhecimento, com repercussões evidentes nos modelos de empregos, nas forma de produtividade e nas políticas de negociação. Restou um caminho adaptativo que unifica um modo de vida presencial, ao modo de vida remoto.

Os desdobramentos da pandemia de Covid-19 no âmbito organizacional vem obrigando o redesenho de modelos de gestão que já ofereciam, para algumas empresas, certo grau de dificuldade para planejar, organizar, dirigir, controlar e alcançar bons patamares de excelência e eficácia.

Ocorreu uma necessidade premente de se promover adaptações na Gestão de instalações, Gestão de pessoas, Gestão de relacionamento com os clientes e, principalmente, na Gestão de Processos e Tecnologia. Esse cenário ainda se soma às incertezas da gestão administrativa, financeira e comercial das empresas, que deixou uma margem não só para adaptações, mas, para sair do fosso que sorveu muitas organizações menos preparadas.

Diferentes foram as decisões adotadas por pequenas, médias e grandes empresas na batalha para manter as suas portas abertas. Mas, além de vidas humanas, o Covid-19 conseguiu ceifar muitos negócios. Bem como, houve necessidade de fazer demissões de pessoal, mitigar despesas e, especialmente, fazer adesão ao e-commerce.

Mesmo diante de um cenário incerto, começou a corrida para empreender pela internet, que traz em seu pacote, a necessidade de aquisição de softwares, aplicativos, ferramentas e suporte técnico, essa ação vem sendo desafiadora para muitas empresas. Porém, os empreendimentos pela internet cresceram exponencialmente, tornando-se uma ação segura e mais econômica para aqueles que nela investiram.

Empresas físicas e seus vários colaboradores foram sendo substituídos, por um servidor competente e colaboradores providos de qualificação para operacionaliza-lo, com consequente redução de despesas e aumento de lucro.

O mundo dos negócios no pós Covid-19 vem levando micro, pequenas e grandes organizações a marcarem as suas presenças no ambiente on-line. Muitas empresas tiveram que se reinventar para encontrar recursos digitais e prosseguir com o atendimento ao cliente.

Velhos e novos empreendedores devem estar alerta a serem mais atuantes e buscarem ações inovadoras para se manterem ativos no mundo dos negócios, não é possível fazer uma previsão do futuro, a própria pandemia do Covid-19, será por muito tempo um exemplo disso.

Até os modelos de governança corporativa e atividades de Conselho de Administração tiveram que se adaptar, e suas ações foram constitucionais para as organizações enfrentarem a crise. Comumente, os conselhos compareciam esporadicamente na atuação dos empreendimentos. Mas, durante a pandemia de Covid-19, Conselhos se reuniram frequentemente para debater estratégias emergenciais e garantir a sobrevivência do empreendimento.

A acomodação de gestores e líderes tornou-se uma postura aventureira, a resiliência provou ser a pedra angular dos empreendimentos, desde que a vigilância não se canse de despertar para a busca constante de novas informações e novas tecnologias, que mostraram-se firmes no enfrentamento da crise causada pela pandemia.

Em presença dos desafios impostos por esses novos modelos de gestão, a estratégia mais eficaz é enxergar alternativas para não se “desintegrar” no mundo dos negócios e ser capaz de se inserir neste novo mercado de trabalho. O que requer estar aberto para mudanças, refletir periodicamente se a empresa está preparada para enfrentar outros tipos de crises, analisar quais medidas devem ser tomadas para se manter mesmo que, minimamente prevenida, para enfrentar qualquer tipo de crise capaz de afetar a estrutura do negócio.

Resta claro que no auge da pandemia, em tempo recorde, as empresas tiveram que realizar profundas mudanças em suas práticas e políticas organizacionais. De agora em diante, incumbe as lideranças refletirem sobre a institucionalização das medidas que deram certo, a fim de criar novas estratégias e tornar mais robusto o propósito organizacional.

A TAVTEC Tecnologia está apta a auxiliar toda e qualquer empresa que precisar de auxílio. Não importa o segmento e nem a área de atuação, pois mais especifica que seja, somos seu Amigo Virtual. Conte com nossa experiência e eficácia nos resultados.

 

Theonácio Lima Júnior

Diretor – TAVTEC Tecnologia

 

Tendências em Educação e Trabalho. Os empregos vão acabar?

Autor: Paulo Milet

Todos estão falando nas mudanças que estão chegando e muitas delas provocadas pela própria pandemia.

Mas na maioria das vezes, percebe-se um certo medo ou insegurança, em relação aos empregos, quando pelo contrário, penso que vivemos uma grande oportunidade.

Quais foram os efeitos disruptivos (e “benéficos”) da pandemia na economia? O principal deles foi o TELETUDO. Tele trabalho, tele educação, tele saúde, tele justiça, tele congresso…, muitos desses impensáveis apenas 3 anos atrás. Reuniões online dos ministros do STF; Reuniões de CPI à distância; Consultas médicas que eram proibidas (!); Programa de renda mínima improvisado….

Deu pra perceber a oportunidade? Vamos pensar em uma lista de áreas de trabalho/ aplicação, na coluna da esquerda e cruzar essas áreas com pelo menos 10 tipos de tecnologias, na coluna da direita , como no quadro abaixo.

Nessa combinação acima, que não se esgota, temos 200 novas possibilidades de cruzamento de áreas  x tecnologias e que certamente vão gerar milhões de novos empregos e trabalhos!

Complete a sua própria lista. Inclua novas áreas e tecnologias. Lembre também do 5G, da web 3.0, do metaverso e das nanotecnologias.

Mas não dá pra aproveitar essas oportunidades  sem educação, formação, qualificação. Então nossa prioridade total deve ser o que aprender, como aprender, como aprender mais rápido, como aprender  fora da escola, como aprender ao longo de toda a vida?

