Mulheres, parabéns!

Autora: Helena Monteiro

 

Muito tem- se falado que o executivo moderno deve ser aquele que consegue utilizar, de forma situacional, a competência certa para a situação certa. E a competência para identificar os sinais de futuro pertencem a todos os seres humanos, porém, as mulheres, com o seu sexto sentido, têm mais facilidades para equacionar algumas situações em que o homem se depara com maior dificuldade.

Por isso, as organizações vêm investindo em programas especiais para desenvolver habilidades masculinas e femininas em seus profissionais, através da implementação de novos parâmetros de convivência no ambiente de trabalho e valorização da feminilização, com suas competências especiais, que enriquecem de criatividade as soluções empresariais.

Portanto, não é coincidência estarmos assistindo um maior desenvolvimento da mulher no papel profissional.

A ascensão da mulher tem acontecido em vários setores da sociedade, muitos deles antes quase que exclusivamente ocupados por homens. É o caso da política, em que só recentemente as mulheres passaram a exercer cargos de maior responsabilidade, tornando-se presidentes de países, presidentes de casas legislativas, de partidos, de governos e de prefeituras.

A entrada da mulher no mercado de trabalho trouxe uma dinâmica diferente para os negócios e esse fato proporcionou benefícios para as organizações, porque as empresas modernas, que valorizam e abrem espaço para o indivíduo e dão maior ênfase para os fatores humanos que compõem a organização, buscam na mulher executiva o seu diferencial: a sua forma de gestão, mais participativa, a sua flexibilidade, capacidade de ouvir, sua resistência às adversidades, a incorporação melhor das metas a longo prazo, sua afeição ao trabalho, sua capacidade de ser mais detalhista, questionadora, cobrar resultados mais rápidos e pesquisar mais sobre os problemas. Além disso, tornam o ambiente mais dinâmico e instigativo.

Porém, se olharmos para um período não longínquo, veremos que durante muito tempo a mulher ocupou um lugar de inferioridade na sociedade. A aceitação da condição feminina estava assentada na maternidade como sendo o destino da mulher.

Nesse período, o âmbito doméstico e seus atributos eram responsabilidade da mulher, enquanto o trabalho que dizia respeito ao sustento da família constituía-se um atributo exclusivamente masculino.

Com o tempo, o papel da mulher, na sociedade patriarcal, foi-se desgastando, dando lugar a novos referenciais, e os valores antigos foram se transformando.

A mulher começou a ocupar um novo lugar na sociedade, através das suas competências e isto acelerou as discussões sobre os novos papéis de homens e mulheres.

E esta nova mulher surge com a força desbravadora de quem está ocupando um espaço diferenciado e, ao mesmo tempo, operando uma transformação significativa na sociedade. Ela está tendo a oportunidade de mostrar a si e à sociedade o quanto é capaz em termos de conhecimento, habilidade, atitude, produção intelectual, tomada de decisões, participação – tudo aquilo que só era permitido aos homens.

Mas como entender em tão pouco tempo tamanha transformação? Como entender o processo de dissolução das relações tradicionais? Afinal estamos assistindo à crise da estrutura social patriarcal autoritária e, de certa forma, à ascensão da estrutura da sociedade matriarcal.

A urbanização, a educação e a politização das mulheres são fenômenos que se somam aos novos tempos de maior liberdade feminina.

Seja no ambiente de trabalho ou na vida pessoal, as mulheres buscam, cotidianamente, superar desafios, colecionar conquistas e deixar sua marca na sociedade.

 E falarmos sobre as conquistas e os desafios das mulheres na sociedade e no trabalho é de extrema importância, para que possamos evoluir cada dia mais, bem como para reverenciar pelas conquistas.

