Setor hoteleiro se reinventa para atravessar a pandemia

Autor: Michael Nagy

 

 

O setor hoteleiro foi um dos mais impactados negativamente pela pandemia. No entanto, os desafios impulsionaram a modernização de muitas empresas para melhor atender o novo perfil de consumidor e melhorar os serviços. O trabalho para se reformular durante esse período vai muito além  de apenas conter custos e adotar protocolos sanitários. É o que contou o diretor de Vendas e Marketing do Fairmont Rio, da Accor Hotels, Michael Nagy, em entrevista ao Conexão 21.

Para manter a segurança dos hóspedes e dos colaboradores Nagy afirma que mais de 150 protocolos foram adotados e a capacidade máxima foi reduzida em  50%. Mas isso é apenas uma parte das medidas adotadas. Sem turistas não há hospedes, então buscou-se alternativas viáveis para manter a operação do hotel.

Uma das medidas paliativas foi converter quartos em escritórios. Essa foi uma opção para aquelas pessoas que estavam com problemas para trabalhar na modalidade home office -já que a disposição do hotel é favorável-. Outra medida para driblar os desafios da pandemia, foi a realização de shows na piscina e as varandas dos quartos serem como camarotes. A iniciativa se tornou uma opção de entretenimento com a segurança do distanciamento social.

Apesar de ser, de maneira geral, um período crítico, Michael acredita que o cenário está favorável para dar passos para uma retomada. “Eu acredito que estamos evoluindo nesse momento em que estamos vivendo. E esse movimento está vindo através da iniciativa privada, em um período em que o governo do Estado e o Município estão muito alinhados. Isso trás segurança jurídica para que a cidade e o estado possam avançar e segurança para que investidores possam avançar”.

Entendo que nesse momento é difícil falar em investimento. Antes da pandemia existia crescimento, existia verba. E agora estamos todos tentando pagar a conta,e isso significa gerar emprego e garantir a sustentabilidade das famílias. Esse é o grande investimento agora. Cobrando sempre do poder público que faça a sua parte.

“O Rio de Janeiro é uma fênix”

Nagy destaca que a  beleza natural do Rio de Janeiro e a vocação da cidade em se resistir e superar momentos de crise são características diferenciais. Ele pontua também que a união e  parceria entre empresários também são um caminho para atravessar esse período. “O Rio é um destino que encanta. A cidade consegue se reerguer e evoluir. É a referencia do Brasil no mundo. O momento está atípico, mas estão todos buscando como se conduzir. Momento de paciência, dialogo e compromisso com os projetos. Momento de olhar para o seu negócio e procurar no que posso ajudar o outro a crescer. Só sairemos dessa situação juntos.”

Nagy ainda acrescenta que “qualquer sucesso que tivemos aqui foi através do diálogo em que conseguimos encontrar pontos em comum e união entre empresários de diversos setores.  Antes havia contratação, hoje existem parcerias. Cada um com seu produto consegue se unir e gerar uma experiência que se rentabiliza e ajuda o negócio a andar pra frente.

 

CONEXÃO 21

Conexão 21 é um programa de entrevistas conduzido pelo fundador da NeTe Business Experience, Alberto Blois. São 21 minutos abordando temas variados sob a ótica empresarial com foco nas oportunidades de negócios. A cada edição o programa traz um convidado diferente para um bate-papo  em um ponto especial da cidade do Rio de Janeiro.  O programa vai ao ar toda  terça-feira, às 10:30 , na TV Petrópolis e 13:30 no Canal 8 em Campinas. A entrevistas completa com Michael Nagy e todas as demais entrevistas  também estarão disponíveis no canal do Conexão 21 no You Tube

 

E-commerce tem crescimento recorde em 2020

Não há dúvidas de que a pandemia afetou significativamente rotina de todos.  Para lidar com essa realidade os consumidores precisaram encontrar formas alternativas de manter hábitos e atender as necessidades específicas desse novo tempo. Nesse quesito o e-commerce teve grande destaque.  Só nos primeiros seis meses de 2020 o setor teve um crescimento de 47% em relação a todo ano de 2019. O dado foi apresentado pelo especialista em modelagem de negócios e fundador da Simples Inovação, Hawan Moraes, durante a entrevista para o programa Conexão 21.

 

Comprar determinados produtos pela internet, pedir comida por delivery já era um hábito de uma parte dos consumidores brasileiros, porem, não só mais pessoas passaram a fazer compras online, como também novos itens passaram a fazer parte da lista, é o que explica Hawan. “A principal mudança no comportamento do consumidor foi passar a comprar itens essenciais. Já comprávamos celulares e câmeras pela internet, mas agora os consumidores estão comprando arroz e feijão. A partir disso, cada vez mais pessoas então entendendo que que se pode comprar tudo pelo e-commerce com rapidez, segurança e comodidade”.

 

O incremento de consumidores impulsionado pela pandemia resultou em um faturamento recorde para o setor. De acordo com pesquisa divulgada pela ABComm – Associação Brasileira de Comércio Eletrônico – o faturamento do comércio eletrônico brasileiro, somados os meses de janeiro a agosto de 2019, alcançou a marca de R$ 41,92 bilhões.

 

Se por um lado a relação dos consumidores com o e-commerce foi bastante ampliada, por outro os empresários tiveram que se adaptar muito rapidamente a esse novo cenário.  E ainda que a realidade tenha sido imposta a todos, os pequenos negócios foram os que mais sentiram os impactos da pandemia, o que não significa que as grandes empresas também não tiveram desafios a serem superados.  “Quando se é grande o que acontece geralmente é um remanejamento de verba. Eles também tiveram que se reinventar. Pois ainda que tenham o recurso, era preciso saber onde e como aplicar esse recurso.  Já com os pequenos os problemas são muito mais acentuados, carência de equipe, conhecimento, estrutura. A dor e a necessidade fizeram com que muitos empreendedores fizessem adaptações abruptas em seus negócios.  Nós fizemos uma série de ações para ajudar empresários a desenvolverem nesse processo de transformação e ajudá-los a manter o CNPJ e os CPF por detrás das empresas”, ressaltou.

Hawan destaca ainda que estar presente na internet é fundamental e estratégico para um negócio sobreviver nessa nova realidade. “É fundamental aprender a vender online, o espaço físico e o digital se complementam, portanto, estar presente online ajuda a vender. Um empresário pode não ter seu produto considerado pelo comprador em uma pesquisa pelo fato de não ter uma presença na rede”.

 

CONEXÃO 21

Conexão 21 é um programa de entrevistas conduzido pelo fundador da NeTe Business Experience, Alberto Blois. São 21 minutos abordando temas variados sob a ótica empresarial com foco nas oportunidades de negócios. A cada edição o programa trás um convidado diferente para um bate-papo em um ponto especial da cidade do Rio de Janeiro. O programa vai ao ar toda terça-feira, as 10:30, na TV Petrópolis e 13:30 no Canal 8 em Campinas. A entrevistas completa com Hawan Moraes e todas as demais entrevistas também estarão disponíveis no canal do Conexão 21 no You Tube