Quando pensamos em educação pensamos em escolas e em salas de aula, mas de todos 210 milhões de brasileiros, menos de 60 milhões  estão em salas de aula.

Os outros ainda não entraram ou já saíram. Muitos não finalizaram os estudos ou largaram no meio e ninguém fala neles. São mais de 80 milhões aqueles que abandonaram os estudos no meio do caminho. A evasão no ensino superior é maior que a dois milhões  de alunos por ano. No ensino médio,  em torno de um milhão.

Esses alunos nunca retornarão para uma sala de aula convencional, então precisamos rápido de outras formas de aprendizagem. O estudo à distância está ai mesmo provando que funciona e podemos pensar agora na formação de milhões de pessoas de forma online, naquelas mais de duzentos cruzamentos do quadro acima. Quantas oportunidades de trabalho e empreendimentos podem e serão gerados?

O desafio  está colocado:

O país precisa de mais qualificação, mais escolaridade, mais empregos e trabalhos, mais mão-de-obra, mais renda, mais inteligência, mais e maiores empresas, mais empreendedores. E muito mais Conectividade!

A Tecnologia viabilizou o aprendizado: anytime, anyplace, ritmo próprio, personal, social, baixos custos, qualquer mídia, lifelong, permanente.

Os Métodos convencionais vão demandar 30 anos para atingirmos o estágio atual dos países desenvolvidos. Dá pra esperar?

No próximo artigo vou abordar os dois ODSs (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) da ONU para 2030 que tratam de Educação e Trabalho, as Tecnologias Educacionais que poderão ser úteis e também vamos saber o que é Heutagogia e Metacognição. E não podemos esquecer dos aspectos legais, tributários e trabalhistas que vamos ter que enfrentar.

 

Paulo Milet  – é consultor em gestão, Inovação e EaD,  Presidente do Conselho de Educação da ACRJ, e VP do Conselho de Inovação. Formado em Matemática pela UnB, com pós em Administração Pública  pela FGV e Founder  da ESCHOLA.COM.

 

 

O que Leonardo da Vinci pensa sobre o Metaverso?

Autor: Paulo Milet

 

Com todo esse movimento e discussões sobre as mudanças vislumbradas para os próximos anos com o METAVERSO, e uma nova visão impactando a “realidade”, fiquei curioso para conhecer a opinião de um dos maiores especialistas em artes e tecnologia da história.  Assim, consegui (PM) uma entrevista inédita com Leonardo da Vinci (LV) sobre essa novidade, que preconiza que vamos poder “entrar” no Metaverso, e que lá, poderemos andar, correr, viajar, construir, criar, comprar, estudar, trabalhar, brincar e conviver com pessoas de todas as partes do mundo (ver artigo meu anterior).

Veja abaixo a entrevista.

(PM) Bom dia Leonardo! Gostaria de conversar um pouco com você que habita atualmente esse universo esotérico paralelo ao nosso e quero saber o que você acha desse tal de Metaverso que o pessoal está inventando. Será que vai dar certo?

(LV)  “Tudo que está no plano da realidade já foi sonho um dia”.

(PM) Mas existem muitas críticas. Muitos acham que pode ser uma fuga da realidade ou então usado para o mal.

(LV) “Se o pintor deseja ver belezas que o encantem, está em seu poder criá-las, e se deseja ver monstruosidades assustadoras, ridículas ou verdadeiramente lamentáveis, ele é o senhor e Deus delas”.

(PM) No Metaverso você vai poder andar, correr, reunir, mergulhar e até testar seus inventos, o helicóptero, o paraquedas, voar…

(LV)  “Depois de experimentar o vôo, você caminhará para sempre pela terra com os olhos voltados para o céu, pois lá esteve e sempre desejará retornar”.

(PM) Um ponto chave são os sensores em todo o corpo e nas roupas, botas, óculos, pulseiras e assim poderemos sentir tudo no Metaverso.

(LV)  “Os cinco sentidos são os guias da alma “, mas ” A função do músculo é puxar e não empurrar, exceto no caso dos órgãos genitais e da língua”

(PM) Mesmo? Espero que eles tenham pensado e estudado isso bastante.

(LV) ” Quem pensa pouco, erra muito” e “Pouco conhecimento faz com que as pessoas se sintam orgulhosas. Muito conhecimento, que se sintam humildes”.

(PM) Então esses que criticam devem experimentar antes de criticar?

(LV) “A experiência nunca falha, apenas as nossas opiniões falham, ao esperar da experiência aquilo que ela não é capaz de oferecer” e, de todo modo, ” Há três tipos de pessoas: as que vêem, as que vêem quando lhes é mostrado e as que não vêem”.

(PM) Será que vai ser bom para a Educação? Para aprender? Você mesmo poderia ensinar desenho, pintura, escultura, arquitetura, ciência, música, matemática, engenharia, literatura, anatomia, geologia, astronomia, botânica e cartografia para milhares de alunos e ainda testar seus inventos…

(LV)  “Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende”. “O prazer mais nobre é a alegria de compreender”.

(PM) Será bom ficar conectado desse modo? Lá dentro do Metaverso?

(LV)  “Princípios para o desenvolvimento de uma mente completa: Estude a ciência da arte. Estude a arte da ciência. Desenvolva seus sentidos – especialmente aprenda a ver. Perceba que tudo se conecta a tudo o mais”. ” Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. “

(PM) Fico pensando quanto você iria ganhar em NFTs com seus quadros e pinturas geniais!

(LV) “A mais nobre paixão humana é aquela que ama a imagem da beleza em vez da realidade material. O maior prazer está na contemplação”.

(PM) Os projetistas, desenvolvedores e criadores desses ambientes do Metaverso são artistas, poetas, pintores como você. Não?