 

Helena Monteiro – Sócia Diretora da IMPARH Assessoria

Pedagoga, com Especialização em Psicopedagogia, pela FGV/ RJ,  possui MBA em Gestão da Qualidade em Instituições de Ensino e MBA Master in Training and Development, pela Grifo Enterprise. Certificada DISC® – Avaliação Comportamental, desde 2007. Presta consultoria nas áreas de Gestão de Pessoas em Empresas de Grande, Médio e Pequeno porte.

 

 

Três Práticas Essenciais para o Profissional de Pré-vendas

Autora: Patrícia Carrasqueira

 

Não sei se você sabe, mas um profissional de pré-vendas tem que PREPARAR-SE em PERFORMANCE para fazer ligações, da mesma forma que um atleta de alto rendimento se prepara para subir no lugar mais alto do pódio.

PERFORMANCE significa atingir suas metas.

Para isso, nós de @SuaVisita pensamos em 3 dicas essenciais:

1 – Organização:

A organização é uma ferramenta indispensável para o calendário de preparação do atleta. O CONTROLE deve estar presente ao longo de todo o processo de preparação do desportista.

Imagina você não ter registro de que já ligou para alguém e ligar de novo sem considerar informações anteriores?

A organização atua como fonte de orientação e dá conhecimento do caminho, para alcançar os objetivos. Ex.: Ter números como META numa ferramenta – num sistema engagement (CRM próprio de pré-vendas) ou mesmo num Excel, word ou até caderno e CONFERIR quanto por cento já bateu da meta.

Isso também é fundamental para que o pré-vendedor faça um “volume inteligente”, pois seria muito pouco efetivo fazer várias ligações, no mesmo dia, só FUNCIONA COM ESTRATÉGIA.

Ter metodologia, boa lista, onboarding para explicar corretamente ao pré-vendas para que perfil ligar e como abordar corretamente. E dia após dia.

Além de falar com mais Leads qualificados, um pré-vendedor organizado perde menos tempo pensando sobre processos que por já estarem pré-definidos.

Quanto mais tempo nos dedicamos a uma mesma tarefa, mais eficientes ficamos em realizá-la.

2 – Disciplina

Para ser um atleta, ter disciplina é primordial. Conseguir conciliar todos os treinos pesados com uma vida normal, família, amigos e relacionamentos, é difícil.
Façam metas alcançáveis, você é um ser humano e não um robozinho!!!

É preciso ter uma rotina para condicionar o corpo, a mente e conseguir ter sucesso na carreira. CANALIZAR ESSA ENERGIA PARA A ALTA PERFORMANCE, de atingir as metas, que falávamos lá no início.

Você já sabe que a disciplina tem grande influência na carreira de um atleta. E para o vendedor a situação é semelhante: se o seu executivo de vendas não estuda constantemente e não segue a rotina proposta com disciplina, dificilmente ele irá gerar resultados. Não é possível sustentar um processo comercial previsível e escalável na base do talento. Não é só vocação, mas temos técnicas!!! #Estude.

Por isso, devem existir processos organizados que façam o vendedor entender que a disciplina pode ser uma grande aliada, para sobrar tempo para estudar e ganhar autoridade, além da empatia

3-Autoconhecimento

O autoconhecimento também exerce um papel fundamental para um atleta, por isso virou o terceiro item que quero chamar atenção hoje.

Ser ele mesmo, não ter um discurso ROBÓTICO passa por se conhecer bem! Quando ele se conhece, entende suas próprias características, seus melhores gatilhos, sua confiança, seus limites e quais aspectos pode desenvolver.

Autoconhecimento e vendas andam de mãos dadas e muito importante para mantê-lo engajado, conseguir ajudar do seu próprio emocional, muitas vezes vale pedir ajuda profissional.

Essas três dicas te ajudaram? Interage aqui, vamos falar mais. A @Sua Visita liga para centenas de pessoas todos os dias, podemos te ajudar com toda essa experiência e construção de conhecimento.

 

 Patrícia Carrasqueira – Consultora de vendas na Sua Visita