(LV) ” A pintura é a poesia que é mais vista do que sentida, e a poesia é a pintura que é mais sentida do que vista. O pintor tem o Universo na mente e nas mãos. O artista vê o que os outros apenas vislumbram “. “O gênio do pintor há-de se apossar de todas essas coisas para criar composições diversas: luta de homens e de animais, paisagens, monstros, demônios e outras coisas fantásticas. Tudo, enfim, servirá para engrandecer o artista “.

(PM) Isso vai gerar muito trabalho e novos empregos. Tanto para os que constroem os equipamentos (hardware) quanto para os que desenvolvem as soluções (software), não acha?

(LV)” Se o corpo parecer para você como algo maravilhosamente construído, lembre-se que não é nada em comparação com a alma que mora dentro dele e que é uma coisa divina”.

(PM) Mas os críticos não vão descansar, né? Mesmo sem compreender o que é isso.

(LV) ” A aquisição de conhecimento é sempre útil para o intelecto, porque pode assim expulsar as coisas inúteis e reter o bem. Pois nada pode ser amado ou odiado a menos que seja conhecido primeiro”. ” É um fato reconhecido que percebemos erros no trabalho dos outros mais prontamente do que no nosso”.

(PM) Eu trabalho com Educação a Distância e Tecnologia e acho que vou gostar de trabalhar com /no Metaverso.

(PV) “Que o teu orgulho e objetivo consistam em pôr no teu trabalho algo que se assemelhe a um milagre “. Mas estude bastante, pois “Os que se encantam com a prática sem a ciência são como os timoneiros que entram no navio sem timão nem bússola, nunca tendo certeza do seu destino”.

(PM) Pois é, vamos aprender! Pensar bastante. O tempo urge!

(LV) “O tempo dura bastante para aqueles que sabem aproveitá-lo”.”O dia em que nada aprendi, foi um dia não vivido”  e “Quem pensa pouco erra muito …”

(PM) Leonardo, obrigado pelo papo. Quem sabe nos encontraremos no METAVERSO? Bom retorno! Grande Abraço.

 

Paulo Milet é consultor em gestão, Inovação e EaD,  Presidente do Conselho de Educação da ACRJ, formado em Matemática pela UnB, com pós em Administração Pública  pela FGV e CEO da ESCHOLA.COM.

Você ainda não sabe o que é METAVERSO? É bom aprender…

Autor: Paulo Milet

 

Nos últimos tempo, a expressão METAVERSO tem começado a aparecer com mais frequência nas notícias do dia-a-dia.

Inicialmente entre aqueles mais interessados em Games. Logo depois naquelas noticias envolvendo Mark Zuckerberg e o FACEBOOK.

Zuckerberk diz que o futuro da Internet é o METAVERSO, resolveu investir 50 milhões de dolares pra começar e até definiu que o novo nome da holding que controla o FB, Instagram e Whatsappp será META!

Nas afinal, o que é Metaverso?

A expressão parece ter surgido em um conto de 1992, do escritor Neal Stepheson que criou o conceito de um Universo paralelo, só existente e visível para os óculos especiais do herói da história.

Mas a ideia atual é bem maior do que essa. Alguns games já com 20 anos, como o “Second Life”, tentaram implementar um mundo similar a esse na internet, onde as pessoas poderiam ter um clone seu e viver em um ambiente paralelo (daí o nome second life).

Várias empresas estão pensando( e agindo) na direção do Metaverso. Google, Apple, Amazon, Microsoft, Roblox, Epic Games, e muitas outras já estão com projetos envolvendo as tecnologias que se cruzarão no Metaverso. Realidade Virtual e aumentada, Internet das coisas,  Sensores e simuladores, vestíveis de todos os tipos, Inteligencia artificial, robótica, blockchain, clones e muito mais. Com o 5G e logo depois o 6G muita coisa que está no papel, vai virar realidade (ou Meta realidade).

Mas vamos parar de falar em tecnologias incompreensíveis e vamos ver na prática como isso poderia funcionar?

Começamos vestindo nossas roupas coladas no corpo como a de um mergulhador, só que bem leves e confortáveis, com óculos e capacete especiais e com sensores em cada centímetro do corpo. Entramos na sala ou quarto da nossa casa, especialmente recauchutados e preparados e subimos em algo como uma esteira de caminhada 360 graus.

E aí a vida (ou meta vida) explode!

Começamos entrando no METAVERSO num domingo e nos dirigindo ao Maracanã, onde está sendo realizado um jogo do Flamengo. Assistimos ao jogo (vitória do Mengão!)e na saída resolvemos que a partida do Lakers pela NBA em Los Angeles, que começa em 5min merece ser vista e seguimos pra lá com a velocidade do pensamento.

E depois do Lakers? Que tal um jantar em Paris? Aí voce se encontra com sua esposa que estava no teatro em Times Square (na verdade ela está em Brasília) e com um casal de amigos (ele mora em São Paulo e ela em Buenos Aires) e se reunem em um restaurante bem simpático ali bem perto do Arco do Triunfo. Pedem o cardápio e escolhem os melhores pratos.

Mas como saborear no Metaverso? Não tem problema. Em 30min, um drone na sua janela (e nas janelas dos outros 3) faz a entrega dos pratos pedidos. As redes internacionais de distribuição fazem o casamento do mundo real com o Metaverso.

Mas, vamos em frente!

No dia seguinte (a noite anterior foi ótima! Afinal os sensores estão em cada centímetro do corpo), uma segunda feira, vamos trabalhar.

Reunião na Paulista em Sampa com toda a Diretoria no vigésimo andar. (cada um dos diretores está na verdade em uma cidade diferente em paises diferentes, mas todos estão se vendo e conversando como se estivessem no mesmo recinto).

Depois da reunião, não posso perder aquela aula sensacional no MIT, junto com mais 320.000 alunos interessados naquele tema.

Entre a reunião em Sampa e a aula em Boston, aproveitei pra fazer uma consulta geral com meu médico que estava naquele momento nas Bahamas. Ou seria em Cingapura?

Continuei  as atividades encontrando com minha filha e netas dando beijos e abraços apertados e descendo em uma montanha russa na Disney.  A “turkey leg” especial, voces já sabem, veio por drone. Mais cedo as meninas tiveram aulas de “machine learning” no vale do silicio e visitaram as pirâmides no Egito.

A semana foi bem cheia. Ainda teve um show de Paul McCartney em Milão, aliás, em dupla com Jonh Lennon. Porque não? Foi um sucesso! Platéia com 60.000.000 de beatlemaniacos!

E então? Deu pra pensar e sonhar com o Metaverso?

Quase ia esquecendo: Tudo foi sendo pago com metamoedas aceitas em todo o Metaverso e fora dele também.

Ficou mais claro? Tudo que voce faz hoje na Internet (buscas, pesquisas, compras, estudo, trabalho, conversas, jogos…) vai continuar fazendo dentro do Metaverso, só que “presencialmente”!

E os problemas do mundo real? Foram resolvidos?

Só não serão se não quisermos. Não poderão mais existir problemas de educação e saúde. Os custos de comunicação e acesso ao Metaverso serão irrisórios. Produtividade total na agricultura e alimentação. Renda mínima garantida. Trabalho pesado só com as máquinas.

Certamente o Zuckergerg não pensou em tudo isso, mas nós temos que pensar.

E os limites? E as leis? E as fronteiras? E os impostos? E as empresas? E os governos? E os paises? E o ar e a água?

E o mais importante: E as pessoas? Vão estar mais felizes? Ou seria Metafelizes?

 

Paulo Milet –  Formado em Matemática pela UnB e pós graduado em adm. pública pela FGV RJ – Pres. Conselho de Educação da ACRJ. Consultor e empresário nas áreas de Tecnologia, Gestão e EaD. Sócio Fundador da ESCHOLA.COM.

 

Olá, Mundo Novo!

Autor:  Hawan Moraes

 

Terra à vista! Terra à vista!

Imagine a alegria do capitão e seus marujos ao bravejarem: “Terra à vista!” Após meses em alto mar, descobrindo e buscando novas terras e sem saber se chegariam ao seu destino – ou a algum destino pelo menos. Avistar a terra firme significava uma segurança, mas significava também incerteza: como seria a vegetação? Animais selvagens? Existiriam nativos? Hostis ou receptivos? Claro, existia uma grande excitação e euforia. Assim como existia também um medo e muitas dúvidas.

Semelhante a chegada em terra firme, é a alegria de ver um momento turbulento passar. Semelhante às dúvidas e medos sobre a nova terra, são as incertezas do novo momento que viveremos. Ainda não chegamos ao fim da pandemia – e talvez ainda falte um certo tempo. Porém, já é possível avistar e declarar qual a “terra à vista” do momento: mundo digital.

Para alguns, já podem se considerar nativos digitais, entretanto, para muitos e muitos empresários, esse é o Mundo Novo que precisa ser desbravado, explorado e, finalmente, conquistado. Ok, tudo mudou. Isso todos já sabemos e decoramos esse discurso. A questão é: e como vai ser então? Como será a vida na nova “terra firme”.

Varejo digital é parte fundamental

Colocado há tempos como tendência por muitos gurus, para outros uma realidade e para vários uma ameaça. É bem verdade que o varejo digital assustou e ainda gera temor em muitas empresas. Porém, daqui em diante, os navios que quiserem chegar em alguma terra firme, terão que desembarcar nesse mundo. A outra opção: permanecer em alto mar à deriva – não me parece uma boa condição.

Os clientes mudaram e quem quiser vender para o novo consumidor precisa seguir o mesmo caminho. Após passar meses dentro de casa, diversos paradigmas foram quebrados. Um dos principais: não é possível comprar itens de supermercado à distância. Existia um certo medo: será que os produtos corretos serão escolhidos? Será que minhas frutas virão no ponto que quero? E as minhas verduras, serão as mais vistosas disponíveis?

Crescimento de 180%

A verdade é que o segmento aumentou em 180% o volume de pedidos entre Março e Dezembro, segundo a AbComm. Nada como a necessidade para nos fazer repensar nossas barreiras mentais, não é mesmo? Acontece que mesmo os supermercados não enfrentando regras de fechamento, os clientes estavam assustados e optaram por testar a nova modalidade.

O Mercado Livre, maior marketplace da América Latina, decidiu entrar nessa tendência e viu seus números atingirem 3,5 Milhões de usuários só em supermercados. O Meli (Mercado Livre) realiza entregas em até 24 horas nas principais cidades do país e em 80% do Brasil as entregas são feitas em até 48 horas.

Mudança de paradigma

É fácil entendermos alguém comprar um iPhone, um notebook ou até uma geladeira online. Afinal de contas, são itens padrão e o que vai importar mais é o preço baixo. Agora, e aí está a grande mudança, quando o consumidor passa a comprar itens de necessidade básica de forma online, o que ele não pode comprar em lojas virtuais agora? Se até o arroz e feijão tão amados, as frutas e verduras, os embutidos que possuem peso e preço variáveis, podem facilmente ser selecionados em um ecommerce, o que é que não pode ser comprado online?

Hoje ainda temos uma certa resistência a comprar online itens com valores mais altos, exemplo, carros. Em contrapartida, vemos a Tesla, a montadora mais valiosa do mundo em 2020, nos Estados Unidos que foca grande parte das suas vendas no digital. Será que após comprar a carne para o churrasco do finalmente de semana, o cliente não pode escolher e até pagar online pelo seu carro novo? Antes de responder: pense em tudo que antes você imaginou que não podia ser comprado online e hoje a venda é comum.

Marketing digital é pedra angular

Para desbravar e conquistar esse novo mundo, é preciso dominar o marketing digital. Grande parte disso está relacionado com as redes sociais. Quem pensava que Instagram e TikTok eram coisas de adolescentes sem ter o que fazer, com certeza deixou muito dinheiro na mesa. Quem ainda pensa, está deixando muito mais dinheiro escapar para os concorrentes.

Ter um olhar profissional e voltado para aproveitar as oportunidades nas mídias sociais é uma parte extremamente estratégica. Não basta fazer publicações, muitos menos se forem aleatórias e desconexas. É necessário planejamento, programação, foco e, principalmente, constância. Esse último talvez seja o motivo da maioria das empresas não conseguirem resultados.

Nada é conquistado nas redes sociais sem constância. A lógica é simples: é uma rede de contatos, de relacionamento. Pense: consegue ser amigo ou confiar em alguém que só surge quando quer algo em troca? Quando quer te vender algo? É claro que não é possível criar uma conexão com alguém assim. O mesmo vale para o Instagram e outros meios: os usuários só irão consumir da sua marca após se relacionarem, se engajarem, confiarem nas suas promessas. O consumo é uma consequência, não um objetivo inicial ou até um fim em si mesmo.

Operações eficientes são as únicas sobreviventes

Assim como um navio furado não conseguiria ir muito longe, chegar em terra firme e não ter qualidade também não trará resultados. A verdade é simples e única: não há espaço para desperdícios. Cada movimento estratégico, cada investida e inclusive a rotina do dia a dia precisa ser eficiente.

Operações enxutas se destacavam antes, agora são as únicas capazes de sobreviver e prosperar. Para definir um mantra para o mundo novo: ser digital, ser enxuto. Ser DIGITAL, ser ENXUTO. Está aí a tal fórmula mágica para o sucesso nessa terra firme.

 

Hawan Moraes – especialista em modelagem de negócios e desenvolvimento de grandes marcas para o mercado de E-commerce. É sócio fundador da Simples.

 

Nada é Impossível Charlie

Autor: Marcio Cerbella

 

Estava assistindo novamente a 2ª versão do filme “A Fantástica Fábrica de Chocolate” (Charlie and the Chocolate Factory – adaptação do livro – 2005) e fiquei encantado com a força de algumas frases (8,5) e por isso resolvi dividir essa reflexão com nossos leitores, a começar pelo título do post:

1) “Nada é impossível Charlie” dita por uma de suas avós.

Essa é uma frase relativamente comum, mas o que podemos fazer para transformá-la em realidade, principalmente, quando a lógica e os fatos a tornam aparentemente impossível?

Uma vez ouvi dizer que quando pensamos alguma coisa e de alguma forma a visualizamos, podemos construi-la ou conquistá-la, e cada vez mais acredito nisso… Portanto algo só se torna impossível quando paramos de acreditar e de agir para que se transforme em REAL.

Devemos seguir o exemplo do Charlie, que buscou o conhecimento (pelo avô) recebeu com alegria as poucas chances, que tinha, aproveitou as oportunidades esperadas e não esperadas, analisou os fatos e principalmente respeitou valores como moral, ética, respeito, solidariedade e família. Apesar de ser ficção, as atitudes do Charlie diante do fantástico mundo do exótico Willy Wonka fazem parte das principais características comportamentais empreendedoras!

2) Existe muito dinheiro por aí e imprimem mais a cada dia, como você pode trocar uma coisa tão comum como o dinheiro por seu bilhete dourado?

E não é isso que fazemos o tempo todo? Trocar dinheiro por nosso bilhete dourado… E leia-se por bilhete dourado, nossas convicções, nossos valores nossas idéias, etc… Será que vale a pena? Você pode mais!

2,5) Você é burro? Não, então tire a lama das calças.

Se respondemos não a essa pergunta, é porque estamos dispostos a manter nosso bilhete dourado e transformá-lo no que for preciso para tornar o nosso presente ainda melhor! E aí é só uma questão de tirar a lama das calças e sair do lugar, para transformar sonhos em realidade e idéias em solução!

3) Nunca deixe se instalar a idiotice no seu lar!

Nem no seu negócio, ou trabalho! Não podemos permitir que passa tempos fúteis roubem o nosso tempo e os nossos propósitos. Basta pensar um pouquinho para verificar isso, e evitar esse hospede inesperado!

4) Para cima e além!

Sempre quis falar isso, melhor continuo querendo, mas agora já comecei a subir, e o complicado está sendo não parar, pois ainda existem o medo a insegurança… Bom mas já aprendi a me defender, a usar os truques que motivam e não me deixam parar (pesquisa, conhecimento, contatos, atitude, diversão, etc.).

5) Mas é feito de vidro, vai quebrar em mil pedaços!

 

(elevador de vidro)

Bom, mas apesar de ser de vidro posso ter outras soluções, inovações… o vidro pode ser inquebrável, o elevador, pode ter um jato acoplado, ou estar ligado a um trilho seguro….

Também poderia ter saído do elevador antes de ir para cima e além!

Mas como já dizia o Prof. Pachecão:

“O mundo é dos loucos, Uhrruuuuhhhh!”

6) Eu não deixaria minha família por nada, nem por todo chocolate do mundo!

Isso é certo, e voce?

7) Voce está certo do que quer?

Só sei que se eu tiver essa certeza, não será a toa, nem por prepotência, e aí não tem IMPOSSÍVEL(não é Charlie?)

8 ) O que faz voce se sentir melhor quando está péssimo?

– A família, eles só exageram na hora de proteger, porque amam voce!

SIM! Entenda isso e voce terá sempre soluções no lugar de problemas!

Bom, peço desculpas por meu momento Willy Wonka, e espero que esses devaneios sejam úteis para todos de alguma forma!

Kai, Ubuntu, Waka, abraços e sorrisos.

Kai: “Kai é realizar tudo que se sonha, é vida ética, baseada em princípios de nunca fazer o mal, sempre fazer o bem e o bem a todos os seres.”

Ubuntu: palavra do dialeto de uma tribo africana que significa “todos somos um” sugerindo uma ideia de humanidade e respeito nas relações.

Waka: “fazer algo mesmo quando estamos andando”

Márcio Cerbella Freire  –  Diretor de Sorrisos da EMECF Educação Empreendedora, feliz, Master Coach, Analista de Sistemas, Pedagogo, Pós Graduado em Psicopedagogia e em Empreendedorismo e Inovação (UFF), Empreteco, Consultor, conteudista e instrutor credenciado do SEBRAE.

 

Café: uma Paixão Mundial!

Autora: Elisângela Vitoriano Pereira Kneipp

 

Segunda bebida mais consumida no mundo, perdendo apenas para a água. Presente em quase todos os lares, fazendo parte do dia a dia e dos momentos mais especias!

Mas, você sabia que os cafés não são iguais?

Você sabe a diferença entre um café tradicional/extra forte em relação a um café especial? ⁣⁣

⁣⁣O café tradicional e o café extra forte são aqueles que utilizam uma matéria prima com muitos defeitos e impurezas e que são extremamente torrados. ⁣⁣A torra excessiva, aliada com uma matéria prima ruim, traz um sabor bastante amargo ao café, além de um aroma característico. Assim, a maioria das pessoas adicionam bastante açúcar para conseguirem tomar esse tipo de café. ⁣⁣

Já o CAFÉ ESPECIAL é aquele que preconiza uma qualidade máxima da matéria-prima e criterioso controle do ponto de torra para preservação dos compostos benéficos, das características naturais do café: aquele sabor e aroma inconfundíveis! ⁣⁣Além disso, o café especial passa por um protocolo sensorial, onde são analisados 10 atributos que recebem uma nota. Para ser considerado especial, o café tem que atingir o mínimo de 80 pontos. ⁣⁣

Falando um pouco mais da qualidade da matéria-prima, é importante ressaltar que café é um alimento e, como tal, é imprescindível que se garanta que seu consumo seja seguro à saúde. Deste modo, entende-se que no café cru, que será torrado, por exemplo, não tenha grãos que foram atacados por fungos ou, por pragas, como a ‘broca do cafeeiro’. Assim, os eventuais cafés brocados – ‘furados’ pelo inseto – devem ser retirados para que a qualidade da bebida não seja prejudicada. Isso sem falar nas inúmeras substâncias/impurezas que podem estar presentes e, ser muito prejudiciais à saúde, algumas até com potencial carcinogênico.

Infelizmente, o mais preocupante e o que merece ser ainda mais divulgado é que, muitas empresas utilizam-se de uma torra escura para mascarar/esconder justamente estes defeitos e impurezas e pior, vendendo um café torrado e moído a preços super convidativos, buscando atrair grande número de clientes. Mas, o barato pode sair muito caro, especialmente para a sua saúde. Atente-se a isso e faça escolhas mais conscientes a partir de agora.

Uma boa notícia é que o mercado brasileiro de cafés especiais está em franca expansão, ou seja, o consumo deste tipo de café está crescendo cada dia mais, atrelado à uma produção também crescente.

Se você ainda não teve a oportunidade de conhecer/apreciar um delicioso café especial, fica aqui o convite: venha conosco e mergulhe também neste universo! Nosso país é rico em importantes regiões produtoras de grãos que darão origem a bebidas incríveis, doces e com várias outras nuances sensoriais que vão lhe impressionar.

E por fim, deixo mais um convite pra você conhecer o NOSSO CAFÉ ESPECIAL, uma marca que surgiu neste ano com o propósito de entregar os melhores cafés! Compramos cafés especiais de diferentes origens, depois fazemos a torra, moagem, embalagem e distribuição. Tudo feito com muito cuidado e respeito aos produtores, que se dedicaram imensamente nesta missão de produzir grãos de café de qualidade, e respeito aos nossos clientes, buscando sempre entregar o melhor para a melhor experiência… Sim… Beber um café especial é uma grande experiência que você precisa viver!

Com  carinho!

 

Elisângela Vitoriano Pereira Kneipp – Mestre em Ciência dos Alimentos pela Universidade Federal de Viçosa. Proprietária do Nosso Café Especial; cafés especiais selecionados para você e seu negócio! – 🌐www.nossocafeespecial.com.br

 

E se a INTERNET existisse antes de ADÃO e EVA?

Autor: Paulo Milet

 

 “No princípio Deus criou os céus e a terra.”

Em seguida criou a INTERNET!

“Então o Senhor Deus for­mou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego de vida, e o homem se tornou um ser vivente.”

“Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou;
homem e mulher os criou.”

Deus os abençoou e lhes disse: “Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra! Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem pela terra”.

Dominem a INTERNET e coloquem nela todo o conhecimento que a humanidade gerar. Comuniquem-se com todos, em todo lugar, todo o tempo! Sempre com informações verdadeiras! Cada ser humano vai ter no seu cérebro uma Célula Humana Inteligente Permanente (CHIP) para permitir essa comunicação.

A partir daí o ser humano individualmente e a humanidade coletivamente se desenvolveram, e um mundo completamente diferente do atual foi criado!

Todo conhecimento gerado era imediatamente compartilhado;

Todas as ciências e tecnologias cresciam exponencialmente;

Pessoas de todos os lugares compartilhavam imediatamente as mesmas informações;

Moisés, de posse do primeiro  “tablet”, disseminou rapidamente as Leis e nem precisou das 10 pragas.

Hermes Trimegisto foi um dos primeiros influenciadores: Tanto em cima quanto em baixo, tudo é energia, tudo vibra, o mundo é um TODO. Conectando o Egito e a Grécia. Assim esse conhecimento não ficou Hermético e foi disseminado…

Buda concorda: “Se vocês atingirem a sabedoria transcendente alcançarão a satisfação. Estudem os princípios das coisas, não se apeguem às palavras. Ajam de acordo com suas palavras, e falem de acordo com suas ações”.

Sócrates, Platão e Aristóteles comunicavam-se regularmente com seus colegas na China, Índia, África, Egito e também com a turma dos Astecas, Maias e Incas. Aristóteles inclusive conseguiu fazer com que a Biblioteca de Alexandria fosse totalmente preservada e incorporasse o conhecimento das outras bibliotecas da época.

Jesus Cristo foi um dos maiores, senão o maior, dos grandes influenciadores com muitos milhões (ou bilhões) de seguidores.

E quais foram as consequências desse intenso compartilhamento de informações e conhecimentos? Algumas eu listo abaixo:

Países? Essa definição é desconhecida. Os nomes (China, Índia, Grécia, Egito…) aqui citados representam apenas locais geográficos e povos e não fronteiras e barreiras;

Línguas? Uma única, já que todos a realimentavam e todos conheciam as novas palavras e flexões imediatamente;

Raças? Apenas uma, a Humana;

Deuses? Aquele responsável por tudo que não tinha explicação de nenhum humano e sem se envolver no dia-a-dia da humanidade;

A aldeia global surgiu de imediato e não esperou milhares de anos para se concretizar;

O sentimento de proximidade e afinidade que cada um sentia em relação às pessoas mais próximas se estendia a todos porque o conceito de distância era inexistente;

Moedas? Um instrumento simbólico único de troca para facilitar a definição dos valores das coisas;

Fome? Apenas aquela sensação imediatamente antes da alimentação;

Fome mundial? Inexistente. Todas as melhores técnicas de plantio, cultivo, colheita e criação de animais eram imediatamente disseminadas;

Leonardo da Vinci? Influenciou e treinou simultaneamente milhões de alunos e cientistas em  desenho, pintura, escultura, arquitetura, ciência, música, matemática, engenharia, literatura, anatomia, geologia, astronomia, botânica e cartografia e estes fizeram 500 anos acontecer em 50. Em pouco tempo todas as suas invenções foram implementadas: o robô, o avião, o helicóptero, o saneamento urbano, o paraquedas  e todo o conhecimento sobre o corpo humano. Os primeiros drones surgiram aí.

Educação? Aprendizagem permanente ao longo de toda a vida com troca de informações a qualquer hora, em qualquer lugar e respeitando sempre o ritmo e capacidade de cada um, independente de idade;

Saúde? Remédios,  vacinas, conhecimentos, comportamentos  e tecnologias criados em conjunto, testados mundialmente e disseminados imediatamente fizeram a saúde(prevenir)  predominar sobre as doenças (remediar). Esportes e lazer permeando as atividades. Quando precisassem de consultas, a rede estava disponível com o conhecimento das melhores cabeças, acumulado e disponível;

Guerras? Não existiam países, nem fronteiras, nem fome, nem carência, nem religiões diversas. Todos sabiam todos os movimentos de todos os grupos. Guerrear porquê? Pra quê?

Governo? Uma Ágora mundial, praça virtual onde todos tomavam as decisões em conjunto;

Trabalho e Emprego? As atividades eram feitas para que cada um pudesse gerar tudo aquilo que fosse necessário para o seu crescimento. Sempre de modo prazeroso. As máquinas foram sendo criadas e inventadas para diminuir os esforços físicos. Cada um trabalhava enquanto tivesse disposição e quando não mais conseguia (perto dos 200 anos) os outros davam a cobertura necessária;

Thomas Morus, com bela amizade virtual com seu contemporâneo Da Vinci, ficou feliz ao ver implantado em todo o mundo seu modelo Utopia: ” … apenas seis horas são dedicadas ao trabalho, três horas de serviço pela manhã, almoço, duas horas de repouso, mais três horas de trabalho a tarde, e daí por fim a ceia, os utopianos vão para a cama às oito horas da noite, e dormem oito horas…”

As pessoas moravam onde preferiam, em pequenos grupos de habitação, visto que não havia nenhum motivo pra se reunirem perto dos locais de trabalho ou aprendizado, que eram a própria casa (ou qualquer lugar);

Alguns povos que por motivos ainda não entendidos perderam a conexão por alguma centenas de anos e ficaram isolados, quando reencontrados, foram vistos morando em grandes aglomerados urbanos com altos edifícios e grande dificuldade de locomoção.

Mas, assim que foram reconectados, perceberam rapidamente que o modelo de grandes cidades e transito intenso não fazia o menor sentido.

Dependendo de onde nascessem, as pessoas tinham peso, altura, cor, cabelos, tipo sanguineo, preferências e características diferentes uns dos outros, mas por força da comunicação permanente desde a infância isso não fazia a menor diferença e nem era motivo de qualquer preocupação.

Energia gerada pelo sol, pelos  ventos e pelo movimento dos rios e marés foi rapidamente adotada por todos. Combustível? Álcool de cana e de batata para os motores de Galileu, que ainda teve tempo pra descobrir os buracos negros e estudar a relatividade.

Santos Dumont e os Irmãos Wright? Trabalharam em conjunto na primeira nave que chegou a Saturno (o avião foi inventado 400 anos antes por Da Vinci)

Vida pessoal  X  Vida profissional? Não existia esse conceito. Apenas VIDA.

Eu quase ia esquecendo! Einstein aprofundou os estudos de Galileu e descobriu TUDO sobre os buracos negros. Mas não vai dar pra explicar aqui!

Problemas? Certamente vários problemas surgiram ao longo do tempo, principalmente pelos preconceitos gerados por idéias novas vistas com desconfiança:

Um grupo propôs a criação de “escritórios” onde as pessoas pudessem sair de casa de manhã e se reunir para trabalhar retornando a noite. A idéia era tão estapafúrdia que foi logo descartada;

Alguns professores   cansados de ensinar milhares de pessoas por vez, imaginaram um local onde as crianças pudessem ser agrupadas por idade, em lotes de 30, cada um com um professor transmitindo a mesma informação para todos e que já estava disponivel na INTERNET. Foram motivo de muito riso!

Alguns médicos tentaram implantar  consultas presenciais, com o argumento que o contato humano seria benéfico para o paciente, mas os Conselhos de Medicina não aprovaram principalmente com o argumento que o atendimento à distância sempre funcionou e não precisava de mudança, além do risco de contágio para os médicos.

Alguns cientistas defenderam a ideia de usar petróleo do mar e do subsolo como fonte de energia, e também a formação de grandes barragens, mas foram logo desincentivados, visto que o sol, o vento e as marés eram fontes inesgotáveis e limpas.

Esses pequenos problemas citados acima, não impediram que, em 2020, o Papa da época, Francisco, produzisse uma encíclica “Fratelli Tutti” com o objetivo de louvar o nível mundial alcançado em relação à fraternidade e à amizade social e elogiando a construção de uma sociedade que soube incluir, integrar e levantar aqueles que sofriam.

———-

Pra encerrar: o que foi diferente no relato acima em relação à evolução real até o mundo atual?

– Apenas a criação simbólica da INTERNET como elemento de comunicação entre tudo e todos!

Não dá pra pensar e sonhar? Quem sabe?

 

Paulo Milet –  Formado em Matemática pela UnB e pós graduado em adm. pública pela FGV RJ – Pres. Conselho de Educação da ACRJ. Consultor e empresário nas áreas de Tecnologia, Gestão e EaD.

 

Uma Bioquímica no RioInfo

Autora: Katia Aguiar

 

Minha relação com o RioInfo começou há 13 anos atrás, em 2008.

Sou bioquímica, iniciei vida profissional em laboratório e acabei trabalhando com negócios no setor de biociências.

Apenas para contextualizar, bioquímica é a ciência que estuda os processos químicos que ocorrem nos organismos vivos. Meu universo estava ligado diretamente à vida e suas inovações.

Em 2008 participei de uma missão prospectiva Sebrae a alguns Parques Tecnológicos em Portugal. Deveríamos visitar os modelos de processos e projetos de inovação, e à época, a maioria dos Parques Tecnológicos de Portugal eram dos segmentos de TI e Biotecnologia. Assim nos juntamos.

Não nos conhecíamos muito, mas a percepção de parcerias em negócios, a química foi fácil, se me permitem o trocadilho. Trouxemos na mala, várias ideias. Algumas foi possível implementar, outras não.

Mas o que funcionou de fato, foi a liga feita. A famosa “interatividade” tão falada no setor de TI, servia perfeitamente ao meu universo da biociência. Iniciava ali a minha aproximação com o grupo RioInfo, um dos maiores eventos de tecnologia brasileiro. Um evento já tradicional no Rio de Janeiro.

Minha constatação óbvia então, foi de que o setor de tecnologia era transversal. Teríamos a famosa “TI” para o agronegócio, para a biotecnologia, para a saúde, para energia, meio ambiente, e por ai vai. O núcleo gestor RioInfo começava a falar sobre isso.

Comecei a participar com mais atenção aos conteúdos e painéis disponibilizados no RioInfo. Claro, havia uma parte “raiz”, que não era tão próxima do meu universo. Mas vários conteúdos começaram a fazer sentido pra mim. Falavam como eu, de inovação. Começamos a realizar projetos conjuntos.

A cada ano fui me aprofundando, percebendo cada vez mais, que este universo era sim, intrinsecamente relacionado ao das Biociências e outros setores. Então cada vez mais a aproximação foi crescendo de forma natural. Orgânica.

Falava-se de tecnologia, de negócios, de formação, de sociedade. De vida.

Ao mesmo tempo, observava que poderia também colaborar um pouquinho com RioInfo, incorporando algumas características da biociência. Algumas formas de observação, linhas de inovação, de negociação.

E foi assim que me tornei, com muito orgulho, uma das Coordenadoras do RioInfo.

Recentemente percebi com grata surpresa, que agora esta famosa “Transformação Digital” que o mundo foi forçado a absorver rapidamente por conta da pandemia, para mim foi até mais natural do que eu pensava.  A proximidade, a interatividade com o grupo da tecnologia me deram isto de presente.

E como dizem por aí, as inovações tecnológicas vão determinar mudanças nos seres humanos. Será?

Tecnologia &, inovação, ciência, fazem cada vez mais parte do mundo dos seres humanos. E não conseguimos perceber nosso universo sem a tecnologia.

A ciência hoje já consegue imprimir corações, fígados em 3D; por meio de drones se consegue monitorar plantas individualmente, coletando informações, permitindo acompanhamento por regiões, identificando e corrigindo problemas pontuais em uma lavoura.

Cada ano que passa aprendo mais com os conteúdos do RioInfo. Com os painéis diversificados de alto nível.

Então deixo aqui uma mensagem a você que me lê: nunca diga nunca!

Esteja sempre aberto para novas possibilidades. Mesmo que estas pareçam não ter nada a ver com sua expertise. Vale ressaltar que não falamos aqui de especialistas ou generalistas. Isto é papo para um outro artigo.

Apenas te digo – não se feche a novos universos. Eles poderão ser mais próximos do que você imagina!

Pode acreditar… Papo de uma bioquímica no meio da tecnologia.

 

Katia Aguiar – bioquímica formada pela UFRJ, consultora de negócios em bioeconomia, empreendedorismo, inovação. É mentora de negócios e especialista em captação de recursos. Coordenadora RioInfo e uma das fundadoras da NeTe.